Painel internacional

A Europa está ficando interessante de novo

John Hooper

Não são as minhas palavras, mas as de um ex-alto funcionário dos EUA citado por um dos participantes da reunião anual da semana passada do Conselho para os Estados Unidos e na Itália. No caso, nem a Itália nem os EUA tiveram mais que rápidos dois dias de discussão que se concentraram principalmente no ajuste (da situação) em que a União Europeia se encontra, em consequência da crise financeira na sua margem sul – e sobre as ramificações econômicas e políticas que possam ter.

Mas, nesta ocasião, uma série de conclusões emergiu – ou pelo menos ficaram incontestadas – e pode valer a pena registrá-las em uma discussão mais ampla. A primeira foi a de que ninguém deve subestimar quanto uma correção na Europa está quente. A queda do euro nada teve a ver com a especulação irresponsável dos fundos de hedge, mas estava profundamente enraizada na previsivelmente menor capacidade de crescimento econômico da zona do euro e o justificável receio de que, em médio prazo, seus bancos ainda estavam perigosamente expostos à dívida grega (e talvez de uma forma ainda maior, da espanhola).

No entanto, a segunda conclusão foi que o verdadeiro problema agora é representado pela Alemanha. Grécia, Espanha, Portugal e Itália tiveram todas as medidas de aperto de cintos aprovadas que, se devidamente implementadas (um grande se, na verdade), começaria a resolver o problema da dívida. Mas o que ainda resta é o problema de crescimento. As exportações alemãs têm sido tradicionalmente o motor do crescimento europeu. Mas, se todo o resto da Europa (e isso inclui a Grã-Bretanha) apertar os cintos suprimindo assim a demanda, quem vai comprar produtos alemães? A alternativa é os alemães comprarem mais dos seus próprios bens, que era a solução para o problema apresentado pela Ministra das Finanças francesa, Christine Lagarde. A terceira área de acordo, porém, foi que não havia a menor chance de isso acontecer.

Clique aqui

E mais:

Por que os planos de aperto fiscal acarretam riscos globais – Martin Wolf
Hesitação dos líderes aumentou o custo da crise da Europa
França e Espanha prosseguem com planos de austeridade
Ministros israelenses votam flexibilização do bloqueio de Gaza

PorPor que os planos de aperto fiscal acarretam riscos globais

Martin Wolf
Mais uma vez, ouvimos o grito da velha religião econômica: arrependa-se antes que seja tarde demais; o preço do pecado fiscal é a morte. Mas já é hora de recuar? Duvido muito. No mínimo, temos de reconhecer os riscos: o atraso na redução (das medidas fiscais) representa perigo de inflação e mesmo moratória; diminuição prematura ameaça uma recessão e até mesmo deflação, como afirmei na semana passada. Tendo apenas sobrevivido ao maior colapso financeiro da história, precisamos entender que esses riscos de desvalorização são graves. Alguns argumentam que a economia está sempre em equilíbrio – que, nas palavras do mestre Pangloss de Voltaire, tudo está melhor no melhor dos mundos possíveis. Outros argumentam, como Andrew Mellon – secretário do Tesouro dos EUA sob Herbert Hoover -, que após um grande boom de crédito, devíamos “liquidar o trabalho, liquidar as ações, liquidar os agricultores, liquidar os imóveis … isso vai limpar a podridão do sistema”.
Clique aqui

Hesitação dos líderes aumentou o custo da crise da Europa

O governo dos EUA e o Fundo Monetário Internacional alertou as autoridades europeias já em fevereiro, que a escalada de problemas financeiros em seu continente teria de ser tratada rapidamente para prevenir uma ameaça maior à economia mundial, mas os apelos foram relevados, de acordo com participantes de discussões privadas. Até o momento os funcionários europeus agiram vários meses mais tarde – instados por um quase colapso na Grécia e o caos coletivo em outros países – e o preço para travar o contágio financeiro disparou. Após o colapso do mercado imobiliário dos EUA mostrar como os problemas financeiros de um país podem se espalhar para além das fronteiras, o FMI e os líderes das principais economias do mundo têm falado em uma maior sensibilidade ao “risco sistêmico” e um maior enfoque na prevenção. Mas a agitação na Europa, provocada pela ameaça de uma moratória grega, ressaltou o paradoxo no modo como as potências econômicas enfrentam as crises em desenvolvimento. Sistemas políticos e seus líderes são, frequentemente, hesitantes ao tomar medidas dramáticas com as provas parciais disponíveis quando uma ameaça está surgindo, evitando decisões sobre medidas controversas e caras, até que não haja escolha. Mas uma vez que os mercados não emitam um veredito completo, a crise está em pleno andamento, e interrompê-lo se torna mais difícil e mais caro.
Clique aqui

França e Espanha prosseguem com planos de austeridade

O governo francês propôs uma série de medidas na quarta-feira para conter o déficit orçamentário, incluindo elevar a idade de aposentadoria em dois anos e o aumentar o imposto de renda sobre os ricos. A Espanha também deve anunciar na quarta-feira planos de contenção para sacudir seu mercado de trabalho, com os países da zona do euro respondendo aos temores dos investidores sobre as finanças públicas. Na França, a idade mínima para a aposentadoria será levantada gradualmente até 2018, dos atuais 60 anos para 62 anos, disse o ministro do trabalho, Eric Woerth, a repórteres. O governo havia considerado aumentar a idade para 63. “Parece que foi um grande passo adiante”, disse Jean-Michel Six, economista chefe para a Europa da Standard & Poor’s. Ele disse que o anúncio parecia ser um compromisso entre as exigências dos investidores por cortes de orçamento e profunda necessidade de manter um senso de igualdade social. A França tem sido mais lenta do que outros países europeus como Espanha, Portugal e Grã-Bretanha a anunciar alterações no orçamento básico, em parte refletindo o fato de o seu déficit orçamentário ser menor, enquanto a demanda do investidor manteve as taxas de juro que a França paga sobre sua dívida mais baixas em relação aos países da zona do euro.
Clique aqui

Ministros israelenses votam flexibilização do bloqueio de Gaza

Israel vai aliviar significativamente o seu bloqueio terrestre da Faixa de Gaza na quarta-feira, disseram autoridades, em um esforço para diminuir as críticas internacionais generalizadas que se seguiram à incursão israelense contra uma flotilha que tentava romper a barreira. O Gabinete de ministros se reuniu para limitar as restrições sobre o que entra em Gaza – materiais que Israel afirma que os militantes poderiam utilizar em sua batalha contra o Estado judeu – para uma pequena lista de produtos, alguns deles desesperadamente necessários aos civis de Gaza. Mas o bloqueio naval israelense que esteve na origem do ataque mortal que gerou protestos internacionais permanecerá intacto. Também não ficou claro se as matérias-primas essenciais à indústria seriam autorizadas a entrar de novo e se Israel poderia terminar sua proibição das exportações de Gaza. O embargo de três anos fechou centenas de fábricas em Gaza, deixou dezenas de milhares de pessoas sem trabalho e levou a frágil economia do território a uma paralisação.
Clique aqui

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador