Após “fim da cracolândia”, usuários se espalham pela região

cracolandia-21_de_maio_daniel_arroyo_ponte.jpg

Foto: Daniel Arroyo/Ponte jornalismo

Jornal GGN –  A Polícia utilizou bombas em uma megaoperação realizada ontem (21) na Cracolândia, no centro de São Paulo, com o objetivo de combater o tráfico de drogas na região.
 
Após a ação, que contou com mais de 900 policiais, o prefeito João Doria (PSDB) disse que “a cracolândia aqui acabou”. “Nem a prefeitura permitirá nem o governo do Estado. Essa área será liberada de qualquer circunstância como essa. A partir de hoje, isso é passado”, disse.

Entretanto, os usuários acabaram se espalhando pela região, nas ruas Aurora, Helvétia, Dino Bueno, Barão de Piracicaba e avenida Rio Branco. Segundo a Folha de S. Paulo, cerca de 100 pessoas se aglomeraram em um posto de gasolina na esquina da rua Helvétia com a avenida Rio Branco.

cracolandia_21_de_maio.jpg

Foto: Sato do Brasil/Jornalistas Livres

O governador de São Paulo, o também tucano Geraldo Alckmin, acompanhou parte da ação e disse que o objetivo era prender traficantes e apreender armas e drogas. Ele afirmou que o Estado oferece tratamento para os usuários que queiram abandonar o crack. 
 
Segundo a Folha, a venda de drogas continuava em outros locais, enquanto a Tropa de Choque e a Guarda Civil Metropolitana impedia o acesso em determinadas ruas. 
 
cracolandia_21_de_maio_eduardo_ogata_secom.jpeg
 
Foto: Eduardo Ogata/Secom
 
O jornal também afirma que a operação expôs uma disputa entre a gestão de Doria e a de Alckmin. Os aliados do governador teriam se incomodado com a fala do prefeito sobre o “fim” da cracolândia, enquanto Alckmin afirmou que a operação era um “primeiro passo”.
 
“O trabalho policial é um trabalho que não termina. O problema da droga não é uma coisa simples. Você tem uma questão crônica que precisa ser enfrentada pela polícia, pela área social e pela saúde”, disse o governador. 
 
 
 
Vídeo: Jornalistas Livres
 
Em 2008, o então prefeito Gilberto Kassab também anunciou o fim da cracolândia, assim como a gestão Alckmin, em 2012. 
 
Após a operação, o secretário Filipe Sabará retirou a placa que identificava a tenda do programa De Braços Abertos, adotada pelo ex-prefeito Fernando Haddad (PT) e que atendia os usuários de drogas na região. 
 
O prefeito anunciou o fim do programa da gestão anterior, mas afirmou que serão mantidos a hospedagem e remuneração por trabalhos como varrição, mas os usuários deverão se comprometer a fazer trabalhos de desintoxicação do Recomeço, programa da gestão estadual. Doria pretende fazer um novo programa, chamado de Redenção. 
 
 
Foto: Daniel Arroyo/Ponte jornalismo
 
Além disso, o tucano afirmou que a região passará por um “amplo projeto de reurbanização”, com demolição de pensões e hotéis. “Serão demolidos, essa área será reestruturada urbanisticamente com prioridade para habitação popular, afirmou. 
 
Para Fábio Fortes, ex-presidente do Conselho de Segurança da Santa Cecília, a demolição dos prédios vai criar “terrenos baldios perigosos”, pedindo que seja mantida ação que envolva assistência social, saúde e segurança. 
 
 
Foto: Daniel Arroyo/Ponte jornalismo
 
 
Assine

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora