Painel internacional

O comitê da dor

Paul Krugman
Qual é a maior ameaça para a nossa ainda frágil recuperação econômica? Os perigos são muitos, é claro. Mas o que atualmente descobri ser o mais ameaçador é a disseminação de uma idéia destrutiva: a visão de que, agora, menos de um ano da fraca recuperação da pior recessão desde a Segunda Guerra Mundial, é o momento para os formuladores de política pararem de ajudar os desempregados e começarem a infligir dor. Quando a crise financeira deu o seu primeiro golpe, a maioria dos decisores políticos do mundo responderam de forma adequada, reduzindo as taxas de juros e permitindo a elevação dos déficits. E fazendo a coisa certa, aplicando as lições aprendidas em 1930, eles conseguiram limitar os danos: foi terrível, mas não a Segunda Grande Depressão. Agora, no entanto, as exigências para que os governos mudem do apoio às suas economias para a punição têm se proliferado nos editoriais dos jornais, discursos e relatórios de organizações internacionais. Ainda, a idéia de que o que as economias deprimidas realmente precisam é de ainda mais sofrimento parece ser a nova sabedoria tradicional, que John Kenneth Galbraith famosamente definiu como “as idéias que são estimadas a qualquer momento para sua aceitação.” A dimensão de que a dor econômica infligida se tornou uma coisa aceitável foi levada a mim pelo mais recente relatório sobre as perspectivas econômicas da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), um influente instituto com sede em Paris apoiado pelos governos das economias mais avançadas do mundo. O que a OECD está dizendo agora é que os decisores políticos devem parar de promover a recuperação econômica e, ao invés disso, começar a aumentar as taxas de juros e cortar gastos.
Clique aqui
E mais:
Não é o futebol alemão que você conhece
França reconhece problemas na manutenção do rating AAA
Wen diz que o crescimento econômico da China não ameaça o Japão
Trichet diz que nações emergentes são fonte de força

Leia também:  Allan dos Santos deixa o Brasil e acusa ministro Barroso de prevaricação

Não é o futebol alemão que você conhece

Gabriele Marcotti
Apesar de ser uma vitrine para o suposto “jogo do mundo” – abençoado com alegados poderes para derrubar barreiras e tornar o mundo mais aconchegante e feliz – a Copa do Mundo realmente tem a tendência de reforçar alguns dos mais velhos estereótipos. Não tanto entre os fãs mais tradicionais, muitos dos quais, em uma época de globalização, tendem a conhecer melhor o futebol, mas entre os observadores casuais, que aparecem a cada quatro anos e precisam de um conjunto conveniente de guias para melhor apreciar o espetáculo. Por isso, o estereótipo. O Brasil é o expoente despreocupado e maravilhosamente criativo do “Joga Bonito”. A Itália é hiper-defensiva e cínica. A Inglaterra joga em ritmo frenético e se baseia exclusivamente nas bolas longas arremessadas. A Argentina é talentosa, mas também suja e propensa a ataques de histeria. Equipes da África sub-saariana, qualquer uma delas, são todas iguais no mundo fácil dos estereótipos – jogam com “alegria”, o que é um sinônimo de ingenuidade. A Espanha é talentosa, mas, como o Homem de Lata do romance de L. Frank Baum (O Mágico de Oz), não tem coração e rotineiramente decepciona. A Alemanha não é nenhuma exceção. É disciplinada, forte, focada e raramente decepciona em termos de resultados, ao mesmo tempo em que é tão sem graça quanto eficiente. Tanto assim que o ex-atacante da Inglaterra Gary Lineker, que enfrentou eficiência “alemã” em mais de uma ocasião, famosamente brincou que “o futebol é um jogo simples. Vinte e dois homens perseguem uma bola durante 90 minutos e no final, os alemães ganham.” Longe de ser o paradigma de solidez e eficiência, há uma abundância de rachaduras na equipe de Joachim Löw, algumas decorrentes da lesão, outros por conflitos de personalidade e, outros ainda, pelo simples fato de que o jogo e os tipos de jogadores que o país produz tem mudado ao longo dos anos.
Clique aqui

Leia também:  Como o mercado tecnológico da China superou concorrentes dos EUA

França reconhece problemas na manutenção do rating AAA

A França prepara uma bateria de medidas para cortar gastos e, assim, reduzir o seu déficit orçamentário ante o “desafio” que representa para a segunda economia da zona do euro manter sua qualificação máxima de solvência, admitiu o ministro francês do Orçamento, François Baroin.”O objetivo de manter a nota AAA representa o desafio que condiciona em parte as políticas econômicas que vamos implementar”, disse Baroin ao canal de televisão francesa Canal Plus. “Temos que manter a nossa nota AAA e reduzir nossa dívida para evitar a dependência demasiada dos mercados, e devemos fazer a longo prazo”, acrescentou. As previsões do governo francês prevêem que o déficit das contas públicas da França se situará em 8,2% este ano e 6% no próximo, caindo para 4,6% em 2012, uma tendência que põe em risco o cumprimento da meta de déficit da França em 2013. Entre as medidas mais controversas de corte das despesas, o governo estuda aumentar a idade de aposentadoria de 60 para 62 anos, o que motivou protestos sociais.
Clique aqui

Wen diz que o crescimento econômico da China não ameaça o Japão

O premiê chinês visitante, Wen Jiabao, disse na segunda-feira que o desenvolvimento econômico da China não será nenhuma ameaça para o Japão ou outros países, observando que o crescimento de Pequim é, de fato, mutuamente benéfico para Japão e China. “Seremos firmes na perseguição de nosso desenvolvimento de maneira pacífica… (e) não seremos uma ameaça para qualquer país”, disse Wen a uma platéia de cerca de 130 pessoas num almoço oferecido pela federação de negócios do Japão, o mais influente grupo empresarial. Wen disse em chinês, falando através de um intérprete de japonês, que as relações comerciais Japão-China são tais que o desenvolvimento econômico da China é um “mérito” do Japão e, tendo isso em mente, instou os seus países a continuar exercendo sua parceria estratégica em termos econômicos, culturais e outros aspectos. Em seu discurso de abertura, Hiromasa Yonekura, presidente da federação, também conhecida como Nippon Keidanren, salientou a importância da China nos negócios japoneses. “A China foi uma dos primeiras a se livrar da crise da economia global e voltar ao caminho do crescimento”, disse Yonekura.
Clique aqui

Leia também:  França prevê "retomada descontrolada da epidemia", diz conselho

Trichet diz que nações emergentes são fonte de força

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, disse que as nações emergentes têm resistido à recessão global melhor do que países avançados. O presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Ben S. Bernanke, disse também no discurso preparado hoje em Seul em uma conferência do Banco da Coreia, que “enquanto as economias de mercados emergentes se tornam cada vez mais importantes no comércio global e nos sistemas financeiros do mundo, a economia mundial dependerá ainda mais delas para manter o forte crescimento doméstico e econômico bem como a estabilidade financeira.” O Fundo Monetário Internacional (FMI) disse no mês passado que as economias emergentes, incluindo o Brasil e a Rússia, aumentarão 6,3% este ano, quase o triplo do ritmo de crescimento das nações avançadas. A Europa teve de salvar a sua moeda única este mês, com um pacote de resgate de US$ 1 trilhão, depois de a crise da dívida soberana da Grécia ameaçar se espalhar. “Os países emergentes também foram severamente afetados, mas como grupo permaneceu uma fonte de força para a economia mundial”, disse Trichet por meio de uma ligação de vídeo para a conferência do Banco da Coréia, de acordo com o texto do discurso publicado pelo BCE em Frankfurt.
Clique aqui

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome