Número de jovens nem-nem chega a 5,4 milhões, informa Ministério do Trabalho

Deste montante, 60% são mulheres, das quais a maioria tem filho pequeno, e 68% são negros; entre os ocupados, 45% trabalha informalmente

Crédito: Paulo Pinto/ Agência Brasil

O Ministério do Trabalho informou, nesta terça-feira (28), que o número de jovens que não estudam, não trabalham e nem estão procurando emprego cresceu em 2023. 

A pasta constatou que o total de jovens entre 14 e 24 anos conhecidos como nem-nem passou de 4 milhões para 5,4 milhões entre o primeiro trimestre de 2023 e o mesmo período deste ano.

Deste montante, 60% são mulheres, das quais a maioria tem filho pequeno, e 68% são negros.

“Há muita dificuldade de as mulheres entrarem no mercado de trabalho, em especial, mulheres jovens. Por outro lado, há esse apelo para que as jovens busquem alguma outra forma de ajudar a sociedade, que é ter filhos mais jovens, além de um certo conservadorismo entre os jovens que acham que só o marido trabalhando seria suficiente”, disse a subsecretária de Estatísticas e Estudos do Ministério do Trabalho e Emprego, Paula Montagner.

A maternidade precoce, segundo Paula, faz com que mulheres jovens entrem no mercado de trabalho mais tarde e tenham menor qualificação. Consequentemente, enfrentam maior dificuldade para conseguir um emprego com melhor remuneração salarial. 

Informalidade

O levantamento constatou ainda que os jovens de 14 a 24 anos representam cerca de 17% da população brasileira, dos quais 14 milhões tinham algum tipo de ocupação no primeiro trimestre deste ano. 

Porém, 45% deles trabalham informalmente e supera a média nacional, em que 40% da população atua em trabalhos informais. Já os jovens que só estudam somam 11,6 milhões de pessoas e o número de desocupados nessa faixa etária chegou a 3,2 milhões em 2024.

*Com informações da Agência Brasil.

LEIA TAMBÉM:

Camila Bezerra

Jornalista

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador