A maré protecionista

Um dos riscos da atual crise é a repetição do desastre do pós-29, quando os países entraram em um processo autofágico de desvalorizações competitivas de suas moedas e de protecionismo. Hoje em dia é considerado como o fator que agravou definitivamente o desastre. Parece que o movimento começa a se repetir.

Por Roberto São Paulo/SP

Da Agência Estado sexta-feira, 23 de janeiro de 2009, 05:42

Japão: ministro sugere que pode intervir no câmbio

HÉLIO BARBOZA – Agencia Estado

Roberto São Paulo/SP

Da AFP divulgado pelo Último Segundo do IG

Banco Central da Rússia permitirá forte desvalorização do rublo

Do Estadão

Novo subsídio agrícola da UE causa reação mundial

Europeus anunciam socorro aos produtores de leite e manteiga para compensar queda do preço em 2008

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Nicolelis: Brasil deve estocar equipamentos e preparar população para nova quarentena

8 comentários

  1. Da AFP divulgado pelo Último
    Da AFP divulgado pelo Último Segundo do IG
    http://ultimosegundo.ig.com.br/economia/2009/01/22/banco+central+da+russia+permitira+forte+desvalorizacao+do+rublo+3553915.html

    Banco Central da Rússia permitirá forte desvalorização do rublo
    22/01 – 14:07 – AFP
    O Banco Central da Rússia permitirá uma importante desvalorização do rublo a partir desta sexta-feira, ampliando em cerca de 10% a flutuação da moeda em relação a uma cesta euro-dólar, assinalou nesta quinta-feira a instituição em comunicado.

    “A partir de 23 de janeiro de 2009, o limite será fixado em 41 rublos”, diz o BCR na nota.
    Pela manhã, esse limite estava fixado, segundo as agências de notícia russas em 37,22 rublos em relação à cesta de moedas, o que corresponde, então, a uma diferença de cerca de 10%.

    A decisão foi tomada “devido à possibilidade de um agravamento da situação do comércio externo da Rússia, embora o Banco Central do país considera esse risco moderado.

  2. Do Valor Online divulgado
    Do Valor Online divulgado pelo Último Segundo do IG

    Obama acusa China de usar câmbio para vantagem comercial
    23/01 – 10:02 – Valor Online
    WASHINGTON – O novo presidente dos EUA, Barack Obama, acredita que a China manipula sua política cambial para promover as exportações de suas indústrias e poderá ampliar no futuro as pressões para que os chineses revejam essa prática, indicou o próximo secretário do Tesouro dos EUA, Timothy Geithner.
    Em respostas por escrito a um extenso questionário que recebeu do Senado, Geithner sugeriu que o governo americano poderá adotar um tratamento mais duro com a China nessa área.

    ” O presidente Obama, apoiado pelas conclusões de um amplo grupo de economistas, acredita que a China está manipulando sua moeda ” , escreveu Geithner…………..
    …………..Por determinação do Congresso, o Tesouro precisa publicar duas vezes por ano um relatório de avaliação das políticas cambiais adotadas pelos parceiros comerciais dos EUA. Mas o Tesouro sempre evitou condenar o regime cambial chinês como ” manipulador ” , porque isso abriria caminho para o Congresso erguer barreiras comerciais contra as mercadorias chinesas……….

    ……….A China é o maior credor externo dos EUA, com 22% de todos títulos do Tesouro em mãos de estrangeiros…………

    ………..Uma mudança brusca no regime cambial chinês agora criaria outros riscos para a economia global, afetando as exportações chinesas e desacelerando ainda mais a atividade econômica no mundo. ” Nosso objetivo imediato deve ser convencer a China a adotar um pacote de estímulo econômico mais agressivo e fazer nossa parte aprovando um pacote de estímulo semelhante aqui ” , escreveu.

    (Ricardo Balthazar | Valor Econômico )

  3. Protecionismo é ruim, más a
    Protecionismo é ruim, más a abertura comercial escancarada é péssimo.
    Os países adotam medidas protecionistas para blindarem a economia da concorrência externa e ataques especulativos, ruim ou não, o protecionismo gera políticas anti-crise ou cíclicas. É o que eu sempre digo, para evitar protecionismo, os mercados financeiros precisam de regulação. Entre 1929/45 os países de todo o mundo fecharam seus portos, com o Bretton Woods, o comércio mundial voltou a crescer no pós-45 em economias centrais do capitalismo (EUA, Europa, Japão e etc), nos países socialistas (URSS, China, Leste Europeu e etc) e em algumas nações do 3ºmundo (Brasil, Argentina, México, India e etc) o protecionismo continuou, pois a política de desenvolvimento era o modelo exclusivamente de “Substituição de Importação”. A partir dos anos 70, quando o comércio mundial voltou a ter uma importância maior, outras nações do 3ºmundo introduziram o modelo de “Plataforma de Exportação”, cuja as economias eram essencialmente exportadoras (Chile, Singapura, Malásia, Indonésia e etc).

  4. É o fator Obama… todo mundo
    É o fator Obama… todo mundo já percebeu o caráter protecionista do novo presidente americano, e vai correr para se proteger tb… As relações devem ficar mais esgarçadas daqui pra frente, e a crise, que demoraria muito pra se resolver, vai demorar bem mais.

  5. Agora percebo quão verdadeira
    Agora percebo quão verdadeira é a frase: “A economia não tolera desaforos”.

    Primeiro desaforo: permitir a desenfreada exuberãncia financeira, que faz as pessoas confundirem economia com picaretagem financeira.

    Segundo desaforo: querer resolver a crise pela via do restabelecimento da exuberãncia financeira.

    Terceiro desaforo: querer jogar todo o conhecimento da Ciência Econômica na lata do lixo histórico.

    Quarto desaforo: querer reeditar a Ciência Econômica por decreto, segundo o oportunismo de interesses ideológicos.

    Quinto desaforo: achar que o conhecimento de fato negativo evita que este torne a ocorrer.

    “n” desaforo:…

  6. Do Estadão de sábado, 24 de
    Do Estadão de sábado, 24 de janeiro de 2009, 03:58 online

    Governo do Japão quer investir em empresas para conter crise
    Banco de Desenvolvimento do país compraria ações de companhias prejudicadas pelo arrefecimento econômico

    EFE
    TÓQUIO – O Governo do Japão estuda injetar fundos públicos em entidades não bancárias especialmente afetadas pela crise econômica, informou neste sábado a agência local de notícias “Kyodo”.

    Para a medida, o Banco de Desenvolvimento do Japão compraria ações preferenciais de companhias especialmente prejudicadas pelo arrefecimento econômico.

    A entidade japonesa investiria nessas firmas centenas de bilhões de ienes procedentes de fundos públicos que o Governo planeja arrecadar durante o ano fiscal 2009, segundo disseram a “Kyodo” fontes ligadas ao Governo.

    A medida de emergência, que tem como objetivo ajudar na recuperação do país diante da crise, começaria a ser implantada a partir do ano fiscal de 2010, que começa em abril do mesmo ano

  7. Não sei se entendi:
    – A
    Não sei se entendi:
    – A política protecionista (para recuperar lucros perdidos!) além de torcer a noção de competição do comércio exterior, para manter no páreo os mesmos atores, será ampliada para os outros países?
    – A tal regulação estatal significa até agora que a indústria diminui salários ou demite e o governo sustenta com auxílio desemprego e que a farra dos lucros dos nossos mega agronegociantes, investidos em operações de risco, será “compensada” com o dinheiro público?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome