O desastre irlandês

A crise da Irlanda dá uma boa discussão. Estou preparando um bom material para domingo. O ponto central são as sucessivas análises sobre as causas do sucesso da Irlanda, apontado como o tigre da Europa e que agora caminhar para se tornar uma nova Islândia.

Há os que atribuíam exclusivamente aio ajuste fiscal dos anos 80 e 90. Era condição necessária, mas não suficiente.

Outros apontavam o modelo de desenvolvimento adotado, que foi, de fato, muito bem montado, com identificação das áreas estratégicas e atração de multinacionais desses setores.

Mas faltou o essencial: o desenvolvimento de uma capacitação tecnológica autônoma. Agora, as multi estão simplesmente buscando outros países onde aportar. E o país aparentemente está quebrado.

O Valor de hoje traz matéria sobre o país, informando que o déficit público deverá chegar a 9,5%. Não consegui entender a razão.

Clique aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Crescimento da China expõe falso dilema entre saúde e economia

15 comentários

  1. Pelo o que eu entendi a
    Pelo o que eu entendi a Irlanda estaria quebrada porquê não tinha indústria nacional significativa. Aí quando as multinacionais resolveram explorar outro lugar (teriam ido para a China em busca de trabalho semi-escravo?) não deve ter ficado quase nada para gerar renda

    Seria bom aprendermos com isso e se preocupar em tentar ter mais artigos feitos aqui com indústria nacional do que simplesmente importar. Porquê até hoje por exemplo não produzimos um CPU de ponta que seja? Todos têm que ser importados e pagando a taxa extorsiva de 60% encima

  2. Caro Nassif!
    Vc mencionaou o
    Caro Nassif!
    Vc mencionaou o termo chave “capacitação tecnológica autônoma”. Penso que este assunto deveria estar em qualquer projeto de desenvolvimento. Pois, do contrário, a qualquer contra-tempo as empresas “alienígenas” simplestemente vão embora. Quem quiser confirmar esta tese basta visitar os parques industriais da Sudene – cheia de projetos abandonados. Parabéns, ótimo artigo sobre instigante e intrigante assunto.

  3. Lá vai a Irlanda,para a
    Lá vai a Irlanda,para a “Grande Fome “,versão 2009! Alí, foram as batatas,sem vencedores…
    Hoje, o cardápio, é bem mais variado…

  4. esta chegando o tempo de
    esta chegando o tempo de grandes blocos de paises,exemplos europeu,merco sul,e etc. paises pequenos em população não teram como brigar no campo economico.

  5. “A isso se junta o temor
    “A isso se junta o temor sobre a dívida irlandesa. A Irlanda foi o primeiro país da Europa Ocidental a ter sua classificação revista pela Moody’s, de estável para negativa. “O rating Aaa é apropriado por agora, pois o país entra numa crise financeira ainda em uma posição fiscal favorável”, disse Dietmar Hornung, analista da Moody’s, em relatório da semana passada. A S&P, que já rebaixou Espanha, Grécia e Portugal, alertou a Irlanda de que pode perder o status de AAA.”

    Triplo A = Risco quase zero.

    Nada mal para um país a beira da falência, não?

  6. A crise do capitalismo abalou
    A crise do capitalismo abalou a credibilidade de países considerados modelos na globalização, notabilizados por serem economias voltadas para o mercado externo. Na América Latina temos o exemplo de Chile e México, bastante elogiados pelo PIG. Os chilenos abriram mão da industrialização e de um mercado interno forte (o resultado é aumento das desigualdades, arrocho salarial e muita insatisfação). O México mesmo sendo um país emergente, com problemas sociais e alta criminalidade, terá um crescimento do PIB igual aos países desenvolvidos, fruto da dependência aos EUA

  7. Confiar em multinacional é
    Confiar em multinacional é como deixar o cabrito tomando conta da horta, sem ficar amarradinho em algum toco.

    Quanto acabam as verduras, o cabrito vai embora, procura outra horta!

    Bem, desta vez caíram nas próprias armadilhas!

  8. “O Valor de hoje traz matéria
    “O Valor de hoje traz matéria sobre o país, informando que o déficit público deverá chegar a 9,5%. Não consegui entender a razão”:

    Nao ha outra: shadow banking.

    (contabilidade-sombra dentro dos bancos, nao sei como se chama em portugues)

  9. Desculpe Nassif, mas vou
    Desculpe Nassif, mas vou botar água neste caldo. O problema Macroeconômico que reduziu a capacidade da Irlanda é o mesmo que está afetando o resto do planeta, A FRAUDE , sem esta o sistema financeiro iria continuar girando redondinho e eventuais deslises seriam absorvidos da mesma forma como vinham sendo corrigidos nos últimos 30 anos.

    O problema da fraude com dinheiro é quantitativo, está ai o DD para mostrar para todos como 12 bi no exterior garante vida mansa e de papo pro ar eternamente.

    Como a fraude no SFM está na casa de 2 a 3 vezes o PIB do planeta não tem volta, neste trote não sobra ninguém.

  10. Um dos grandes carros-chefe
    Um dos grandes carros-chefe do projeto europeu foi a alavancagem que o bloco propocionou aos países mais pobres da região (Espanha, Irlanda, Portugal e Grécia). Do ponto de vista ético, era a condição de existência primordial do projeto de uma União Européia. Do ponto de vista técnico, era uma necessidade urgente para viabilizar a integração dos países sem resultar, por exemplo, em um exôdo em massa dos habitantes dos países mais pobres para os mais ricos.

    O fato é que Irlanda, Espanha, Portugal e a Grécia se desenvolveram bastante, mas agora, em em meio a crise, dúvidas relevantes são levantadas em relação à solidez deles – que já estava, digamos, no ar desde a incorporação dos países europeus-orientais. Também sucita dúvidas sobre como e se a UE vai funcionar em mar bravio e por aí vai.

    O caso da Islândia, no entanto, é bem pior que o Irlandês: Se a Irlanda desenvolveu mal sua produção tecnológica, pelo menos ela produzia coisa, enquanto a Islândia, por sua vez, estava erguida em cima de bases totalmente ficcionais e quando perceberam que o rei estava nu, foi um alvoroço geral.

  11. Nassif,

    Eu trabalho numa
    Nassif,

    Eu trabalho numa empresa irlandesa e os negocios aqui estao a todo vapor (pelo menos nesse primeiro trimestre), estamos contratando no mundo inteiro e ha’ falta de mao de obra especializada la’ na Irlanda.
    Essa informacao q “faltou o desenvolvimento de uma capacitação tecnológica autônoma” nao e’ bem assim nao. Existem varias empresas irlandesas de alta tecnologia q estao muito bem, obrigado.
    Agora, os empregos nao especializados realmente sao os primeiros a sofrerem um choque, mas creio q e’ assim no mundo inteiro.

    Traga mais dados sobre os produtos tecnológicos irlandeses, que ajudará a enriquecer o debate.

    Abracos

  12. Caro Nassif.
    Tomara que o
    Caro Nassif.
    Tomara que o caso da Irlanda sirva de exemplo para o Brasil, deveria o Lula começar a abortar as falcatruas feitas pelo FHC, quando privatizou
    as estatais entregando o patrimônio público en troca de banana, rever a lei
    do petróleo, que permite empresas estrangeiras se apoderar do nosso pré
    sal, aliás me parece que o presidente dos EEUU implorou ao Lula que não mexa na lei do petróleo!

  13. Nassif, os Irlandeses deteem
    Nassif, os Irlandeses deteem a maior parte das ações do Serasa; pode significar algo para o pessoal de cá?

  14. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome