A engenharia de obras feitas

Por Índio Tupi

Aqui do Alto Xingu, os índios avisam que a Standard & Poor`s, pela primeira vez em sua história, acaba de reduzir, de uma só vez, a taxa de risco de número tão abrangente e qualificado de importantes bancos norte-americanos e europeus: Bank of America, Barclays, Citigroup, Credit Suisse, Deutsche Bank, Goldman Sachs, J.P. Morgan Chase, Morgan Stanley, Royal Bank of Scotland, UBS, Wells Fargo e HSBC.

Essa atitude inusitada da S&P foi causada pelo aprofundamento da crise econômica global e pelo crescente risco do sistema financeiro. De outra parte, os índios lembram que dos US$ 40,8 bilhões que os investidores estrangeiros investiram nos mercados dos países emergentes em 2007, eles retiraram US$ 40,3 bilhões, e deixaram somente US$ 500 milhões lá aplicados. O índice MSCI dos Mercados |Emergentes caíram no ano 56% (Europa Oriental: -62%; Brasil: -56%; China: -52%; Rússia: -72%; Turquia: -66%; Hungria: 65%; Índia: -65%; Colômbia: -27%; Israel: -30%; Chile: -20%; México: -45% e África do Sul: -48%. Mas, tem gente que acredita que a crise só existe na cabeça das pessoas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  IBGE: 382,5 mil empresas brasileiras fecharam as portas entre 2014 e 2018

13 comentários

  1. engraçado…

    quando as
    engraçado…

    quando as mesmas agências de risco, agora desacreditadas, concederam o cobiçado investiment grade ao Brasil, a “conquista” foi festejada pelos “companheiros” como prova definitiva da competência da política monetária do BC.

    alguém ainda acredita que é possível tamanha credulidade de se acreditar que a política de juros altos é de Meirelles apenas, e não também de Lula, o grande fiador do neoliberalismo no Brasil?
    .

  2. aqui da Serra da Mantiqueira,
    aqui da Serra da Mantiqueira, arkx pede ao Índio Tupi que comente com a tribo lá do Alto Xingu que, ao contrário de 1929, a atual crise se processa num cenário de acentuadas alterações climáticas, cujas conseqüências ainda são difíceis de prever.

    além disto, também ao contrário de 1929, um conflito de proporções globais – como a II Grande Guerra – traria efeitos catastróficos – inclusive em virtude da ameaça de utilização de armas nucleares.

    ainda mais, atualmente existem as redes terroristas (inclusive as mais perigosas, aquelas financiadas e mesmo operacionalizadas pelo capitalismo de desastre) e a grave e urgente questão pendente em relação ao Irã.

    plantar mandioca não é apenas recomendado. melhor mesmo seria agregar valor a toda a cadeia produtiva.

    .

  3. Claudio, reproduzo aqui
    Claudio, reproduzo aqui novamente o comentario d 1 conhecido à este respeito:

    “Semiparafraseando uma ilustre figura pública bem conhecida de todos nós, “nunca antes na história desse planeta” vivemos um período como este. Ele traz enormes desafios e enormes oportunidades.

    Para as pessoas que desconhecem as causas reais dos problemas e que acreditam fortemente na capacidade das instituições em resolver o problema em prol dos peões, esse será um período difícil e de dolorosas descobertas.

    Quando uma velha ordem morre lentamente, a dor das pessoas é tão maior quanto maior for seu apego à essa velha ordem. Mas vale lembrar porém, que todo fim é sempre um novo começo, e portanto, para aqueles capazes de se desprender das velhas formas e assimilar com rapidez a nova realidade que se apresenta, o mundo que se descortina é um mundo de infinitas possibilidades.”

  4. é por essas e outras que é
    é por essas e outras que é fundamental cada vez mais aprofundar essa política de multilateralidade, especialmente com os países do mercosul, criando políticas de integração que fujam ao paradigma do dólar como moeda referencia. A explicação básica é por que os eua têm mísseis e armamentos que o mundo não tem ou não pode usar? Só assim se explica essa atração do dólar, a fuga do dólar justamente para onde a crise foi gerada? Eta, teminha duro de entender…

  5. Sim Índio Tupi. Eu sou um dos
    Sim Índio Tupi. Eu sou um dos que acreditam que a crise está na cabeça das pessoas por que parar mim toda essa sacanagem é mais que uma crise financeira (com o record de bolhas na história do capitalismo, parabéns Bernanke&Greenspan).

    Para mim, isso tudo é uma crise na consciência.

  6. Acreditar em agências de
    Acreditar em agências de risco a essa altura do campeonato esta no mesmo nível de acreditar nas previsões da Mãe Dina, com vantagem para esta pois seus erros não causam tanto estrago.

  7. aqui das nascentes do rio das
    aqui das nascentes do rio das velhas e do rio doce,montado num divisor
    de águas patrimônio mundial,informo não ter entendido a ação da s&p.
    também me parece que essas empresas não devem ser entendidas.
    romério

  8. Creio que o enfrentamento da
    Creio que o enfrentamento da crise financeira internacional pelos Bancos Centrais dos EUA, Europa e Japão, criam condições para viabilizar uma estabilidade cambial com padrão monetário internacional em US$1,00, EUR€ 1,00 e JPY$ 100.

    Mais do que uma estabilidade, está aberta a oportunidade para uma unificação monetária, com apenas um Banco Central Unificado para as três regiões, dirigido por colegiado com um representante de cada região.

  9. Nesse aspecto a crise
    Nesse aspecto a crise economica mundial é muito perigosa. Mas essas agencias de risco não enganam mais ninguém. E o “investiment grade” não nos adiantou absolutamente nada, pois os acionistas deixaram o medo sobrepor a razão e aflorou o ato instintivo de ir comprar titulos americanos.

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome