Reportagem mostra como opera um grupo de WhatsApp que viabiliza abortos clandestinos

Foto: Agência Brasil
 
 
Jornal GGN – A BBC Brasil divulgou nesta quarta (6) uma reportagem especial que mostra como opera um grupo no WhatsApp que viabiliza o aborto clandestino a mulheres, em sua maioria jovens, que querem interromper a gravidez e temem os riscos e a criminalização do ato.
 
Segundo a matéria, o grupo é administrado por mulheres que vendem remédios abortivos que são usados nos hospitais, mas cuja comercialização ao público é ilegal no Brasil. Os medicamentos são dosados a depender do estágio da gravidez e o preço pode variar de R$ 900 a R$ 1,5 mil. As compradoras recebem uma espécie de guia com orientações para o procedimento e também são acompanhadas por mulheres destacadas pela administração do grupo para essa função. 
 
A BCC diz ter acompanhado o grupo por cerca de 5 meses e constatou que a maioria das integrantes são jovens de 18 a 25 anos que alegam falta de condições financeiras e psicológicas para a maternidade. Algumas relatam que a gestão foi fruto de estupro e revelam que mesmo sabendo que, nestes casos, estão sob proteção da lei, elas sentem vergonha de expêr o abuso e optam pela via clandestina.
 
Nas contas da reportagem, cerca de 20 grávidas entram no grupo a cada mês. Uma das duas administradoras do grupo afirmou que 300 abortos foram realizados em três anos.
 
“A legislação brasileira prevê pena de um a quatro anos de prisão para quem provoca aborto com o consentimento da gestante”, destacou a BBC. No Brasil, ainda segundo a reportagem, 500 mil abortos são feitos por ano de maneira clandestina. 
 
SUPREMO E CONGRESSO
 
Na Câmara, tramita um projeto de lei que enrigesse ainda mais as condições para se ter um aborto legalizado no Brasil. Deputados querem estender o direito à vida ao feto desde as primeiras semanas de gravidez, o que pode prejudicar o aborto em situações já permitidas por lei: estupro, risco de vida para a gestante ou anencefalia. 
 
No Supremo Tribunal Federal, uma ação pede que o aborto seja descriminalizado em qualquer situação até o final do primeiro trimestre de gestação (12 semanas).
 
Na quinta (5), o site do STF divulgou a lista de debatedores que irão participar de uma audiência pública sobre o tema, entre os dias 3 e 6 de agosto. Leia aqui.

2 comentários

  1. Reportagem mostra como opera um grupo de WhatsApp que viabiliza

    Horripilante, não consigo entender como não se consegue desbaratar essa quadrilha de vendedores assassinos de abortivos!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome