Painel internacional

A nomeação do novo presidente do Banco Central da Polônia

The Wall Street Journal

Depois da súbita morte do presidente polaco do banco central, Slawomir Skrzypek, em um acidente de avião sábado no oeste da Rússia, o seu vice, Piotr Wiesiolek, se o presidente interino, de acordo com a legislação do banco central da Polônia. Analistas disseram que a morte do presidente do BC provavelmente não vai alterar o caminho da política monetária, mas que a nomeação do sucessor permanente de Skrzypek será um teste para saber se o Partido da Plataforma Cívica da Polônia será tentado a interferir na independência do banco central. Skrzypek morreu junto com o presidente Lech Kaczynski e muitos outros altos funcionários polacos. “Desde que o mecanismo [de transferência de poder] nunca foi testado, não está claro quem vai nomear um novo chefe permanente do banco central“, disse Mateusz Szczurek, economista-chefe do ING Bank Slaski, em Varsóvia. Segundo as regras do Banco Central, o presidente do banco central é nomeado pelo Parlamento, mas é o presidente da República que nomeia os candidatos. “Agora há uma questão sobre quem vai nomear o candidato, na ausência do presidente”, disse Marcin Mrowiec, economista-chefe do Bank Pekao, em Varsóvia. Se a nomeação ocorrer antes que um novo presidente seja escolhido em eleição, que deverá acontecer na metade do ano, Bronislaw Komorowski, que, como orador parlamentar torna-se presidente em exercício, fará a escolha.Komorowski também é o candidato oficial da Plataforma Cívica à presidência.

Clique aqui

E mais:

Grécia: um passo de cada vez

Moedas emergentes estão mais seguras que as do G7

Bancos centrais seguram suas reservas de ouro

Líderes se reúnem para conversações nucleares


Grécia: um passo de cada vez

BBC NEWS

Stephanie Flanders

Em sua abordagem para a crise grega, as autoridades europeias tomaram a honorável rota de dar um passo de cada vez com os mercados financeiros estando sempre vários passos à frente. Eles esperavam ter quebrado o feitiço ontem, com a nova declaração forjada por telefone pelos ministros da zona do euro e autoridades. Será que vai funcionar? Como eu disse no programa da manhã de hoje, este negócio tem três características fundamentais que as duas declarações anteriores de apoio (em fevereiro e março) não tinham. Primeiro, o principal assunto da manchete: os ministros concordam que “até 30 bilhões de euros” poderiam ser disponibilizados para a Grécia pelo grupo da Zona do Euro, acima dos 22 bilhões de euros mencionados anteriormente. Em segundo lugar, e fundamentalmente, temos sentido que uma taxa de juro será cobrada da Grécia. Para um empréstimo pré-fixado de três anos, a afirmação implica que a Grécia será cobrada por uma taxa swap Euribor de três anos acrescida de 3% – o que sairia um pouco menos de 5% em condições atuais de mercado. Haveria também uma taxa de serviço único de até meio ponto percentual. O dinheiro do FMI será muito mais barato, tendo o custo médio para menos de 4,5%. Isso não é de graça. Mas é muito melhor do que os 7% que o mercado cobrava da Grécia por seus títulos no final da semana passada. É, também, provavelmente a maior baixa que a Alemanha poderia suportar. Isso, claro, é o terceiro atributo fundamental do novo acordo.

Clique aqui


Moedas emergentes estão mais seguras que as do G7

Os operadores de moeda estão mostrando que as economias emergentes se tornaram mais seguras em relação aos países desenvolvidos a qualquer momento, em quase dois anos. A volatilidade implícita de três meses para as moedas dos sete maiores países em desenvolvimento caiu para 10% em março, comparado com os 11,4% dos países industrializados, de acordo com os índices da JPMorgan Chase. A diferença é a maior desde julho de 2008. Até agora, oito dos 10 melhores desempenhos de moedas vieram de mercados emergentes. O déficit orçamentário recorde dos EUA, a ajuda da Europa à Grécia e a perspectiva de um parlamento dividido no Reino Unido estão aumentando o risco de perdas em dólares, euros e libras. Nos mercados em desenvolvimento, o déficit caiu para um terço do nível das nações avançadas este ano, e as economias estão crescendo duas vezes mais rapidamente que os EUA, diz o Fundo Monetário Internacional. “A percepção de risco global está mudando”, disse Jerome Cabine, que administra US$ 32 bilhões em ativos de mercados emergentes como chefe de pesquisa da Ashmore Investment Management em Londres. “Onde você quer estar é em lugares não alavancados, e isso significa alguma coisa em mercados emergentes. Este é o começo de uma tendência. A corrida por mercados emergentes ainda mal começou.

Clique aqui


Bancos centrais seguram suas reservas de ouro

ELPAIS.COM

O aumento do preço do ouro no ano passado, o maior em décadas em função da depreciação do dólar e do efeito fuga para esse metal em tempos de crise, deu uma reviravolta na estratégia que os bancos centrais vinham desenvolvendo há 20 anos. De uma política de vendas elevadas a uma posição neutra. O Conselho Mundial de Ouro, organização formada pelas primeiras mineradoras do mundo, anunciou que as reservas bancárias nacionais no ano passado registraram o seu primeiro aumento desde 1988, de 425,4 toneladas, para chegar a 30.116 toneladas. Philip Klapwijk, diretor da consultoria especializada em metais preciosos GFMS, descarta um aumento efetivo nas reservas, mas aponta para uma nova atitude dos bancos centrais. “Houve uma mudança de tendência importante na direção de uma posição neutra, após 20 anos de vendas elevadas“, explica. “Já se foram muitos dos empréstimos de ouro que os bancos centrais faziam aos bancos comerciais, e esse volume voltou a aparecer em seus balanços, mas no saldo final não houve compras líquidas, exceto vendas, porém menores”, diz. As compras da Índia, China, Rússia se combinaram com a parada nas vendas de bancos europeus para possibilitar essa mudança de sinal, de acordo com o relatório anual do Conselho. A maior operação foi feita pelo banco hindu, com a compra de 200 toneladas do FMI no outono passado. A onça de ouro (pouco mais de 31 gramas) valia US$ 882 no final de 2008, enquanto que no ano passado terminou em US$ 1096, alta de 24%. E chegou a ultrapassar a barreira de US$ 1.200 em dezembro.

Clique aqui


Líderes se reúnem para conversações nucleares

New  York Times

Três meses atrás, funcionários da inteligência norte-americana examinaram fotografias de satélite das instalações nucleares paquistanesas e viram os primeiros tufos de vapor das torres de resfriamento de um novo reator nuclear. Era uma das três usinas que estavam sendo construídas para produzir combustível para uma segunda geração de armas nucleares. A mensagem destas fotos foi clara: enquanto o Paquistão esforça-se para certificar-se de suas armas nucleares e os laboratórios não estão vulneráveis a ataques da Al Qaeda, o país se prepara para expandir sua produção de combustível para armas. Os paquistaneses insistem que não têm escolha. O acordo de cooperação nuclear que a Índia assinou com os Estados Unidos durante a administração Bush pôs fim a uma longa moratória de fornecimento de combustível e tecnologia que a Índia desesperadamente necessitava para suas usinas nucleares. Agora, enquanto as críticas despontam, o acordo possibilita mais facilidades para que a Índia possa se dedicar a fazer a sua própria geração de novas armas, aumentando a corrida armamentista mesmo que o Presidente dos EUAm Barack Obamam e o Presidente da Rússiam Dmitri Medvedevm assinem acordos para diminuir os arsenais construídos durante a Guerra Fria.

Clique aqui

Leia também:  Sondagem da FGV aponta ritmo forte de desemprego

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome