Democracia e o mercado financeiro, por Joel Pinheiro da Fonseca

Em artigo, economista e mestre em filosofia diz que faz mais sentido criticar indicadores em termos econômicos do que em termos éticos

Foto: Reprodução

Jornal GGN – Os indicadores econômicos e os números apresentados pelo mercado financeiro informam sobre um recorte da realidade, e nada mais do que isso. Não faz sentido criticar indicadores em termos éticos, pois eles não têm como medir a ética.

A afirmação é de Joel Pinheiro da Fonseca, economista e mestre em filosofia pela USP, em artigo publicado no jornal Folha de São Paulo. “Se a bolsa bate novos recordes, significa que os investidores estão otimistas com o desempenho futuro das empresas ali negociadas, não da seleção de futebol ou da democracia brasileira”, pontua.

“Em última análise, o desempenho das empresas depende do comportamento dos consumidores e outros participantes do mercado (…) Assim, por mais que a agenda cultural aponte para um retrocesso das artes, não há motivo evidente para que isso devesse gerar queda na bolsa ou alta da taxa de câmbio”, ressalta o economista.

Outro caso citado pelo economista está relacionado aos ataques que o presidente Jair Bolsonaro fez contra o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) – seu pronunciamento poderia afetar a reforma e, assim, as contas públicas como um todo. E foi esse potencial das falas do presidente que acabaram por afetar o câmbio.

Para o economista, indicadores econômicos não podem ser criticados em termos éticos, simplesmente porque eles não têm como medir a ética – o que faz sentido é criticá-los em termos econômicos. “O profissional do mercado financeiro é tão irracional quanto o restante da espécie humana, e dado aos mesmos vieses intelectuais – e não é segredo que muitos (não todos) dos que trabalham nesse mercado são fãs do governo Bolsonaro e de Paulo Guedes”, pontua Fonseca.

2 comentários

  1. Praticamente todos são bolsonaristas e praticamente todos são anti-éticos. Se puderem vender a própria mãe venderão. As exceções são raras, mas existe. Pra se ganhar nesse mercado não pode confiar em ninguém. Tem que seguir a intuição e saber surfar a onda. Poucos conseguem.

  2. A ciências econômicas apresenta várias correntes. O poder econômico opta por difundir apenas a visão pró mercado. No entanto, a ciências econômicas é maior que a ideologia liberal do mercado.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome