Raio X da balança comercial: queda do saldo e empobrecimento das exportações

Uma comparação no tempo mostra a extraordinária mudança no perfil das parcerias comerciais brasileiras. Em 2010, a China respondia por apenas 14,9% das exportações brasileiras. Hoje, responde por 29,53% das exportações e 60,27% do saldo comercial.

Em janeiro de 2020, a soma acumulada de 12 meses do saldo comercial experimentou uma queda de US$ 12 bilhões em relação a janeiro de 2019. A queda das exportações foi maior, de US$ 18,4 bilhões. O saldo foi parcialmente compensado pela queda de US$ 6,3 bilhões nas importações.

A redução do saldo foi fundamentalmente afetada pela queda do saldo com a União Europeia e com o Mercosul, América Central e Caribe. E parcialmente compensada por um aumento no saldo com o Japão e o Oriente Médio

Uma comparação no tempo mostra a extraordinária mudança no perfil das parcerias comerciais brasileiras. Em 2010, a China respondia por apenas 14,9% das exportações brasileiras. Hoje, responde por 29,53% das exportações e 60,27% do saldo comercial.

Já, em relação aos Estados Unidos e União Europeia, houve redução no percentual das exportações brasileiras.

No quadro seguinte, fica mais clara a mudança do perfil das exportações.

E das importações.

Os dados de janeiro reforçam a tendência de queda das exportações de maior valor agregado

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Coronavírus: Ex-economista-chefe do FMI defende cuidado com as pessoas

1 comentário

  1. “Quem planta ventos, colhe tempestade”. Esse é o resultado da política externa brasileira. Um bando de estúpidos agindo como Dom Quixote, querendo fazer “guerra”, e não Paz. A geopolítica é pra profissionais e não amadores.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome