Painel internacional

Trichet luta para afirmar consistência da Eurozona

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, está lutando para convencer os investidores de que a região do euro não deve ser punida pelos problemas orçamentários da Grécia. Enquanto a Grécia tenta controlar um déficit recorde e evitar o mergulho de seus títulos, Trichet disse que a economia das 16 nações do euro é sólida e seu déficit orçamentário será provavelmente menor que os dos EUA e Japão este ano. Os comentários de ontem não impediram as ações espanholas e portuguesas de cair, em meio às preocupações de que eles estariam em uma situação semelhante à da Grécia, ou sobre o euro, que tem caído em relação ao dólar por um período de nove meses. Trichet não me convenceu”, disse Stuart Thomson, que ajuda a gerenciar US$ 100 bilhões na Ignis Asset Management, em Glasgow, Escócia. Onde é que ele acha que as economias grega, espanhola e portuguesa vão estar daqui a três anos? As medidas de austeridade vão pesar sobre a área do euro como um todo”. Trichet foi forçado a afastar as dúvidas sobre o sobrevivência do euro, enquanto os investidores duvidavam da capacidade da Grécia de cortar o seu déficit de 12,7% do produto interno bruto para abaixo do limite da União Europeia, de 3%. Ao mesmo tempo em que se espalha a preocupação de que Espanha e Portugal aumentem os encargos da dívida, Trichet tentará sublinhar a necessidade de prudência fiscal, sem inflamar o ceticismo que poderia surgir. “Algo tem que acontecer para gerar credibilidade”, disse Paul Mortimer-Lee, diretor de economias de mercado do BNP Paribas em Londres.

Clique aqui

E mais:

Zapatero defende economia espanhola

Turbulência financeira será discutida em reunião do G-7

Táticas amedrontadoras – Paul Krugman

Geithner acredita que China deverá apreciar sua moeda


Zapatero defende economia espanhola

ELPAIS.COM

O primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, defendeu-se, na quinta-feira, em Washington, das críticas “infundadas” contra seu governo e a força da economia espanhola, e acrescentou que “sabemos aonde vamos e as reformas que queremos fazer. Durante uma reunião com membros da instituição de pesquisa do Conselho do Atlântico, perguntaram-lhe se acreditava que sua liderança está sendo questionada por causa das fortes críticas ouvidas nos últimos dias contra a economia espanhola, especialmente em relação ao déficit (mais de 10%) e a elevada taxa de desemprego (cerca de 20%). Zapatero disse que “a liderança e a responsabilidade política são dadas pelo povo” e recordou que o cidadão disse isso em eleições passadas, mas reconheceu que “não é um momento fácil para a Espanha”, pois se enfrentam “desafios econômicos de grande magnitude”, mas manifestou confiança absoluta no desafio político que isso representa e a força da economia espanhola. “A Espanha tem um sistema financeiro sólido e forte”, disse, “e é o único país desenvolvido que não viu a crise bancária”, e que não teve de injetar dinheiro público no sistema financeiro – o que considera “uma garantia” para o compromisso de redução do déficit.

Clique aqui


Leia também:  Marcelo Bretas passou por formação nos EUA antes de assumir a Lava Jato

Turbulência financeira será discutida em reunião do G-7

O momento de turbulência nos mercados globais tem dado avisos aos líderes financeiros globais que as conseqüências da pior recessão em sete décadas estão longe de terminar. Os ministros das Finanças e presidentes de bancos centrais do mundo do G-7, os sete principais países industrializados – Estados Unidos, Japão, Alemanha, França, Grã-Bretanha, Itália e Canadá – tinham agendado chegar na sexta-feira para discussões numa pequena e nevada cidade canadense a cerca de 200 quilômetros ao sul do Círculo Polar Ártico. As conversas deverão ser dominadas pela questão de quanto tempo os estímulos extraordinários do governo devem ser fornecidos para elevar o crescimento econômico. Os riscos que a economia mundial continua enfrentando foram dramaticamente destacados, depois que más notícias econômicas afundaram os mercados em todo o mundo na quinta-feira.

Clique aqui


Táticas amedrontadoras

New York Times

Paul Krugman

Nestes dias, é difícil pegar um jornal ou sintonizar um programa de notícias sem a ocorrência de severas advertências sobre o déficit do orçamento federal. O déficit ameaça a recuperação econômica, dizem-nos; ele coloca a estabilidade econômica norte-americana em risco e irá prejudicar nossa influência no mundo. Estas afirmações geralmente não são apontadas como opiniões, mas posições defendidas por alguns analistas e contestadas por outros. Em vez disso, eles relatam como se fossem fatos, pura e simplesmente. No entanto, eles não são fatos. Muitos economistas têm uma visão muito mais tranqüila dos déficits orçamentários do que qualquer coisa que você vê na TV. Então, por que a súbita onipresença de assustadoras histórias sobre o déficit? Tem sido evidente por pelo menos um ano que o governo dos EUA enfrentaria um período de grandes déficits, e as projeções não mudaram muito desde o verão passado. Para mim – e não estou sozinho nessa – o súbito surto de histeria do déficit traz de volta lembranças do pensamento de grupo que tomou conta durante a preparação para a guerra no Iraque. Agora, como então, as alegações duvidosas, não apoiadas por provas concretas, estão sendo relatadas como se tivessem sido estabelecidas sem sombra de dúvida. Agora, como então, grande parte dos establishments políticos e dos meios de comunicação adquiriram a noção que temos de tomar medidas drásticas rapidamente, embora não tenha havido qualquer nova informação para justificar esta urgência repentina. Agora, como então, aqueles que desafiam a narrativa dominante, não importam o quão forte seja o seu caso e não importa quão sólido seja o repertório, estão sendo marginalizadas. E os ativistas do déficit podem acabar fazendo tanto mal quanto os ativistas das armas de destruição em massa.

Clique aqui


Leia também:  Giro Econômico GGN: confira um panorama econômico global

Geithner acredita que China deverá apreciar sua moeda

O secretário do Tesouro dos EUA, Timothy F. Geithner, disse nesta quinta-feira que a China provavelmente vai deixar sua moeda se valorizar atingindo um objetivo muito almejado pelos EUA e que poderia ajudar a impulsionar as exportações norte-americanas e criar mais empregos. Embora Geithner não tenha especificado quando espera que Pequim afrouxe seu domínio sobre o yuan, sua declaração para o Comitê de Orçamento do Senado atingiu uma nota otimista, em um contexto de aprofundamento das tensões com Pequim, em parte pela política econômica, mas também sobre a venda de armas a Taiwan e os planos do presidente Obama de se reunir com o Dalai Lama. Funcionários do Tesouro estão avaliando se marcam publicamente a China como manipuladora da moeda – um passo que pode levar a sanções –, e a administração tem recentemente adotado uma linha mais dura com Pequim, em meio à crescente pressão política interna e econômica.
Clique aqui


Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome