O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) variou 0,46%, em agosto de 2010. A taxa apurada em julho de 2010 foi de 0,05%.

IGP-10 tem aceleração em agosto
17-Ago-2010(http://portalibre.fgv.br/main.jsp?lumPageId=402880972283E1AA0122841CE9191DD3&lumItemId=8A7C8233298A3044012A7F9ABF541EE7)
O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) variou 0,46%, em agosto. A taxa apurada em julho foi de 0,05%. O IGP-10 é calculado com base nos preços coletados entre os dias 11 do mês anterior e 10 do mês de referência.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) variou 0,75%, em agosto. Em julho, a variação foi de 0,02%. Os Bens Finais registraram taxa de variação de -0,60%, em agosto, ante -0,32%, em julho.

Contribuiu para esta desaceleração o subgrupo alimentos in natura, que teve sua taxa reduzida de -2,37% para -7,27%. O índice relativo a Bens Finais (ex), calculado sem os subgrupos alimentos in natura e combustíveis, registrou variação de 0,04%. No mês anterior, a taxa foi de -0,09%.

O índice do grupo Bens Intermediários registrou variação de 0,10%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,09%. Dois dos cinco subgrupos apresentaram aceleração, com destaque para materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa passou de -0,03% para 0,13%. O índice de Bens Intermediários (ex), obtido após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, registrou variação de 0,16%. No mês anterior, foi registrada variação de 0,09%.

O índice de Matérias-Primas Brutas passou de uma taxa de 0,39%, em julho, para 3,58%, em agosto. Neste grupo, vale destacar as acelerações dos itens: minério de ferro (-0,54% para 13,72%), soja (em grão) (2,86% para 9,48%) e aves (0,42% para 4,26%). Em sentido oposto, citam-se: leite in natura (-2,97% para -6,68%), café (em grão) (7,13% para 2,07%) e algodão (em caroço) (4,09% para -0,11%).

Leia também:  Fome no Brasil: de exemplo mundial à preocupação

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de -0,31%, em agosto, ante -0,17%, em julho. Três das sete classes de despesa componentes do índice apresentaram desaceleração em suas taxas de variação, com destaque para o grupo Alimentação, cuja taxa passou de -1,00% para -1,55%. Nesta classe de despesa, os itens que mais sobressaíram foram: frutas (2,14% para -2,97%) e hortaliças e legumes (-7,14% para -10,66%).

Também contribuíram para o recuo da taxa do índice os grupos: Vestuário (0,14% para -1,08%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,49% para 0,41%). Os itens que mais influenciaram a desaceleração destas classes de despesa foram: roupas (0,12% para -1,34%) e artigos de higiene e cuidado pessoal (0,69% para 0,38%), respectivamente.

Em oposição à tendência do índice, apresentaram acréscimos em suas taxas de variação os grupos: Transportes (-0,17% para 0,25%), Despesas Diversas (0,73% para 0,85%), Habitação (0,17% para 0,26%) e Educação, Leitura e Recreação (-0,05% para -0,03%). Nestas classes de despesa, vale mencionar o comportamento dos preços dos itens: álcool combustível (-3,33% para 4,23%), mensalidade para TV por assinatura (-0,30% para 1,24%), tarifa de eletricidade residencial (0,10% para 0,54%) e show musical (-3,60% para -1,32%), respectivamente.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em agosto, taxa de variação de 0,35%, abaixo do resultado do mês anterior, de 0,72%. Dois dos três grupos componentes do índice apresentaram desaceleração: Materiais e Equipamentos (0,73% para 0,36%) e Mão de Obra (0,78% para 0,29%). Já o índice relativo ao grupo Serviços acelerou de 0,49%, no mês anterior, para 0,60%, nesta apuração.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome