EUA registra quinta noite seguida de protestos contra Trump

Empresário confirma que levantará muro na divisa com o México, mas que não acabará com todo “Obamacare”
 
 
Jornal GGN – Norte-americanos continuam protestando contra o novo presidente eleito naquele país, o empresário Donald Trump. Pela quinta noite, desde que sua eleição foi anunciada, milhares de pessoas estão saindo às ruas em cidades de norte a sul daquele país gritando palavras de ordem como “O ódio não nos fará grandes”, “Donald Trump tem de ir” e “O amor supera o ódio”, em contraposição ao discurso utilizado por Trump para vencer as eleições onde, entre outras coisas, prometeu expulsar imigrantes sem documentos e construir um muro na fronteira com o México, além de dizer frases misóginas, machistas e racistas.
 
O único local em que se tem notícias de que as manifestações resultaram em detenção foi em Portland, a maior cidade do estado do Oregon, onde a polícia prendeu 71 pessoas por “má conduta”. Em Los Angeles, cerca de 8 mil pessoas se concentraram em frente a rede de televisão CNN, antes de iniciar uma marcha pelo centro da cidade. 
 
Nesse domingo (13), Trump confirmou, durante uma entrevista à emissora CBS, que manterá a promessa de construir um muro na fronteira com o México, assim que assumir a Casa Branca. O novo presidente dos Estados Unidos já vinha dizendo, durante a campanha, que irá deportar “imediatamente” entre 2 e 3 milhões de imigrantes clandestinos com antecedentes criminais. E, também, que os latinos é que vão pagar pela construção do muro. 
 
Obamacare
 
Em recente entrevista ao The Wall Street Journa, Trump voltou um pouco atrás sobre a promessa de acabar com o sistema de saúde criado pelo presidente Barack Obama, destacando que não vai enterrá-lo, como disse na campanha eleitoral, mas que parte da estrutura poderá ser mantida.
 
*Com informações da Agência Brasil 

8 comentários

  1. Nassif,
    Vou dar o meu pitaco

    Nassif,

    Vou dar o meu pitaco sobre a vitória de Donald Trump e alguns de seus efeitos.

    É razoável afirmar que as pessoas não votaram a favor de DTrump, um empresário, também apresentador de televisão e virgem no ambiente da política, mas contra o “tudoistoquetaí” de Washington, um grupelho que faz o que quer e bem entende há mais de 30 anos, só que sempre a favor do 1% – Cansei de ver vocês ganhando $$$ à vontade e socializando prejuízos, o caso da mesada de 80 bi de dólares mensais para os tais “grandes demais para quebrar”; cansei de ficar vendo as famílias sem lugar para morar, fazendo de moradia o carro da famíla; cansei de ficar vendo  o food stamps crescer , já são 47 milhões a depender do programa prá conseguir comer; cansei deste medicare que me custa $$$$$ prá xuxu; cansei disto tudo, cansei de ser enganado, agora eu vou de Trump prá ver o que acontece.

    E o candidato, como não tinha qualquer herança de ordem política e nem qualquer compromisso, optou por fazer aposta bastante perigosa, ao abrir mão do voto de negros, hispânicos e minorias em geral e se fixar apenas na população branca do interior do país, tanto que DTrump perdeu em todas as grandes cidades do país.

    Em NY a derrota foi na base do 1:10, o que só faz confirmar que NY, Miami e outras do gênero apenas estão nos USA, pois o legítimo american way of life não passa, nunca passou por aquelas cidades. Se esta enorme fatia da população é racista, preconceituosa, adora armas de fogo, se ela detesta o politicamente correto, e daí ? O fato é que tudo isto faz parte daquela sociedade, gostem os outros ou não, USA não é DisneyWorld..

    A tal opção, devidamente avaliada por profissionais do ramo, fez com que 92% dos negros e todas as minorias ficassem com HClinton, mas também permitiu que o candidato ficasse liberado prá falar o que bem entendesse durante os comícios, debates, etc…

    Para ter chance, DTrump enfrentou a todos os adversários, tanto os republicanos como os democratas e também a grande mídia americana com muita disposição, aquilo que DRousseff não fez ou não quis fazer, e o jargão ” vou reconstruir a América” acabou por convencer alguns milhões de americanos que estavam indecisos.

    A aposta deu certo, na verdade passou raspando, e aí veio o inusitado – aprendi que o merval americano atende pelo nome de Wolf Blitzer, figuraça que trabalha há anos na CNN (já tinha dado um show de cretinice durante a invasão do Iraque) e que, ao acompanhar o resultado da votação, por pouco não chorou diante da~câmera, uma vergonha. A cobertura da mídia americana sobre o resultado é deprimente, só na BBC existe vida inteligente.

    Foi este espírito de corpo, o fato de não saber perder que levou a mídia a incendiar a população contra a vitória legítima de um candidato, e lá se vão dias de protesto em vergonhosa demonstração de espírito minimamente democrático, idéia que sempre foi mais vendida do que banana na feira.

    • PROCURAÇÃO PARA BARBARIZAR

      Somente seguindo o seu raciocínio e a tendência política  que se impõe, tomemos Sâo Paulo e as eleições para o governo com uma plataforma que terá, proporcionalmente as seguintes afirmações:

      1- expulsar os nordestinos

      2- acabar com as quotas porque negro tem  é  que trabalhar e não estudar.

      3- tirar os pobres dos bairros próximos da cidade

      4-São Paulo para os paulistas.

      Coisas assim.

      Em se elegendo um candidato desses, não cumprir promessa de campanha é trair o  voto  do eleitor.

      Com essa procuração para barbarizar, tanto lá quanto aqui, que espécie de progresso humano poderemos

      esperar?

      Façamos as contas e esperemos uma crise social futura sem precedentes.

      • mídia moleque

        Amoraiza,

        Progresso humano, ao menos por aqui, virou vento.

        É ministro da Educação um completo incapaz que foi escolhido pelo maior proprietário de colégios do Nordeste, daí ocorrer uma reforma do ensino formulada por meia dúzia de jênios, enfiados numa sala durante uma semana e pronto. Como seria possível sonhar com progresso humano ?

        Quanto à futura crise social, esta PEC criminosa congelando o patropi por 20 anos, caso venha a perdurar, será um castigo terrível para 99% dos brazucas, não será possível ser diferente.

        Por pior que possa ser o governo americano, ele tem instituições estáveis, como também ocorreu por aqui até que viesse o golpe maldito. Agora é a vez de eleição indireta ou, para disfarçar, Carmen Lúcia de um lado e GAlckmin do outro, nada além de um jogo de comadres.

        A única dúvida é saber o quanto mais esta gangue de bandidos será capaz de destruir, porque certeza, só mesmo a de que a geração do meu neto está f. e mal paga. Aqui no RJ o tráfego de carros reduziu bastante, e a maioria explica isto como sendo consequência das obras feitas por EPaes, não são capazes de enxergar que o motivo real para as ruas bem mais vazias é a crise econômica que ocorre no país neste momento, crise vergonhosamente escondida do noticiário pela nossa grande mídia moleque até não poder mais. 

  2. Os inocentes úteis à extrema direita no Brasil.

    A ignorância de muita gente que se diz de esquerda – na maioria apoiadores do PT – no Brasil, continua alimentando a extrema direita depois da eleição de Trump. Agem como quintas colunas  inconscientes ou como inocentes úteis – úteis à extrema direita brasileira.

    Muitos criticam as manifestações anti- Trump como antidemocrática porque ele foi eleito. Essas pessoas agem como inocentes úteis a extrema direita brasileira por trés motivos:

    1) o primeiro é que em qualquer democracia supõe-se que as pessoas possam se manifestar contra um presidente eleito. A critica dessas pessoas é que é antidemocrática, autoritária, alimenta a extrema direita.

    2) Essas pessoas ou desconhecem o sistema eleitoral americano ou são no fundo conservadoras, querem que tudo continue como está. A eleição nos EUA é indireta, não vou explicar o sistema aqui, mas o fato é que um candidato pode ter maior numero de votos populares, mas não obter o maior número de delegados, ou seja não ser eleito. Foi isso que aconteceu nos EUA: Trump teve menos votos que Hillary. Os apoiadores do PT que acham as manifestações anti-democráticas deveriam fazer uma simulação do que teria acontecido no Brasil em 2014 se tivessemos o ‘democrático’ sistema eleitoral americano: teríamos Dilma presidenta?

    Quando as pessoas vão para rua em manifestações antifascistas reivindicando um sistema realmente democrático nos EUA, onde não haja restrições a partidos, onde o eleito represente a maioria dos votos do povo, muitos inocentes úteis da  pseudo esquerda brasileira dizem que essas manifestações são anti-democráticas, fazendo uma analogia pobre, desinformada e talvez até mal intencionada entre o Brasil e os EUA.

    3) Muita gente faz analogias toscas e completamente sem sentido entre as manifestações de extrema direta no Brasil recente e as manifestações nos EUA. Esquecem que quem se manifestou no Brasil a favor de Trump foi a mesma coxinhada da paulista que foi as manifestações fascistas ou criptofascista pelo impeachment. Não tem a minima noção de internacionalismo e acabam agindo como ‘nacional socialistas'(nazistas, fascistas e stalinistas).

    Não se perguntam quem está organizando as manifestações anti-trump. Em matéria no Buzzfeed (13 de novembro) são apontados vários grupos que estão organizando essas manifestações. São variáveis de acordo com o lugar; em alguns lugares são manifestações organizadas espontaneamente por pessoas nas redes sociais;em alguns lugares são grupos anarquistas – em Portland por exemplo, onde as manifestações acabam de forma mais violenta. Mas as grandes manifestações são organizadas por grupos de esquerda;  Mas na maioria dos lugares são grupos de esquerda, sendo que o mais ativo deles é o “Socialist Alternative” que atua principalmente na organização das manifestações em Nova York. As manifestações convocadas por redes sociais atraem vários grupos: defensores de direitos humanos, pessoas que não puderam votar no Sanders por causa das manipulações da cúpula do partido democrático nas primarias, grupos gays, feministas, etc.

    Mas é mídia que ‘alimenta as manifestações’! Garanto que a maioria dos que falam isso não veem a cobertura que a mídia americana está dando as manifestações, repetem o que viram acontecer no Brasil sem pensar e sem se informar. Eu vi outro dia. Quando aparecem grupos militantes de esquerda na tela, o comentário é o seguinte: ‘Ha, a alguns grupos militantes. Sempre há, mas é uma minoria e infelizmente quando há grupos militantes sempre acaba em violência”. As cenas de violência de meia dúzia de pessoas são repetidas À exaustão. A mídia não está organizando as manifestações, não está apoiando, está tentando capturar manifestações organizadas pela esquerda, mantê-la ‘sob controle’. Alguém lembra de junho de 2013?

    E mais, muitos  não sabem que há uma marcha de comemoração da vitória organizada por grupos neonazistas americanos. Mais uma vez muita gente da ex-querda desinformada do Brasil serve de quinta coluna inconsciente, de inocente útil a extrema direita brasileira sinalizando que a extrema direita é que representa a democracia e a esquerda é antidemocrática. Estão cavando a própria cova.

  3.  
    Aquilo alí também é uma

     

    Aquilo alí também é uma esculhambação muito parecida com a Bananolândia brazilis. O problema, é que os nossos vira-latas americanófilos de merda, vivem endeusando aqula bosta, dia sim, no outro, também.

    Orlando

     

  4. Uma visão cambiante de Trump

    Tenho uma visão cambiante sobre o Trump. Tem horas que o imagino o Kennedy com o dobro do cérebro e a metade dos músculos; ora, o imagino um jorge bucho da vida, com o dobro dos músculos e a metade do cérebro

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome