O potencial de emprego no Brasil

Brasil, o sonho americano: emprego para quem precisa. 

Do Terra

Brasil tem melhores perspectivas de emprego na América

07 de setembro de 2010 • 21h53 • atualizado às 21h53

O Brasil está entre os três principais países com melhor perspectiva para o crescimento de emprego previsto para o quarto trimestre do ano nas Américas, assegura uma pesquisa divulgada nesta terça-feira no Panamá. Junto a ele, estão Costa Rica e Peru e, em contrapartida, encontra-se Estados Unidos, com a pior perspectiva.

Segundo uma pesquisa realizada entre 30 mil diretores encarregados da contratação de pessoal em dez países da América, as expectativas de contratação são positivas para região nos próximos três meses, afirma o relatório da empresa de recursos humanos Manpower.

Oemp”O emprego na região latino-americana, desde o norte até o sul, está vendo números positivos”, disse, em coletiva de imprensa no Panamá, Maria Luisa Rocha, diretora de operações da Manpower.

Segundo Rocha, a maior demanda de empregos ocorrerá em setores relacionados aos processos produtivos manuais, supervisão desses processos e aos postos de venda.

As expectativas mais otimistas são as do Brasil, onde se registra uma tendência líquida de emprego (diferença entre os empresários que asseguram que contratarão e os que afirmam que diminuirão suas folhas de pagamento) de 37%, 16 pontos a mais que há um ano, especialmente no setor de finanças, seguros e serviços, onde mais da metade dos empregadores pretendem aumentar seus quadros.

Leia também:  Guerra Híbrida: caos provocado e expropriação de riquezas, por Roberto Bueno

Costa Rica e Peru, com uma tendência de emprego de 23% (23 e 14 pontos superior há um ano) são os outros dois países americanos com melhores expectativas no mercado de trabalho. Eles são seguidos de Panamá (19%), Argentina (17%), Colômbia (17%), México (16%), Canadá (14%), Guatemala (9%) e EUA (4%).

“Os Estados Unidos não investem com a mesma força em seu país como investem nos nossos (os países latino-americanos) por conta dos impostos e porque a mão de obra é mais barata”, disse Rocha, que descartou que esses dados positivos signifiquem uma mudança de tendência na economia. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome