Presidente da Alesp vai cancelar homenagem a Pinochet

Homenagem seria feita a pedido de Frederico D’Ávila, que deve migrar para o novo partido de Jair Bolsonaro

Jornal GGN – A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) vai impedir a realização da sessão solene em homenagem ao ditador chileno Augusto Pinochet, agendada para ocorrer no dia 10 de dezembro.

Segundo a revista Fórum, o presidente da Alesp, deputado Cauê Macris (PSDB) anunciou em suas redes sociais que vai assinar nesta quinta-feira um ato impedindo que a homenagem ao ditador seja realizada na Assembleia. Sua publicação no Diário Oficial do Estado deve ocorrer nesta sexta-feira.

A homenagem seria feita a pedido do deputado Frederico D’Ávila, atualmente no PSL e que deve migrar para o Aliança pelo Brasil, o novo partido do presidente Jair Bolsonaro.

Um detalhe no agendamento está relacionado à grafia do nome do político chileno: a homenagem foi agendada como sendo a Augusto P. Ugarte, ocultando o sobrenome Pinochet.

A ditadura chilena comandada por Pinochet durou de 1973 a 1990, onde mais de 80 mil pessoas foram presas e outras 30 mil foram torturadas. Dados oficiais apontam o assassinato de mais de três mil cidadãos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Governo suspende nomeação de Sergio Camargo à Fundação Palmares

3 comentários

  1. LEI ANTI PINOCHET

    Que a vergonha que a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo – ALESP – foi submetida com essa homenagem vergonhosa lhe sirva de inspiração para que tais atentados não se repitam.

    Agora que a porta foi arrombada é preciso aproveitar o embalo e recoloca-la no lugar, com mais reforço, com mais chaves, trincos e tramelas e o que mais for preciso, para que aventureiros nazifascistas disfarçados de representantes do povo, não venham propor mais ações vergonhosas como estas.

    Nesse sentido propomos aos presidentes das casas legislativas de todo o Brasil, sejam elas municipais, estaduais, federais e nacional que regulamente imediatamente a concessão desses espaços do povo, no tocante as concessões de tributos/homenagens de quaisquer espécies ou quaisquer outras atividades no interior das mesmas que não tenham como princípios fundamentais os que norteiam a Declaração Universal dos Direitos Humanos, defesa do Estado Democrático de Direitos e a Autodeterminação dos Povos.

  2. No ritmo em vamos, após tocar músicas nazistas no 7 de setembro, vai surgir quem ofereça homenagens a Hitler, Mussolini, a Judas, Jack o estripador…
    É uma lista bem grande de opções para eles…

  3. Esse DEPUTAdo que vá homenagear assassinos e ditadores na casa dele. A ALESP não é lugar de homenagear bandidos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome