Painel internacional

Espanha cortará mais de 15 bilhões de euros em gastos até 2011

A Espanha decidiu apertar mais um pouco o cinto este ano e no próximo, para enviar um sinal de austeridade e credibilidade ao mercado. O governo vai implantar um novo corte de despesa de 15 bilhões de euros para reduzir o déficit em 2010 e 2011. Este ano, o governo reduzirá mais de meio ponto percentual do PIB, o que exigirá um esforço adicional de 5 bilhões de euros, e no próximo será descontado um ponto percentual do desequilíbrio projetado, equivalente a 10 bilhões de euros extras. A pressão do mercado revelou-se mais forte do que a vontade do governo para não forçar uma redução drástica do déficit. A vice-presidente e ministra da Economia, Elena Salgado, previa anunciar ontem a aceleração do corte do déficit para os seus parceiros europeus na reunião do Ecofin. Com estas alterações, o déficit previsto para este ano, estimado até agora em 9,8% do produto interno bruto (PIB), permanecerá em 9,3%, e cairá de 7,5% para 6,5% em 2011. A redução leva a um suave declive de 3% a ser alcançado em 2013, conforme exigido pela Comissão Europeia.
Clique aqui
E mais:
Receita comercial da China encolhe 87%
Moeda venezuelana continua trajetória de queda
OCDE projeta desaceleração mundial
Cameron e Clegg são pressionados a fechar um acordo

Receita comercial da China encolhe 87%

O superávit comercial da China encolheu 87% em abril em relação ao ano anterior, ao mesmo tempo em que as importações cresceram mais rapidamente do que exportações devido ao estímulo impulsionado pela demanda interna. O superávit de US$ 1,68 bilhão, informado pela alfândega em seu site de hoje, em comparação com o déficit de março. As importações ganharam 49,7%. As exportações aumentaram 30,5%, superando a estimativa mediana de 28,9% de 30 economistas em um levantamento da Bloomberg News. Um declínio de 79% do superávit comercial nos primeiros quatro meses de 2010 ante o ano anterior pode aliviar a pressão de ganhos em yuan e apoiar a argumentação do primeiro-ministro Wen Jiabao de que a moeda não está subvalorizada. A crise da dívida soberana na Europa, que hoje levou a um pacote de empréstimo de quase US$ 1 trilhão para ajudar as nações sob o ataque de especuladores podem também incentivar as autoridades chinesas para encerrar com o atraso do yuan em relação ao dólar. “Um superávit comercial de pequeno porte ressurgiu, mas claramente um tendência decrescente, o que acreditamos irá limitar o tamanho da apreciação do yuan”, disse Shen Jianguang, um economista da Mizuho Securities Asia em Hong Kong, que anteriormente trabalhou no Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu. A força das exportações não vai durar muito, em meio ao enfraquecimento da perspectiva europeia.
Clique aqui

Leia também:  Coluna Econômica: a bolha dos créditos garantidos por imóveis, por Luís Nassif

Moeda venezuelana continua trajetória de queda

Quatro meses após sofrer desvalorização da moeda, os venezuelanos continuam a ver o valor do seu dinheiro evaporar sob o peso de controles cambiais que desempenham um papel fundamental nas políticas econômicas socialistas do presidente Hugo Chávez. O “bolívar forte”, como a moeda é oficialmente chamada, não é nada. A moeda caiu 26% até agora este ano, para 8,05 por dólar na sexta-feira no mercado negro de comércio, que define o valor real da moeda no mercado. O mergulho do bolívar é um embaraço para o governo. Chávez anunciou em janeiro que o país poderia reduzir o valor de sua moeda, então oficialmente indexada em 2,15 por dólar, pela metade. Ele prometeu que o bolívar se valorizaria no mercado negro, para coincidir com a nova correlação de 4,3 bolívares por dólar. A oferta e procura, no entanto, não colaborou. Os venezuelanos, com medo da inflação e acostumados a desvalorizações recorrentes, continuam a mandar o seu dinheiro para fora do país, pagando a taxa de dólares do mercado negro. O governo, entretanto, não vende dólares suficientes à taxa oficial para atender a demanda. No domingo, Chávez prometeu agir rapidamente sobre a inflação, inclusive acionando os militares sobre os comerciantes que aumentam injustamente os preços, após os dados de preços ao consumidor na sexta-feira mostrarem um aumento de 5,2% em abril, o maior salto mensal em vários anos. Isso traz a inflação de 12 meses para 30%, a maior da região.
Clique aqui

OCDE projeta desaceleração mundial

A economia mundial poderá sofrer uma desaceleração, com os primeiros sinais de que a continuidade do crescimento na China e no Brasil está chegando ao fim, disse a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) na segunda-feira. O indicador antecedente do instituto acadêmico de Paris para a atividade econômica de seus 31 membros subiu para 103,9 em março, saindo de 103,3 em fevereiro. No entanto, o indicador avançado para a França manteve-se inalterado, enquanto os principais indicadores para o Brasil e China, que não são membros da OCDE, diminuíram ligeiramente. “O índice composto dos principais indicadores da OCDE… Apontam para um abrandamento do ritmo da atividade econômica”, disse a instituição. “Na maioria dos países da OCDE, os sinais de desaceleração do crescimento são preliminares, mas os sinais mais fortes surgiram na França e na Itália, e algumas evidências de uma parada potencial de expansão estão surgindo na China e no Brasil.” A maioria das principais economias emergiu de uma recessão no segundo e terceiro de 2009, e os principais indicadores da OCDE sugerem que a recuperação vai continuar, embora em ritmo lento.
Clique aqui

Cameron e Clegg são pressionados a fechar um acordo

Políticos experientes instaram conservadores e liberais-democratas para chegarem a um acordo rápido e formar o próximo governo britânico nesta segunda-feira, enquanto os partidos começam a se reunir para mais um dia de tensas negociações. Três dias depois da eleição geral, não ficou claro qual partido ou partidos formarão o próximo governo, com os conservadores, que ganharam o maior número de lugares – mas não a maioria –, ainda em negociações para a coalizão com os liberais. E enquanto as equipes de negociação entram em uma nova rodada de conversações no Gabinete do Governo na segunda-feira, o ex-primeiro-ministro conservador John Major e o chanceler de finanças Alistair Darling, foram chamados para uma solução rápida. Darling, que passou o domingo na reunião de ministros das finanças em Bruxelas, disse que queria ver um acordo alcançado no final do dia, a fim de proporcionar estabilidade à Grã-Bretanha e tranqüilizar os mercados.
Clique aqui

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome