Subnutrição materna e infantil continua alarmante, mostra The Lancet

Apesar do modesto progresso em algumas áreas, a subnutrição materna e infantil continua sendo uma grande preocupação de saúde global

Foto: The Lancet/Panos Pictures

Nova série da Lancet revela progressos variáveis na subnutrição materna e infantil na última década – refletindo a necessidade crítica de oferecer soluções comprovadas e disponíveis 

Do Centro de Pesquisas Epidemiológicas da Universidade de Pelotas

Autores lançam um apelo à ação para um financiamento acelerado a fim de melhorar a cobertura do programa e a prestação de serviços de qualidade que foram prejudicados pela crise do COVID-19

The Lancet publicou hoje a última série sobre a Evolução da Subnutrição Materna e Infantil, incluindo três novos artigos baseados nas descobertas das séries anteriores de 2008 e 2013, que estabeleceram uma agenda global baseada em evidências e dados para combater a subnutrição durante a última década. Os artigos concluem que, apesar do modesto progresso em algumas áreas, a subnutrição materna e infantil continua sendo uma grande preocupação de saúde global, particularmente porque os ganhos recentes podem ser mitigados pela pandemia do COVID-19. Os artigos reiteram que as intervenções anteriormente destacadas continuam a ser eficazes na redução do atraso de crescimento, deficiências de micronutrientes e mortes de crianças, bem como enfatizam a importância de realizar essas intervenções nutricionais dentro dos primeiros mil dias de vida. Apesar desta evidência, a entrega dos programas ficou atrasada em relação aos progressos da ciência e precisa-se de mais financiamento para aumentar as intervenções comprovadas.

Os estudos concluíram que a prevalência de taxas de atraso do desenvolvimento infantil caiu nos países de baixa renda, passando de 47,1% para 36,6% de 2000 a 2015, mas menos nos países de renda média, onde as taxas caíram de 23,8% para 18,0%. No entanto, o mundo está ficando aquém do objetivo nutricional da Assembleia Mundial de Saúde de reduzir o retardo de crescimento em 50% até 2025.  Em comparação, houve pouco progresso na porcentagem de crianças com síndrome consumptiva (déficit de peso para a altura) tanto em países de renda média quanto em países de baixa renda. Uma nova descoberta também mostra que quase 5% (4,7) das crianças são simultaneamente afetadas tanto pelo atrofiamento quanto pela síndrome consumptiva, condição associada a um aumento de 4,8 vezes na mortalidade. A incidência de retardo de desenvolvimento infantil e síndrome consumptiva é maior nos primeiros seis meses de vida, mas também existe em parte ao nascer. Para a nutrição materna, embora a prevalência de subnutrição (baixo índice de massa corporal) tenha caído, a anemia e a baixa estatura permanecem muito altas. 

“Embora tenha havido pequenas melhorias, especificamente em países de renda média, o progresso continua muito lento em relação ao déficit de peso para altura e ao retardo do desenvolvimento infantil”, diz Cesar Victora, do Centro Internacional de Equidade em Saúde, da Universidade Federal de Pelotas, no Brasil. “As evidências também reforçam a necessidade de se concentrar nas intervenções nos primeiros mil dias e de priorizar a nutrição materna para a própria saúde da mulher, bem como para a saúde de seus filhos”, acrescenta.

Desde a Série de artigos de 2013, evidências sobre a eficácia das dez intervenções recomendadas aumentaram, juntamente com as evidências sobre a eficácia de novas intervenções. Novas evidências apoiam fortemente o uso de suplementação preventiva de nutrientes à base de pequenos lipídios (SQ-LNS) para reduzir retardo do desenvolvimento infantil, déficits de peso para a altura e insuficiência ponderal. As análises também apoiam o aumento da suplementação pré-natal de múltiplos micronutrientes para prevenir a gravidez com efeitos natais adversos e melhorar a saúde materna.   

Com base nesta nova evidência, a série apresenta um novo quadro para categorizar as ações de nutrição em intervenções diretas e indiretas, bem como intervenções no setor de saúde e não relacionadas à saúde. Este quadro de ação destaca que as intervenções com eficácia comprovada em evidências continuam a ser uma combinação de intervenções diretas (por exemplo, suplementação de micronutrientes e aconselhamento sobre amamentação) e intervenções indiretas para abordar os determinantes subjacentes da desnutrição (por exemplo: planejamento familiar e serviços de saúde reprodutiva; programas de transferência de dinheiro; água, saneamento e promoção de higiene). As intervenções nutricionais realizadas dentro e fora do setor de saúde são igualmente cruciais para prevenir e gerir a desnutrição. 

“Nossas evidências apoiam a eficácia contínua de todas as intervenções recomendadas na Série 2013. Novas evidências apoiam ainda mais a ampliação da suplementação de múltiplos micronutrientes para mulheres grávidas, em particular a suplementação com ácido ferro-fólico e a inclusão do SQ-LNS para crianças, o que nos leva a 11 intervenções centrais”, diz Emily Keats, do Centro de Saúde Infantil Global do Hospital para Crianças Doentes de Toronto, Canadá. “Agora precisamos nos concentrar em melhorar a cobertura das intervenções, especialmente para os mais vulneráveis, através de ações multissetoriais”, acrescenta Jai Das, do Centro de Excelência em Saúde da Mulher e da Criança da Universidade Aga Khan, em Karachi, Paquistão.  

Um outro estudo revela que a cobertura das intervenções de nutrição direta mostrou poucas melhorias durante a última década. O documento destaca a necessidade de um compromisso renovado baseado em novos elementos resultantes de pesquisas de implementação e financiamento acelerado para aumentar a cobertura e melhorar a qualidade da prestação de serviços. Também destaca a evolução tanto da base de evidências quanto da implementação de intervenções que abrangem nutrição, saúde, sistemas alimentares, proteção social e água, saneamento e higiene desde a Série de artigos Lancet de 2013. 

Os autores concluem a Série com um chamado global para ação a fim de retomar o compromisso com a agenda inacabada de subnutrição materna e infantil. 

“Governos e doadores devem se comprometer novamente a enfrentar a questão não resolvida da desnutrição materna e infantil com compromissos financeiros sustentados e consistentes”, diz o coordenador da série, Zulfiqar A. Bhutta, do Centro para Saúde Infantil Global de Toronto e da Universidade de Aga Khan. “Os governos devem expandir a cobertura e melhorar a qualidade das intervenções diretas – especialmente nos primeiros 1.000 dias. Eles têm que identificar e abordar os determinantes imediatos e subjacentes da subnutrição através de intervenções indiretas; construir e manter um ambiente político e regulatório para a ação em matéria de nutrição; e investir em sistemas de monitoramento e aprendizagem em nível nacional e subnacional”. 

“A pandemia do COVID-19 continua a prejudicar os sistemas de saúde, exacerbar a insegurança alimentar e ameaçar reverter décadas de progresso”, comenta Rebecca Heidkamp, do Departamento de Saúde Internacional da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg. “Tanto para a resposta à pandemia quanto para a aproximação da Assembleia Mundial da Saúde de 2025, os atores da nutrição em todos os níveis devem responder ao chamado à ação para reunir recursos, liderança e coordenação – juntamente com dados e evidências – para enfrentar o fardo mundial da subnutrição”. 

Em comentário anexo à série de artigos, Meera Shekar, líder global em nutrição do Banco Mundial, observa: “O progresso na entrega de soluções bem conhecidas é inaceitavelmente lento. Para mudar esta dinâmica, acreditamos firmemente que, além de priorizar o que fazer, os países precisam de orientações muito melhores sobre como fazê-lo em grande escala. Eles devem ser informados com precisão sobre quanto financiamento é necessário e qual a melhor maneira de alocar recursos para maximizar o impacto”.  

Na última década, a questão da subnutrição cresceu em importância na agenda global, impulsionada em parte pelas descobertas das séries de 2008 e 2013. Esta nova série chega em um momento crítico, pois 2021 foi declarado o Ano de Ação de Nutrição para o Crescimento – Nutrition for Growth (N4G) Year of Action, que culminará com a Cúpula das Nações Unidas sobre Sistemas Alimentares em setembro de 2021 e a Cúpula N4G de Tóquio em dezembro de 2021.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora