Nascidos em 20 de agosto. Benedito Gonçalves e Sebastião Tomé da Silva, presentes!

Dois mineiros, dois metalúrgicos, dois trabalhadores assassinados pela truculência policial com que o regime atacava grevistas ou supostos grevistas.

do Movimento Vozes do Silêncio

Nascidos em 20 de agosto. Benedito Gonçalves e Sebastião Tomé da Silva, presentes!

Dois mineiros, dois metalúrgicos, dois trabalhadores assassinados pela truculência policial com que o regime atacava grevistas ou supostos grevistas.

Benedito Tomé de Souza, com apenas 20 anos já era arrimo de família. Cuidava da mãe viúva e de seis irmãos menores. Um dia, em 1964, foi impedido por grevistas de entrar na usina em que trabalhava em Ipatinga/MG, a Usiminas. Ficou nas imediações aguardando autorização para entrar na fábrica. Foi atingido por uma bala no crânio.

Benedito Gonçalves era um senhor, pai de 03 filhos.

15 anos depois da morte de Tomé, a repressão continuava implacável com os trabalhadores. Também em uma greve, Benedito, que trabalhava em uma siderúrgica em Divinópolis/MG, foi gravemente atingido por um cassetete. Morreu de traumatismo craniano no mesmo dia do seu aniversário.

Tomé e Benedito: duas das milhares de pessoas inocentes que a ditadura perseguiu e matou.

De acordo com a matéria do Metrópoles, a inocência de suas vítimas é reconhecida pelo governo perante a ONU, em 1981, mas nunca o foi perante as famílias e a sociedade brasileira.

Vigília pelas Vítimas de Violência do Estado

Conhece alguma vítima de violência do Estado (morta, desaparecida, presa ilegalmente, torturada) que faz aniversário hoje?  A página do evento Ato Vigília pelas Vítimas de Violência do Estado recebe relatos de quem quiser se fazer ouvir. Estas histórias precisam ser contadas, não podem ser silenciadas, e a ajuda de todos fará com que se amplifiquem.

Leia também:  Mourão diz que democracia é pilar da sociedade, fazendo contraponto a Carlos Bolsonaro

30 de agosto é o dia escolhido pela ONU (Organização das Nações Unidas) para representar as vítimas de desaparecimento forçado, ou seja, aquelas que desapareceram após serem presas ou retidas ilegalmente por forças de segurança.

No Brasil, agosto é também o mês que simboliza a luta pela anistia política. A Lei de Anistia é de 29 de agosto de 1979, vai completar 40 anos. Temos aí 40 anos de luta por uma anistia política dada de maneira restrita, parcial, inconclusa e ainda aplicada às avessas.

Vá ao Ato! Conte essas histórias! E leve flores. Carregue-as como símbolo de uma cultura de amor e de muitas lutas memoráveis pela democracia.

Flores também são vozes do silêncio.

Para que não se esqueça, para que nunca mais se repita!

Conte sua história aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome