Xadrez da República Fundamentalista do Brasil, por Luis Nassif

Peça 1 – o fundamentalismo de Bolsonaro

Algumas decisões dos últimos dias mostram que o governo Bolsonaro caminha para a implantação de um fundamentalismo religioso no país, uma Teocracia, atropelando qualquer veleidade de racionalidade e de pragmatismo. A pequena esperança de que houvesse um grupo interno com alguma racionalidade – os chamados generais da infraestrutura – se dilue.

Ernesto Araújo, indicado por Olavo de Carvalho para o Ministério das Relações Exteriores, é membro da ultradireita mais pirada, para quem a salvação do mundo está no presidente norte-americano Donald Trump.

Nos EUA, Trump está em escala descendente, acossado por todos os lados. No círculo fechado do Partido Republicano, é dado como irrecuperável, inclusive para tentar a reeleição. Tinha 90% da mídia contra ele. Agora, tem 100%. E o Brasil vai atrelar seu vagão nesse trem.  

Com personagem de tal nível, o Brasil desaparecerá do mapa diplomático mundial.

O segundo, o fim do programa Mais Médicos, com Bolsonaro brandindo argumentos irracionais, sem a menor preocupação com a situação de saúde dos municípios beneficiados pelo programa.

Terceiro, a intenção de mudar a embaixada brasileira de Israel para Jerusalém. No início, não havia nenhuma explicação plausível para a medida. Só agora ficou claro que a motivação é de cunho estritamente religioso. Grupos influentes de evangélicos acreditam que, segundo a Bíblia, o caminho da salvação passa por Jerusalém. Pouco importa o fato de os países árabes serem grandes importadores de produtos brasileiros. Pelas últimas indicações, Bolsonaro fincará pé na proposta de fundo bíblico enquanto monta sua Arca de Noé.

Quarto, os ataques do futuro Ministro Paulo Guedes ao Mercosul e à Argentina, de longe o maior importador de carros brasileiros.

Como um governo fundamentalista enfrentará os problemas que se avizinham?

Peça 2 – a economia internacional

No plano internacional, há uma deterioração no ambiente externo.

Leia também:  As bandeiras de outrora precisam ser resgatadas, por Francisco Celso Calmon

No começo do ano, o mercado especulava se os juros norte-americanos chegariam em 3% ao ano. Agora, especula-se se irá parar em 3% ou seguir adiante.

Para entender o jogo:

  1. Nas últimas décadas, a grande força deflacionária da economia norte-americana foram as manufaturas da Ásia – da mesma maneira que os alimentos da América Latina no início do século 20. Em ambos os casos, ocorreu uma inflação de ativos, não de bens e serviços.
  2. Agora, identificam-se novas pressões de preços. A inflação continua sendo de ativos, devido ao fato da política monetária expansionista norte-americana – a chamada quantitative easing – não ter atacado o problema central, as bolhas de ativos.
  3. A estratégia de Donald Trump era desvalorizar o dólar, para aumentar a competitividade da produção interna. Com a política de juros do FED, ocorrerá o contrário: uma nova valorização do dólar. Ao mesmo tempo, com a crise econômica rondando a Itália e a Alemanha, haverá maior probabilidade de o Banco Central Europeu continuar comprando US$ 40 bilhões de euros/mês. Com isso haverá um descolamento progressivo do dólar.
  4. Na medida em que não conseguirá desvalorizar o dólar, a maneira de Trump melhorar a competitividade norte-americana será através da elevação de tarifas, acirrando a guerra comercial. Como não há formas de substituir internamente as importações da Ásia, o resultado será as empresas norte-americanas passarem a pagar mais caro pelos produtos importados, produzindo uma inflação de custos.
  5. A reação do FED deverá ser de novos aumentos da taxa básica de juros, com a consequente nova valorização do dólar.

As consequências sobre o Brasil serão da seguinte ordem:

  1. Maior desvalorização cambial em relação ao dólar. O mercado já trabalhar com a possibilidade de dólar a R$ 4,00 no próximo anos.
  2. Aumento da taxa Selic. Mercado já trabalha com a hipótese de Selic a 8% no próximo ano.
Leia também:  Governo suspende nomeação de Sergio Camargo à Fundação Palmares

E, aí, surgem nítidas as vulnerabilidades do governo Bolsonaro.

Peça 3 – o fator Paulo Guedes

O atual presidente do Banco Central, Ilan Goldjan, é um representante clássico do mercado internacional. Foi considerado o melhor presidente de Banco Central do planeta, pelo feito de segurar a inflação, pouco importa se à custa de 13 milhões de desempregados e do comprometimento do crescimento brasileiro. Mas, enfim, é o representante máximo das instituições internacionais de mercado.

Foram duas as razões para não ter aceitado o convite de permanecer no banco. 

O primeiro, o anúncio de que Guedes passaria a trabalhar com duas metas: a da inflação e a cambial. É decisão relevante, mas que não se anuncia de véspera, menos ainda sem consultar o presidente convidado a permanecer no BC..

O segundo, a afirmação de Guedes de que poderia vender US$ 100 bilhões das reservas cambiais acumuladas. Ora, se ele garantia plena autonomia para o BC, como se outorga o poder de decisão sobre as reservas?

Independentemente do mérito ou não das medidas, é evidente que desnudaram o bonapartismo de Guedes.

Em seu lugar, irá Roberto Campos Neto, que, pelo que me dizem, herdou do avô o ideologismo de sua fase jornalística, em vez do pragmatismo de seu período de homem público.

O problema maior é que não haverá nenhuma recuperação da economia se a política econômica ficar subordinada aos cânones do mercado. A recuperação dependerá de investimentos públicos no grau correto. Isso demanda convicção econômica e competência de gestão, algo que, por enquanto, parece longe dos predicados de Guedes.

Serão trës macacos em loja de louças: Bolsonaro, Guedes e o futuro articulador político Onix Lorenzoni, tido como igualmente desastrado e com pouca capacidade de articulação.

Leia também:  Bolsonaro menospreza aumento da carne e diz que não irá tabelar para proteger preço nacional

Peça 4 – razão versus religião

E aí se entra no busílis do problema. Passado período da graça, os meses iniciais que a opinião pública concede a todo governante que inicia, o que ocorrerá quando se manifestar a desilusão popular?

Uma imagem contendo captura de telaDescrição gerada automaticamenteO pior sinal, até agora, sobre o futuro governo Bolsonaro, foi a desistência do general Oswaldo Ferreira de ficar no governo, depois que Bolsonaro recuou na ideia de entregar a ele a Casa Civil da Infraestrutura. Os chamados generais da infraestrutura pareciam o único ponto de racionalidade na equipe de transição, impedindo o mergulho no fundamentalismo religioso que aflorou com a escolha do futuro Ministro das Relações Exteriores.

Agora, pipocam informações sobre as alianças que estão sendo fechadas com a ultradireita internacional. E o colunista Merval Pereira, de O Globo, belo setorista da direita, informa que Eduardo Bolsonaro, o filho que indicou o chanceler, pretende assumir a liderança intelectual da direita na América Latina. Imagine-se o resultado!

A se medir pelos Twitters do general Heleno – que vai ocupar o Gabinete de Segurança Institucional – vai haver caça às bruxas em todas as instâncias. E com a contribuição decisiva do futuro Ministro da Justiça Sérgio Moro. Esse fato será acirrado pela desimportância total conferida pelo grupo de Bolsonaro às organizações internacionais, fato que reduzirá sua capacidade de impedir a instalação do estado policial.

Quando se manifestar a decepção com a economia, a grande arma que restará a Bolsonaro será a caça aos infiéis.

Faltam informações sobre o nível de aceitação das elucubrações olavianas (de Olavo de Carvalho) pelo Alto Comando das Forças Armadas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

54 comentários

  1. Talvez, os europeus salvem o Brasil deste fanático.
    Apesar do desprezo de Jair Bolsonaro pelas instâncias internacionais, elas podem asfixiar o “Duce” brasileiro caso ele queira transformar o Brasil em uma Arábia Saudita pentecostal.

    A Alemanha, sozinha, tem potencial para estrangular setores muito relevantes da economia brasileira como as indústrias químicas, auto-peças e automobilística.

    A França, de Macron, de Melenchón e do sempre poderoso PS pode também fazer um grande estrago por aqui via instâncias internacionais e uma moratória de investimentos, por exemplo, de sua indústria automobilística, cada vez com maior fatia do mercado nacional.

    E não imagine o abobalhado “capitão” que os EUA “vão nos salvar” pois os estadunidenses sempre foram contra o desenvolvimento do Brasil, sabotando todos os esforços brasileiros para a modernização de nosso economia.

    Só nos ajudaram quando não tiveram saída, com o habilidoso Getúlio Vargas obrigando Franklin Delano Roosevelt a empurrar a sua cadeirinha de rodas para negociar a entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial em troca da instalação em nosso país, em plena Guerra, de uma enorme siderúrgica em Volta Redonda.

    Com os malucos que assessoram o nosso “Duce” tendo como lazer chutar as canelas de nossos principais parceiros econômicos, o destino do Brasil será ser um “Grande Paraguai”, com índices sociais do Haiti, índices de crimes da Colômbia e desorganização político/adminsitrativa da Líba ou até da Somália.

    • O PS perdeu o espaço que ocupava

      O Partido Socialista francês saiu aos pedaços da ultima eleição e ainda não se recuperou assim como o partido Les Républicains de Sarkozy e Fillon. Se tivesse havido eleição na França esta ano, com Macron descendo vertiginosamente na opinião popular, é bem provavel que tivéssemos uma eleição entre a extrema-esquerda Mélenchon e a extrema-direita com Marine Le Pen. As proximas eleições presidenciais na França acontecerão em 2022, o mesmo ano do Brasil. Eh possivel que se Macron continue afundando as classes médias baixas, Marine Le Pen chegue ao poder. 

  2. A conspiração

    Tudo se resume em se o Bolsonaro entregará ou não um governo.

    Se governar e tiver sucesso, bom  para o povo e para o Brasil, se não, bem os desafios são muitos e as dificuldades formidáveis. Basta lembrar do imbroglio fiscal/tributário ou as questões da saúde e da segurança, entre muitas outras.

    A equipe que está montando o atual time parece que têm soluções interessantes e fora do radar, mais ainda, levanta suspeitas de um direcionamento externo secreto, pós-dinheiro talvez, ou seja, uma inteligência não-humana (ou super inteligência livre dos quatro pulsões básicos) capaz de despistes que confundem até os mais argutos observadores, como o que assisti a pouco no programa do Waak, onde o  Alexandre Fuccille, que apesar de sua enorme experiência, também veio a se juntar ao enorme grupo de comentaristas aqui do blog que desconfiam destas influências, entre outros o Clever (https://jornalggn.com.br/comment/1275357#comment-1275357), a Cristiane e mesmo o Nassif que denunciou o marketeiro americano na campanha.

    De onde está saindo a montagem dos ministérios e do segundo escalão, que segundo o Mourão são os que realmente operacionalizam os ministérios?

    Por que alguns nomes já se afastaram? A explicação do general e do presidênte do BC aqui neste post é simplória, não convence.

    Com certeza teremos surpresas com o Bolsonaro, e os resultados, serão como que mágicos, mas existe uma diferença, a mágica que eu proponho têm transparência esta vêm lacrada.

    • Simbolismo e ordem cósmica

      [video:https://youtu.be/EeTDAhQudqo%5D%5Bvideo:https://www.youtube.com/watch?time_continue=653&v=EeTDAhQudqo%5DUm vídeo do Olavo divulgando seu curso e falando sobre Tarot e Astrologia no sentido que uso, vale assistir para os que tem interesse em filosofia e no tema.

       

       

      W. R. Inge, no clássico “Christian Mysticism”(New York, 1956), afirma: “O misticismo é a tentativa de realizar, no pensamento e no sentimento, a imanência do temporal no eterno, e do eterno no temporal… Mas, uma vez que a nossa consciência do além é ela própria desprovida de forma, ela não pode ser trazida diretamente a uma relação com as formas do nosso pensamento. Em decorrência disso, ela tem de se expressar por símbolos.”

      Tudo isso está certo, mas deixa de fora o principal: Se os símbolos são apenas instrumentos da linguagem humana, eles são criados pelo homem e nada mais expressam do que o pensamento humano mesmo. A famosa “imanência do temporal no eterno e do eterno no temporal” não passa, aí, de um fenômeno interno da mente humana, sendo inteiramente temporal e nada tendo de eterno exceto uma pretensão nominal que atesta a sua própria impotência.

      Ou os símbolos são a linguagem do próprio eterno e o canal do seu ingresso na esfera temporal, ou toda pretensão de falar do eterno só nos aprisiona mais e mais na esfera temporal.

      Mais que o advento da física matematizada, mais que o surgimento das monarquias nacionais e de um punhado de impérios em concorrências, mais que a arte de Michelangelo e Leonardo, essa questão marca a passagem da civilização medieval à “Idade moderna”.

       

      Desde a distinção galilaica entre “qualidades primárias” e “qualidades secundárias” dos objetos, tudo o que pudesse indicar ou sugerir um simbolismo da natureza, uma intencionalidade cósmica, a unidade profunda da alma humana com o cenário cósmico em torno, a existência de um “sentido” na presença humana no cosmos foi cada vez mais expulso do mundo real e aprisionado no recinto fechado da subjetividade humana, da fantasia arbitrária, da criatividade linguística, da “invenção cultural”. Quando não da superstição ou da loucura pura e simples.

      O discurso religioso, nesse panorama, paira acima da experiência real, como duas substâncias separadas e infungíveis, como a água e o óleo. Os símbolos cristãos perdem força  vivida e se reduzem a figuras de linguagem. A fé, em vez de ser a continuidade e o estágio superior da razão e da experiência, torna-se uma aposta voluntarista em tradições veneradas e em esperanças etéreas.

      De que adianta o fiel repetir que “os céus cantam a glória de Deus” se o único céu que ele conhece é o da ciência física moderna, o qual não apenas não canta, mas nem mesmo fala?

      O objetivo deste curso é mostrar a urgência e a possibilidade de recuperar o simbolismo natural sem o qual o discurso religioso se reduz cada vez mais a uma retórica convencional e à expressão de um wishful thinking impotente.

      Só o mais presunçoso dos idiotas negaria que há conhecimentos valiosos e essenciais espalhados em todas as tradições científicas, literárias. artísticas, religiosas e esotéricas milenares. A forma do conjunto, no entanto, é caótica e inapreensível, e toda tentativa de colocar nele alguma ordem esbarra não só na quantidade inabarcável do material e na multiplicidade dos códigos lingüísticos e simbólicos envolvidos, mas na dificuldade invencível de encontrar o nexo, a chave de abóbada desde a qual a unidade se revele por trás e por cima (ou por baixo) da massa, entre luminosa e obscura, que se oferece como supremo enigma à inteligência humana. Uma chave propriamente cognitiva ( isto é, doutrinal ou teórica) é inalcançável por definição, já que sua posse corresponderia ao domínio intelectual da “ciência divina” que só Deus possui. Mas uma chave heurística e prática pode ser encontrada pela busca da PRIORIDADE REAL capaz de separar os conhecimentos que são valiosos para o ser humano e aqueles que expressam somente uma ambição satanicamente desmedida. Essa chave, por sua vez, tem de emanar do reconhecimento da finalidade mais vital e dramática da nossa existência, que é a SALVAÇÃO DA ALMA, o salto da individualidade humana da vida temporal para a vida eterna. A rigor, a única tradição espiritual que tem essa meta como seu objetivo central e único, enquanto as outras se diversificam em finalidades múltiplas e variadas, é o cristianismo. Logo, só o cristianismo pode recolher, articular e ordenar, não numa impossível síntese teórica, mas na perspectiva da racionalidade prática, o máximo volume abarcável dos dados da sabedoria tradicional, separando o joio do trigo e retribuindo a cada uma das fontes a sua parcela da verdade. Se existe alguma “unidade transcendente” acessível à consciência do homem temporal, é a unidade que só o cristianismo, absorvendo, depurando e ordenando, confere a tudo o que não é ele.

      https://www.youtube.com/watch?time_continue=653&v=EeTDAhQudqo

  3. :
    : O Bostonauta é um canalha

    :

    : O Bostonauta é um canalha e filho da p(a)uta…

     

    :

    : TODOS sabem da inocência de LULA, inclusive os que o julgam, condenam e maltratam.
     

    #queremosLulaLivre 

  4. Apenas argumentos

    Todos estes argumentos passaram da hora de ser debatidos, antes da eleição e, mesmo assim, o Bolsonaro não teria perdido um único voto. Aliás, não teria nem debatido. Numa eleição definida vivemos hoje um clima que parece pré-eleitoral e não está sendo bem sucedido para a esquerda, embora talvez sirva para a grande imprensa domesticar um pouco ao novo Presidente. A esquerda segue a reboque, pautada pela mídia. Hoje cabe encontrar pauta comum e positiva com a oposição e movimentos sociais, juntando opositores ao redor de alguma agenda que possa ser defendida no congresso e mostrar para a população por que devia ter votado em Haddad, aos poucos. Até agora, seguimos fazendo o jogo do Bolsonaro.

    • Saneamento básico

      Na mosca Alexis,  sugiro à oposição lutar por água tratada e esgoto para todos no Brasil, isto sim faria uma diferença positiva para a população menos assistida a longo prazo.

      • Boa

        Temos também a retomada de obras do PAC, a reforma tributaria, a reforma política e diversas coisas que poderiam ser preparadas para o debate. Nosso problema é reduzir a rejeição e deixar que o Bolsonaro sozinho – assim como o Rei – fique nu.

        A esquerda tem que demonstrar ao povo que votou equivocado, ao invés de reforçar o voto do Bolsonaro com este xororó depois do leite derramado. Claro, isso é mais tático que sincero,mas guerra é guerra.

  5. Pelo que está fazendo até

    Pelo que está fazendo até agora, Boçal não termina o mandato. Se se cumprir um terço do que o Nassif previu aqui, fazem um impeachment e Mourão-Exército assume e parte prum programa de grandes obras pra fortalecer a economia. Se bobear, chama o Delfim Neto rs. Claro que o preço do Brasil sair da crise econômica será a instalação de um governo militar eleito pelo povo – o que seria, creio,  algo totalmente novo no cenário mundial. 

    Uma coisa que eu sugiro é um post sobre essa questão do uso das reservas cambiais para abatimento de dívida. Mostrar os prós e contras de tal medida, ou se ela é uma bobagem. Eu mesmo não tenho ideia se é algo viável ou não. 

  6. Brasil na OTAN
    Olá Nassif. Temo ser mais pessimista que você, mas é melhor sê-lo e se preparar para a ação com força de espírito.

    É válida sua hipótese que caminhe para uma caça às bruxas internamente.

    Não li no GGN um acompanhamento mais próximo sobre notícias recentes da II Guerra Fria.

    https://www.bbc.com/portuguese/brasil-46055776

    No link acima, o repórter da BBC toca no assunto da entrada do Brasil na aliança militar comandada pelos EUA. Não sei o que os militares, em especial o Alto Comando das FFAAs pensam a respeito. Não acho que seja qualquer coisa.

    https://www.bbc.com/portuguese/internacional-41033209

    Procurei conhecer sobre outros artigos deste repórter da BBC e achei esta pérola apocalíptica. A chipagem de seres humanos não é assunto novo, mas nestes tempos está se naturalizando. Tanto que há por aqui, quem defenda a implantação em presos (https://www.youtube.com/watch?v=MfXrJS8PnT4)

    http://blogdoalok.blogspot.com/2018/11/decodificando-putin-o-hipersonico-em.html

    É no link acima, do Pepe Escobar que começa a aparecer uma proposta de Exército Europeu defendida pela França. A Europa marcha a passos acelerados para um bloco com Rússia e China. Sem Europa, Trump precisa do Brasil no xadrez geopolítico. O artigo no final também fala que o Irã está cada vez mais próximo do que foi a Sérvia na I Guerra Mundial como início de conflito.

    • Tirar o antolhos – o “tapa-olho de burros”

      Sobre a ideia de o Brasil participar da OTAN, é coerente com a ideologia subalterna da nova gangue a tomar o Planalto em 2019. 

      No Brasil temos uma péssima cobertura jornalística no geral, e do que acontece no mundo, em particular. 

      Sobre a OTAN, a Colômbia, agora sob governo de direita de Ivan Duque, já aderiu ao Tratado militar ainda no governo anterior, sendo o primeiro país da América Latina nele (https://br.sputniknews.com/opiniao/2018053011346750-colombia-otan-terrivel-america-latina/), o que certamente é parte de um plano maior dos USA para dominar a região – alguma dúvida de que os USidólatras vão abanar o rabinho assim que os USA autorizarem a filiação? 

      A Colômbia será a ponta de lança na América Latina para os interesses mais que trumpistas, da extrema-direita USeira que acha Trump “moderado” para seus planos de tomar o mundo – o partido republicano onde Trump está hospedado é o representante da extrema-direita USeira, o qual o infalível Noam Chomsky chama de a maior ameaça à humanidade, ou literalmente, “a organização mais perigosa da história humana”, agora especialmente pelo seu negacionismo das mudanças climáticas. 

      Na eleição de Ivan Duque este ano, a ex-representante dos USA na ONU, Nikki Haley, foi à Colômbia, discursou, e intim(id)ou o país a liderar os esforços “da região” em defesa da “democracia”… leia-se contra a Venezuela e a serviços dos interesses dos USA. Pois bem, essa mesma fulana semanas atrás surpreendeu a muitos ao se demitir do cargo de representante na ONU e passar a frequentar think tanks da extrema-direita USeira para se apresentar como opção política ao partido republicano, insatisfeito com as ações personalistas de Trump que desaceleram o ímpeto belicista do grupo – Bannon foi demitido do governo trumpocalíptico mas ainda dá as cartas entre a extrema-direita que pode puxar o tapete do ingrato aprendiz em 2020. 

      Brasil na OTAN – que é o passo lógico a ser dado pela coalização USA e FFAA que agora comanda o país, com um desgoverno coalhado de militares da antiga, será saudado pela mídia corporativa nacional como mostra de modernidade (sic) e que não há golpes a temer… 

      Veremos.

      E como você demonstra em seu comentário, ficar atento ao cenário internacional para entender quando os USA defecam – ou brilham, antes que o cheiro – e o fulgor – chegue por aqui a nos asfixiar – ou inspirar. 

      Sugiro outras fontes não só para entender o que acontece no mundo mas para ter uma perspectiva de como o mundo olha para o que acontece aqui:

      1 – Democracy Now! – Amy Goodman e o especialista em América Latina, e grande jornalista, Juan Gonzalez.

      2 – The Real News Network (TRNN) – notícia com participação de especialistas e personagens dos eventos, sua vantagem é trazer de viva voz pessoas interessantes e relacionadas diretamente aos assuntos; nem sempre a opinião dos apresentadores está à altura da qualidade jornalística do material apresentado mas a transparência e pouca intervenção, cautelosa, deles e do canal garantem que cada um forme sua opinião sem muita manipulação – viva!. 

      3 – RT America, com cautela – por ser vinculada ao governo russo, muitas reportagens são tendenciosas (para análises com especialistas, programa On Contact, com Chris Hedges, todo o sábado à noite no canal de streaming).

      4 – Programa The Agenda with Steve Paikin – TVO (TV Ontario, Canadá) – programa de entrevistas, trata dos principais assuntos do mundo sempre com bom debate. 

      5 – Channel Four (Reino Unido) – cuidado, tem programas bons mas é um misto de Globélica e TV Cultura dos bons tempos, exige muito discernimento, rs. 

       

      Sampa/SP, 17/11/2018 – 15:14  (alterado Às 15:20). 

  7. Na República Fundamentalista

    Na República Fundamentalista dos Bolsonaros,  até agora náo se ouviu nada sobre Aeronáutica e Marinha..

    Só os Gorilas de verde-oliva….

    Alguém saberia dizer o motivo ?

    • Governo Militar…

      Eu também tenho a mesma dúvida, xará.

      Será que os oficiais da Marinha e da Aeronáutica são tão ignorantes como esses generais que ocupam a mídia ? Eu tendo a acreditar que não, baseado no que essas corporações já foram capazes de produzir.

      A Aeronáutica criou o ITA (a melhor escola de engenharia do Brasil) e por meio da Embraer contribuiu para o desenvolvimento e sucesso da indústria aeronáutica. Agora está a um passo do domínio da tecnologia de caças supersônicos com o acordo com a SAAB-Volvo-Gripen.

      A Marinha desenvolveu tecnologia original para enriquecimento de urânio, tem domínio sobre a tecnologia nuclear e está construindo um submarino nuclear. Além do que, a nossa indústria naval (não militar) tem competência internacional.

      E quanto ao Exército ? Tirando a limitada Engenharia Civil sobra o quê ? Todos os equipamentos de defesa sempre foram desenvolvidos a revelia do Exército. Por exemplo, pela Avibras (Sistema Astros, EDT Fila, etc) e pela Engesa (veículos militares – faliu em 1993).

      Curiosamente, a Aeronáutica e a Marinha sempre se apresentaram como subordinadas ao Exército. Durante toda a ditadura militar, nunca a presidência foi ocupada por um Brigadeiro ou um Almirante. Curioso, não ?

      • Marinha e Aeronáutica, embora

        Marinha e Aeronáutica, embora não institucionalmente, são subordinadas ao Exército.

        O Exército possui quase o dobro de efetivos da Marinha e Aeronáutica.

        Um Marechal quase sempre é oriundo do Exército.

        Em qualquer guerra moderna vemos que o comandante geral de Forças Armadas é um General do Exército.

        No mais, não se baseie nas realizações técnicas da Aeronáutica e da Marinha para avaliar a ignorância política: tenho contato (pouco) com alguns tententes da Aeronáutica (Engenharia) e os caras são todos Bolsominions.

         

  8. O governo Boçal ainda não

    O governo Boçal ainda não indicou porta-voz. Indico o Merdal rs. Porta-Voz perfeito – inteligente como uma porta e uma voz de bêbado gago rss.

    Boçal é tão idiota que escolheu ( ou escolheram por ele, que é o mais certo ) o  Neto errado. Tinha que ser o Delfim Neto rs 

    Tenho certeza de que na economia o governo Boçal vai afundar. E chego a essa conclusão não pela análise dos cenários nacional e internacional do post . Me baseio no fator Levy – ele trabalhou no Rio e o governo do Rio quebrou. Trabalhou no governo federal como ministro da Fazenda ( obrigado, Dilma ) e o Brasil quebrou. Portanto o governo do Boçal vai quebrar também, inda mais que ele vai pro único lugar do governo que teria condições de fazer uma política de investimento em obras de infra pra ser uma espécie de motor de arranque da economia. Não é à toa que o Boçal se assustou quando PG convidou Levy. Dá até pra fazer marchinha de carnaval

    Ouvi

    O Levy

    e aí

    Me fodi 

     

  9. Bolsonaro tá mais prá Duterte do que prá Trump
    Enquanto o Trump está tentando fazer a America grande de novo, protegendo sua industria dos concorrentes estrangeiros, o Bolsonaro arregaça as pernas do mercsdo nacional para os produtos estrsngeiros. O Bolsa quer fazer o Brasil quintal de novo, quintal dos EUA

  10. Toda ação política
    Toda ação política fundamentalista religiosa provoca uma reação igualmente fundamentalista religiosa. Os evangélicos podem ter ganho acidentalmente a presidência, mas eles são uma minoria religiosa. Quando a maioria religiosa perseguida e economicamente prejudicada resolver se manifestar a farra de Bolsonaro acabará rapidamente. Tardiamente, eu digo.

      • É impossível um bom

        É impossível um bom protestante ser um bom Brasileiro !!!!

        Essa gente é toda lesa-pátria !!!

        Esse país perdeu o pré-sal e perdeu tudo graças a esses infiltrados americanos aqui !!!

        Quando a maioria pegar as tochas, eu quero estar com uma delas !!!

         

  11. Fundamentalismo mais ou menos

    Nassif, há algo que falta no cenário desse “fundamentalismo”. Para o futuro chanceler, os protestantes são apenas entulho iluminista, merecem o inferno. Pode caber no credo do Olavo de Carvalho, nunca se sabe o que sai dali, mas não creio que seja do agrado dos aliados da Igreja Universal, por exemplo. 

     

    • “Fé cega, faca amolada”

      Mas esse pessoal da teologia da prosperidade da direita pseudocristã fundamentalista, que são denominados genericamente de evangélicos de maneira confusa e para difamação dos verdadeiros protestantes, nada tem de identificação com os estes no sentido religioso e histórico do termo. Esses “prosperocratas” vulgares são adoradores do Velho Testamento e têm uma identificação torta com o sionismo – basta ver a caracterização do personagem Edir Macedo como um israelita, sua defesa do Estado de Israel, e por contaminação, do farsista eleito (é interessante a análise detalhada feita por um jornalista, que também é pastor presbiteriano, nos USA, Chris Hedges, sobre a influência política da direita cristã – pouco se falou lá do apoio a Trump por pastores das igrejas negras americanas, como aqui pouco se fala dos católicos de direita que comungam do mesmo obscurantismo persecutório e participação na bancada da Bíblia que os ditos “evangélicos da prosperidade”).

      Eles só usam o nome de Cristo como marketing para sua empresa de venda de colchão espiritual, suas práticas, discursos e ideologia nada tem de cristão ou mesmo de referência direta a Cristo e sua vida – toda a “liturgia” desse tipo de igreja se funda nas passagens mais autoritárias e retrógradas do Velho Testamento, e de forma tendenciosa. 

      As igrejas que podem ser chamadas de protestantes no Brasil são a Batista, a Metodista, a Presbiteriana – pelo meu superficial conhecimento dessa área. 

      Na verdade, setores autoritários e retrógrados de várias denominações entre os não-católicos, entre os católicos e espíritas se uniram ao discurso fascista porque reflete sua visão de mundo hierarquizada, conservadora e liberticida – de judeus a ateus, não há como estabelecer, e por enquanto entender totalmente, como essas tão diferentes tradições e práticas (ar)religiosas conseguiram não entrar em parafuso e encontrar justificativas dentro de sua pregação para um discurso tão tosco e  sem nenhum tipo de esforço para dissimular sua repulsiva teologia da morte. 

      O mais interessante da análise de Chris Hedges é que ele tenta entender como essa direita cristã USamericana se articula politica e socialmente, e como a fachada religiosa serve a seus propósitos de poder e conservadorismo social. 

      No Brasil só agora setores progressistas entre os protestantes se levantam para dizer: #elesnãonosrepresentam.

      Dada a importância da manipulação religiosa na política mundial atualmente, precisaremos que teólogos e religiosos de todas as tradições, de visão e prática progressista, estudiosos sérios do assunto e bons jornalistas que reportem sobre a realidade dessas igrejas e tradições, parem de esnobar o fator religioso e o tratem com a seriedade que merece, principalmente para que falsos profetas e lobos em pele de cordeiro não façam da fé sua faca amolada a pairar sobre todos nós. 

      “Deixar o seu amor crescer na luz de cada dia.” ou “Um brilho cego de paixão e fé, faca amolada”. 

      Por que o mundo tem escolhido a segunda opção e não a primeira? 

      Mas os jovens do mundo estão mostrando o caminho – lutando pela educação em greve de mais de um mês na Colômbia ou por um Green New Deal nos USA. A natureza não cultiva o ódio, isso é coisa do “bicho hôme”. E a Natureza sempre vence, graças a Deus.  

       

      Doces Bárbaros – Fé cega, faca amolada 

      [video:https://www.youtube.com/watch?v=da18kGGkYjw%5D

      https://www.youtube.com/watch?v=da18kGGkYjw

       

      Sampa/SP, 17/11/2018 – 14:20 

  12. Prezado Nassif
    Prezados

    Prezado Nassif

    Prezados camaradas

    É o que resta mesmo: se algum de vcs tiver saco para ler o Forum dos Leitores do Estadão, sai coisa que só pode ser plantada; piração pura. O astrólogo que é guru das olavetes deve ser o novo Dr. Mabuse, porque consegue hipnotizar essa cambada a fazer e a dizer asneira

  13. Os verdadeiros culpados

    Os verdadeiros culpados assumirão suas responsabilidades quando começarem ações violentas e até surgirem movimentos armados? Alguém acha mesmo que muitos dos mais jovens não vão considerar outras possibilidades de atuação diante da inutilidade de manifestações pacíficas e cirandeiras? Talvez esta seja mesmo a intenção: atirar de vez o país no caos. A Líbia e a Síria são o Brazil amanhã, ou a Colômbia dos tempos da FARC se encaixa mais no nosso perfil? O poço pode não ter fundo.

  14. Classes sociais distintas votando no mesmo candidato no Brasil?

    Estudaremos no futuro como foi possível a junção no voto de boa parte dos neopentecostais, pastores midiáticos e seus rebanhos de classes populares, e de boa parte da classe média e médio-alta tradicional com seu esoterismo e sua ligação com o Espiritismo e a busca pela liberdade irrestrita, que o fundamentalismo religioso repelirá.

    Duas forças, a primeira: do Fundamentalismo Religioso, da Vida regida pela leitura ao pé da letra do Antigo Testamento com a segunda: da busca por uma liberdade absoluta, sem nenhuma vontade de acatar regras, de se sentir pertencente a uma sociedade, que é contra a ingerência do Estado e do individualismo extremo. 

    Um voto inconciliável dentro da razão. Por isto, acerta, creio eu, quem diz que a irracionalidade permeou a Eleição, claro, que dentro de um processo de construção dela, que vem, com maior força e sem muitos anteparos, desde 2012 com o Julgamento do “Mensalão”, e o desespero da Direita liberal de retomada do Poder a qualquer custo, não possível via urna com o sucesso das administrações do PT. 

    Associou-se no voto em 2018 o incluído da sociedade de castas dos tempos de FHC para trás e o incluído na Era petista.

    O sujeito que ia na Paulista protestar contra o Governo do PT e o sujeito da ascensão social pelos anos petistas no Governo Federal juntos no voto.

    O que tinha ódio do pobre, da sua ascensão e concorrência nas universidades e mercado de trabalho e o pobre que ascendeu socialmente, em parte significativa, se juntaram no voto. O que quer que o pobre continue pobre e o pobre que sentiu, pós-Golpe, um novo declínio social, se deram as mãos em um abraço de afogados.

    O contra o Bolsa Família se juntou do que recebe ou tem parentes que recebem Bolsa Família. 

    E assim caminharemos:

    O classe média tradicional adentrando em uma realidade comandada por um fundamentalismo religioso e restrição das liberdades individuais e o neopentecostal caminhando para a degola plena nos seus direitos sociais.

    Duas partes inconciliáveis. A da patroa e a da faxineira se deram as mãos e, agora, ficamos todos perdedores.

    Como pode ser racional esse voto casado?

    Como é que uma Luta de Classes se tranformou na irracionalidade do voto? Do voto contra si mesmos. É um voto sem vencedores. Gente de todas as classes sociais irmanadas em uma mesma candidatura? Em um país, onde, a marca registrada do voto foi o voto profundamente marcado pela Luta de Classes nas eleições presidenciais deste Século?

    Não é um processo racional o que a nossa sociedade vive, e, por isto, nasce uma união de opostos, que não são duas metades, acreditando que se faça um inteiro, são dois opostos que não se juntaram jamais e que juntos caem no chão num strike único, logo na primeira bola arremessada. 

    • Fácil de entender, é só perguntar

      Afinal a “elite” (na verdade pessoas da classe média que se julgam elite) não era tão “espiritualizada”, tão fina assim…

      Sei que dá um certo orgulho em algumas “damas e cavalheiros” posarem de dirigentes de centros espíritas, garante um certo status. Todo trabalho voluntário e “sem fins lucrativo” sempre corre o risco de tornar-se trampolim social. Vide APAEs do Paraná e fundações como Airton Sena, Cazuza etc. Pergunta em quem essa turma votou, se Haddad ou Bolsonaro.

      Não vivemos numa sociedade sem classes sociais. Então, para entender esse fenômeno, é só perguntar: “A que classe social você pertence?” e “Que classe social você admira?”

      • Tem cidade onde a presidente

        Tem cidade onde a presidente eterna de um Hospital de Tratamento de Cancer Infantil não para de sair em coluna social.

    • Pós racional – uma inteligência artificial pragmática absoluta?

      Mais um a não encontrar respostas racionais ao que está acontecendo no Brasil, o blog está se tornando o centro da desconfiança.

      Um pitaco sobre o tempo: na primavera existe ambiênte favorável a certas ações ligadas a água, o choro dos perdedores deve terminar logo, pois no verão a hostilidade a ele prevalece. 

      O tempo urge para a oposição se reorganizar.

      • Apenas sobre o pitaco do

        Apenas sobre o pitaco do tempo: E quando se vislumbra um futuro só com invernos, como é que fica ?

        • Todas as coisas tem o seu tempo

          Salomão: 

          “Todas as coisas tem o seu tempo,
          e todas elas passam debaixo do céu 
          segundo o termo que a cada uma foi prescrito”. Ecles. 3,1

           

          Logo isto só aconteceria se o Sol deixasse de nascer todos os dias e ai esta seria a menor de nossas preocupações.

           

    • Sr. Alexandre Tambelli,

      Sr. Alexandre Tambelli, obrigado por esse esclarecimento que concordo de modo absoluto. Eu participo cá em baixo, entre as pessoas de carne e osso, das discuções políticas e assisti ao roteiro que VExa traçou sem fugir um milímetro da realidade efetiva.

  15. neofascistas não estão tendo vida fácil fora do Brasil…

    Boa, o cenário internacional é fundamental já que o Bolsonaro parece ser o único governante que se arvora a ‘sartapra’ do Trump. Seguir os movimentos internacionais é fundamental. Veja o que vem pela frente. O Trump é o presidente americano com o menor indice de popularidade desde Eisenhower; no próximo ano com os democratas com maioria na camara a pressão só vai aumentar. Na grã-bretanha a perspectiva é de que May perca o mandato puxada pelos radicais de extrema direita por causa do Brexit; com novas eleições há a possibilidade dos trabalhistas de Corbyn ganhar. Uma força a esquerda no governo de um país como a Grã-bretanha seria um golpe durissimo nos neofascistas internacionais. Tem eleições para o parlamento europeu no próximo ano; se a extrema direita fracassar os neofascistas vão levar uma grande paulada. A Afd não cresceu na Alemanha como a extrema direita esperava, quem cresceu nas eleições locais foram os Verdes. E vai se abrir uma investigação sobre financiamento ilegal do partido de extrema direita alemão(está na reuters).

    Em resumo nos EUA a extrema direita está cada vez mais acuada – pela politica e nas ruas – e na Europa Ocidental tem pouca chance de chegar ao poder, apesar de fazerem muito barulho. Junte-se aqui a China na guerra fria com os EUA, o mais poderoso pais do mundo, mas com problemas internos crescentes. O “american Way of life” fracassou no próprio EUA e eles estão perdendo seu ‘soft power’: fica dificl vender a imagem do ‘pais da liberdade’ com Trump no governo…. E ainda tem o fator economico; muitos economistas preveem que logo logo vai estourar outra crise, pois a politica do quantitative easing só inchou outras bolhas, não foi para investimentos. A extrema direita não vai ter vida fácil no mundo no proximo ano, e  se o Bolsonaro entrar nesse trem vai encontrar uma resistencia que dificilmente vai encontrar aqui.

  16. Meu Deus!

    Meu Deus!

    Esvaem-se também todas as minhas esperanças.

    Embarcamos nesse fundamentalismo criminoso, totalmente sem sentido, na era das redes sociais com as manadas sem restrito controle como é próprio desses tempos. Pontos a encarar: – a mídia centralizada comercial, que levou o regime dos generais de 1964 a se manter mais ou menos com aceitação, conduzida magistralmente pela Globo, não existe mais; mas, a natureza humana tem horror ao vácuo de poder e o povo buscará uma referencia “nova”. Os governantes também.- como dito, as redes comerciais de televisão, como pontos de referência estão mortas, substituídas pelas redes sociais, mas… uma rede em especial tem um ingrediente insubstituível, por que etéreo, não substantivo, baseado apenas na fé: A REDE RECORD de Edir Macedo. E, mesmo com todo o poder de penetração que têm as redes sociais, elas precisam do PONTO REFERENCIAL, o ponto de partida, o gerador para replicar, e se auto alimentar, de modo inquestionável: A RELIGIÃO.- O Brasil é uma nação católica de nascença, e mesmo que outros credos sejam aqui professados, ainda se mantém em folgadíssima maioria católica.- A Rede Record não necessita dos meios privados normais para se financiar; é financiada pela fé.

    Estamos perigosamente caminhando pra um tirania religiosa – muito mais que uma ditadura.

    TROCAMOS DE GERENTE: Sai a família MARINHO; entra EDIR MACEDO.

  17. ….NÃO À REPÚBLICA
    ….NÃO À REPÚBLICA FUNDAMENTALISTA DO BRASIL…..

    …..uma República gestada e parida do ventre e das bolhas do anti-aprendizado e forjada na onda de mentiras e fake news espalhadas pelo conluio midiático penal..boatos e falsas delações que resultaram no golpe de Estado e na eleição do que de pior existe na política nacional…

    …..o pais já pagou caro e vai pagando caríssimo pelo veneno do anti petismo inoculado nas massas pela superestrutura que, como sabemos, formada pela mídia, judiciário, religiões e sistema educacional, tem como função verbalizar a realidade de forma a gerar uma ideologia que satisfaça tão somente a casta dominante…

    …..agora é preparar o lombo para aguentar o relho dos velhos coronéis…foi no que dão a tal Primavera Brasileira, não é…por falar nisso, bom observamos que, em países onde as tais primaveras se desenrolaram também mergulharam em regimes teocratas fundamentalistas e com o assassinato de líderes que até então mantinham seus países sem se fracionarem política e territorialmente…

    ….dito isso, minha dúvida eh se manterão Lula vivo ou se o matarão ou o enlouquecerão, uma vez que Lula continuará sendo um pesado fardo a ser carregado pelos golpistas lesa pátria…..

    ….não nos iludamos: será demais para a dinastia Bolsonazi líderes mundiais se dirigirem a cela de Lula sem colocarem os pés em Brasília, onde os verdadeiramente corruptos continuarào livres, leves e soltos: e gargalhando nas esquinas e elevadores em comemoração a mais uma condenação contra Lula por “crime indeterminado”….esse país só ganha rumo quando a Senzala fizer uma coisa que nunca fez: rebelar-se….rebelar-se…rebelar-se….

    …foi assim na América e não será diferente na Terra Brasília: é a lei do mais forte, até mesmo porque nossa elite suicida e do atraso, mais do que provado está, que não aceitou a política de conciliação de classes e desenvolvimento nacional nem de Vargas e nem de Lula….

    ….um carma a ser rompido e isso não se dará de forma pacífica: não que o povo não queira isso: quer sim: a casta dominante é que não quer …

    Autor: José Carlos Lima

    Em tempo1: esqueci de citar que o termo crime indeterminado foi o termo usado pelo juiz Sérgio Moro, agora MJ, para condenar e prender Lula e assim abrir um vácuo político a ser ocupado por seu candidato o #EleNão….

    Em tempo2: quando começar a caça às bruxas serei um dos primeiros a ser embarcado no Trem da Morte….rsss

  18. Tragédia anunciada

    “Nos EUA, Trump está em escala descendente, acossado por todos os lados. No círculo fechado do Partido Republicano, é dado como irrecuperável, inclusive para tentar a reeleição. Tinha 90% da mídia contra ele. Agora, tem 100%. E o Brasil vai atrelar seu vagão nesse trem.”

    Isso já estava previsto desde o início do ataque do capital do dólar contra estados nacionais, países, em 2001. O filme “O dia depois de amanhã”, de 2004, por exemplo, mostra uma grande catástrofe* arrasando com os EUA e a mensagem: “Nossos amigos do sul não deixarão de nos ajudar a partir de agora.”

    Tendo o dólar arrasado com a população do país onde se baseia, os EUA, atingindo praticamente toda a classe média daquele país, agora volta-se contra nós e contra nossos vizinhos. E da mesma forma como fez com os EUA, usa de prepostos da iniciativa privada ocupando cargo público para concentrar poderes econômico e político em pequenos grupos que se intitulam “elites”.

     

    * – A tal grande catástrofe tem sua autoria indeterminada, tão indeterminada quanto a “mão invisível do mercado”. Mas como a indeterminação deixa todo mundo com pulga atrás da orelha, para encobrir a ação dos operadores do capital nessa catástrofe culpa-se… os operadores do capital, mesmo. O filme responsabiliza, de forma não personalizada, o descuido com a ecologia pela catástrofe. É que os cuidados com a ecologia não apenas pertencem a um difuso “eles” como também pode-se facilmente culpar a pessoa comum, vulgar, da classe média pelas suas consequência. Assim o que acaba com a natureza, segundo a propaganda capitalista, não são as toneladas de poluentes espalhados pelo mundo em escala, ué… industrial, mesmo, e sim a sacolinha de supermercado. Dondocas e eco-corretos podem, assim, encontrar alívio para suas “consciências” apoiando que as tais sacolinhas não sejam mais gratuitas e sim que sejam vendidas…

  19. Vão conseguir o inimaginável.

    Vão conseguir o inimaginável. Vamos sentir saudades do governo Temer!

    PS: Bolsonaro jr líder intelectual é sacanagem Nassif! Voce pegou pesado. Aquela musiquinha “sou brasileiro com muito orgulho” nunca pareceu tão ridícula

     

    • Musica maldita.
      Camisetinha

      Musica maldita.

      Camisetinha da CBF maldita.

      Algo não está normal.

      Estou pegando ranço de crente e de quem ostenta a nossa bandeira em casa ou estabelecimento comercial (já que é a certeza de ser um coxinha convertido em bolsominion).

      • Sou favorável a, um dia, se

        Sou favorável a, um dia, se sairmos desse Buraco, trocarmos os uniformes de tudo o que o BRasil usa e abandonar o amarelo. 

        A itália chegou a usar negro em sua seleção Nacional nas copas d3 34 e 38, se não me encano, ou eme pelo menos uma delas.

        Amarelo é a cor do fascismo Nacional.

        Evidente que isso é algo de menor importância na reconstrução do Brasil (Se é que vai sobrar algo para reconstruir, ou se é que vai sobrar algo para reconstruírmos), mas por exemplo, em termos de seleção Brasileira, mudamos a camisa depois da copa de 50 por muito menos. 

  20. Do ponto de vista dos

    Do ponto de vista dos interesses econômicos, Trump é irrelevante para o Brasil. Democratas e Republicanos são a mesma coisa, quem manda é a máquina de guerra e sistema financeiro.  A influência de Trump é no sentido de potencializar a irracionalidade do Bozo e do restante da seita.  Se tudo der “certo” para Bozo,  a grande questão será descobrir qual futuro distópico nos aguarda.

  21. chocado mas não surpreso.

    Bom post. 

    Concordo que depois de a economia falhar, eles lançarão mão do moralismo mais rasteiro e da caça às bruxas.

    Se tivessemos um congresso vigilante e um imprensa combativa poderiamos esperar uma resistência, que junto com os movimentos sociais poderiam contrapor aos fascistas.

    Nem isso temos, só podemos contar com movimentos sociais e midia alternativa.

  22. LULALIVRE!

    “Eu estive preso e fostes me visitar”. 

    A música não nos foi dada por acaso. 

    Nos momentos de desorientação, que a música seja mais que um mero divertimento, seja uma oração, com seu poder de cura da maldade e da ignorância desse mundo inexplicável, que temos que navegar sem saber muito por quê – e do qual, apesar de tudo, não queremos nos desligar, estranha conexão. 

    1 – Tempo rei – (usemos o tempo rei a nosso favor, esses tempos difíceis são a provação necessária para construir outro mundo, mais que possível, urgente – cuidemos das dores do seu parto)

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=7s0yAJA8AnA%5D

    https://www.youtube.com/watch?v=7s0yAJA8AnA

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=IIvPkIgoliQ%5D

    https://www.youtube.com/watch?v=IIvPkIgoliQ

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=IWjj_k6fa3E%5D

    https://www.youtube.com/watch?v=IWjj_k6fa3E

    2 – Reconvexo (“meu som te cega, careta, quem é você?”) 

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=YPO1iaetL2I%5D

    https://www.youtube.com/watch?v=YPO1iaetL2I

    3 – Nos bailes da vida (“todo artista tem de ir aonde o povo está”)

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=laVg1KIdVnY%5D

    https://www.youtube.com/watch?v=laVg1KIdVnY

    4 – A raça humana (“a raça humana é uma semana do trabalho de Deus”) 

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=r4B7WrJXki4%5D

    https://www.youtube.com/watch?v=r4B7WrJXki4

    5 – Esotérico (“Se eu sou algo incompreensível, meu Deus é mais”) 

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=axrewUxPYZ4%5D

    https://www.youtube.com/watch?v=axrewUxPYZ4

    6 – Pronto pra preto (“Por menor que seja o gesto/Por mais modesto que seja/Que esteja por trás nossa convicção/Que essa aldeia/Comungue da idéia da comunhão”)

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=FEZ0BW1uUFE%5D

    https://www.youtube.com/watch?v=FEZ0BW1uUFE

    7 – Refazenda (“abacateiro, acataremos teu ato, nós também somos do mato, como o sapo e o leão/aguardaremos, brincaremos no regato, até que nos tragam frutos, teu amor, teu coração”) 

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=SgxUUFJBU1o%5D

    https://www.youtube.com/watch?v=SgxUUFJBU1o

    8 – Superhomem – a canção  (“mudando como um Deus o curso da história, por causa da mulher” – da Mãe Natureza, antes que ela vire má-drasta)

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=ykzuhkESx_g%5D

    https://www.youtube.com/watch?v=ykzuhkESx_g

     

    Sampa/SP, 17/11/2018 – 16:30 (alterado às 16:42). 

  23. O fundamentalismo religioso

    O fundamentalismo religioso vai rapidamente preencher o vácuo ideológico do governo Bolsonaro. Paralelo semelhante ao governo trump onde mike pence é o representante maior da chamada “Christian right”. Esse grupo é extremamente perigoso e sofisticado tendo penetração em varias esferas do poder incluindo um braço armado comandado por Erik Prince. 

    Fica o alerta para os militares mais racionais!

     

  24. Os primeiros sinais

    A ausência de mérito entre os escolhidos indica que há poucas opções para o novo governo.

    Certamente outros devem ter sido procurado, mas sequer deve ter respondido, o que indica que não estão dispostos a manchar seus currículos.

    Pelo visto apenas os militares estão dispostos a assumir o novo governo, para eles caso não der certo, basta voltar aos quartéis, para os membros da sociedade civil não haverá lugar para se esconder.

  25. Uma tragédia repetida e anunciada

    O alinhamento com os EUA deixa poucas alternativas para a economia brasileira, principalmente em função de haver uma concorrência entre os países no mercado da soja, milho e carnes, o que pode levar a China a buscar outros parceiros comerciais, afetando diretamente o resultado do Balanço de pagamento das contas externas.

    No início a “equipe econômica” do novo governo deve buscar nos fundos de investimentos americanos as fontes de recursos externos na forma de investimento para tentar equalizar as contas externas. Depois quando falhar todas as tentativas, irão a busca de empréstimos em dólar para financiar os investimentos e equalizar as  contas externas.

    A redução das tarifas de importações, agravará ainda mais a situação das contas externas.

    No segundo cenário, como já ocorreu no passado durante a ditadura militar, na medida  em que os juros americanos começarem a aumentar haverá um aumento significativo da dívida pública externa em reais, primeiro em função do aumento dos juros, e segundo em função do aumento do dólar no Brasil.

    Tudo indica que estamos caminhando para repetir os passos  da ditadura militar, o aumento da dívida pública externa, e crise nas contas externas.

     

  26. Nunca na história deste país…

    Já fracassaram e já nos humilharam e nos deram todo o tipo de prejuiso e desgraça, antes mesmo de iniciar seu inacreditável desgoverno.

    E o stf? Terá ou não seu amento t~~~~~~~~~~~~~~ão querido.

    Isto dá um belo xadrez: com o aumento, o temer não será condenado, presenteia-se quem foi o respnsável pela eleição do bozo, estoura-se de vez esta estória de deficit público, desmoraliza-se ainda mais o “novo  desgoverno”, etc; sem o aumento, indica logo a desimportância deles para ele e o que nada representam, seria o primeiro acerto, talvez o único dentre toda a outra dezena de erros e desgraças já cometidos, mostra que agora é dispensável sua atuação, que sua ajuda não será levada em conta, que lá tem o chamado por eles de “bandido ex-advogado petista”, que agora não tem mais lei mas ministro da justissa, etc, etc

  27. Haitinização

    Acho que concordo com quase tudo. Mas não acho haja pretenção de uma república fundamentalista. Esta afinidade religiosa não bate com o discurso belicoso. O que eu acho mesmo é que vai haver a Haitinização do Brasil. Uma ditadura hereditária cujo poder vai passar de PapaDoc para os BabyDocs 01, 02 e 03, este sonho helênico será zelado pelos Ton Ton Macoutes locais. Isto se controlar as milícias que surgirem da ‘flexibilização’ das leis, se preferir, dos comandos locais.

  28. Haitinização

    Acho que concordo com quase tudo. Mas não acho haja pretenção de uma república fundamentalista. Esta afinidade religiosa não bate com o discurso belicoso. O que eu acho mesmo é que vai haver a Haitinização do Brasil. Uma ditadura hereditária cujo poder vai passar de PapaDoc para os BabyDocs 01, 02 e 03, este sonho helênico será zelado pelos Ton Ton Macoutes locais. Isto se controlar as milícias que surgirem da ‘flexibilização’ das leis, se preferir, dos comandos locais.

  29. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome