Painel internacional

Madri fecha acordo orçamentário com regiões

The Wall Street Journal

A ministra das Finanças espanhola Elena Salgado, sob pressão para cortar um dos maiores déficits orçamentários da União Europeia, chegou a um acordo amplo na segunda-feira sobre os custos de medidas de poupança com os chefes de Finanças dos poderosos governos regionais da Espanha. O acordo representa um passo fundamental para o governo do primeiro-ministro socialista José Luis Rodriguez Zapatero, em seus planos de reduzir o déficit orçamentário para 3% do produto interno bruto em 2013, em conformidade com as exigências da União Europeia. O governo disse que o déficit orçamentário para o final de 2009 foi igual a 11,2% do PIB, menor do que a estimativa anterior de 11,4%. Num encontro com jornalistas, Salgado disse que as regiões de Espanha assinaram um plano em que o governo propõe a redução do déficit estrutural de cerca de 60 bilhões de euros (US$ 81 bilhões), ou 5,7% do PIB, até o ano de 2013. O governo central faria a maior parte da redução – por volta de 55 bilhões de euros –, enquanto os governos regionais e municipais seriam responsáveis por cortar os 5 bilhões de euros remanescentes. A estrutura descentralizada de governo da Espanha torna a tarefa de redução do déficit mais difícil do que em alguns outros países europeus. O governo central – excluindo a Administração de Seguridade Social do Estado controla diretamente menos de um terço dos gastos públicos e pode dar apenas orientações gerais às administrações regionais e municipais que controlam o resto.

Clique aqui

E mais:

Google irrita China mudando seu serviço para Hong Kong

Conservadores franceses sofrem derrota expressiva

Argentina se prepara para a troca da dívida

Crise grega pode provocar nova queda do euro


Google irrita China mudando seu serviço para Hong Kong

guardian.co.uk home

O site norte-americano Google encerrou seu serviço de buscas no continente chinês na última noite, após impasse de dois meses com Pequim sobre a liberdade online e uma suposta invasão por hackers. Mas as autoridades chinesas atacaram a decisão “totalmente errada” do gigante da Internet de mudar o seu serviço de língua chinesa para Hong Kong. O movimento permite que a empresa deixe de autocensurar o serviço, embora o sistema de filtragem do governo continue a impedir que os usuários continentais vejam os resultados de muitas pesquisas sensíveis. O Google chocou a indústria quando anunciou em janeiro que iria encerrar quatro anos de autocensura na China, reconhecendo que isso poderia significar uma retirada. Torcedores deixaram flores, chocolates e outros presentes fora da sede da empresa em Pequim, esta manhã. Mas enquanto a empresa pode se orgulhar de usuários dedicados, tem apenas cerca de um terço do mercado em receita, e uma menor proporção de usuários. O furor destacou os desafios de se fazer negócios na China para empresas ocidentais e delimitou a era de otimismo sem restrições sobre a capacidade da internet de mudar o país. A empresa agora acredita que encontrou uma alternativa legal, e disse que pretende manter a sua pesquisa, desenvolvimento e negócios de vendas de publicidade na China – que tem a maior população do mundo na Internet, de quase 400 milhões. Mas reconheceu que as autoridades poderiam bloquear o serviço de busca chinês.

Clique aqui


Conservadores franceses sofrem derrota expressiva

SPIEGEL  ONLINE

Foi como um déjà vu. Após a derrota do presidente Nicolas Sarkozy no primeiro turno de votação em 14 de março, o cidadão francês decidiu mais uma vez enviar seus votos para a oposição em 24 das 26 regiões nas eleições complementares de domingo. Apenas a Alsácia permaneceu um bastião conservador no continente, enquanto a ilha da Reunião, no Oceano Índico, era o único departamento ultramarino a apoiar a conservadora União por um Movimento Popular (UMP). O partido perdeu a única outra região que controlava, a Córsega, para a aliança de partidos de esquerda. Apesar de uma participação um pouco melhor em comparação com o último domingo – pouco mais da metade dos eleitores votaram – a segunda rodada de votação não marcou qualquer mudança tectônica. O centro-esquerdista Partido Socialista (PS) foi declarado semimorto apenas alguns meses atrás, mas esta eleição regional mostrou seu regresso como o maior partido da oposição. A líder do PS, Martine Aubry, que falou de uma “vitória única“, ganhou autoridade e estatura. A prefeita de Lille (e filha do ex-presidente da Comissão Europeia Jacques Delors) pode agora reivindicar seu lugar entre os muitos possíveis candidatos presidenciais de partidos. Talvez tão importante quanto (a eleição de Aubry) seja o crescimento contínuo dos Verdes franceses. O sucesso da Écologie Europa é, sobretudo, graças à estrela política franco-alemã Daniel Cohn-Bendit. Ainda conhecido por muitos como “Danny le Rouge”, graças ao seu papel nos protestos estudantis de maio de 1968, Cohn-Bendit foi capaz de reunir os diversos campos de ambientalistas, esquerdistas nostálgicos, amantes da natureza e opositores do crescimento econômico.

Clique aqui


Argentina se prepara para a troca da dívida

Financial  Times

A Argentina fez o que se espera ser a última apresentação às autoridades reguladoras dos EUA, antes de lançar uma oferta aos titulares de US$ 20 bilhões em títulos ainda em moratória, desde o crash de 2001. A troca da dívida é destinada a pavimentar o retorno ao mercado internacional de títulos visando arrecadar dinheiro para cumprir as obrigações de colocação da dívida. “A nova apresentação é parte do moroso processo que estamos tendo. Esta é uma versão que esperamos ser definitiva”, disse Hernán Lorenzino, o secretário de Finanças, que realizou a nova oferta, ao Financial Times. “Estou trabalhando para lançar o swap em março ou, caso contrário, no início de abril.” Funcionários argentinos vêm dizendo há semanas que a troca da dívida inadimplente por novos papéis, em grande parte nos mesmos termos de uma proposta feita em 2005, está pronta para o lançamento. No entanto, analistas disseram que a nova apresentação indica que o lançamento estava realmente entrando nos trilhos.
Clique aqui


Crise grega pode provocar nova queda do euro

A campanha do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, para que os governos aprendam com a crise fiscal grega pode provocar uma divisão política transatlântica que forçará o euro para baixo, rumo aos níveis de 2006. Enquanto os investidores forçam a Grécia, Espanha, Portugal e Irlanda a entregarem planos de redução de déficits orçamentários, a retirada de estímulos eleva o risco de uma recessão de duplo mergulho e mesmo deflação no todo ou parte das 16 nações da área do euro. A possibilidade de lenta expansão está fazendo com que economistas do Deutsche Bank ao HSBC Holdings prevejam que o BCE de Trichet seja mais lento que o anteriormente previsto em elevar as taxas de juro, que estão no recorde de baixa de 1%. A restrição de Trichet contrastaria com a do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Ben S. Bernanke, se o banqueiro central dos EUA tomasse a liderança no endurecimento da política econômica (aumento de juros), enquanto os legisladores mostram poucos sinais de atacar um déficit orçamentário de mais de 10% do produto interno bruto. As diferentes abordagens entre as maiores economias do mundo fizeram com que a Bluegold Capital Management previsse que o euro cairia para US$ 1,2 pela primeira vez desde março de 2006, refletindo a queda passada quando o Fed ultrapassou o BCE em meados da década passada.
Clique aqui

Leia também:  Deep-fake, a arma radical contra a democracia

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome