Argentina entra para seleto grupo da América Latina que o aborto é legal, confira

A decisão é minoria na América Latina. A legalização, tal como foi votada pelo vizinho latinoamericano, também está no Uruguai, Cuba, Guiana, Guiana Francesa e Porto Rico

Foto: AFP

Jornal GGN – É lei. Foi a frase mais repetida na madrugada desta quarta-feira (30) na Argentina, quando o país aprovou a lei de legalização do aborto, pelo Senado. O país que lutava pela saúde e escolha da mulher sobre a interrupção da gravidez não é o único da região que detinha uma legislação altamente restritiva.

A lei aprovada pelos senadores, e considerada uma das principais vitórias do governo do presidente Alberto Fernández, permitirá toda gestante até a 14ª semana de gravidez ter acesso ao aborto gratuito e seguro no sistema de saúde.

Aborto na América Latina

A decisão é minoria na América Latina. A legalização, tal qual foi votada pelo vizinho latinoamericano, também está no Uruguai, Cuba, Guiana, Guiana Francesa e Porto Rico.

Outros países da região, como o próprio Brasil, Chile, Colômbia e México, o aborto é permitido com restrições e condições, em caso de estupro ou quando há a inviabilidade do feto, por exemplo.

Mas o México é o único país da região em que o aborto gratuito é oferecido durante as 12 primeiras semanas de gravidez, nas cidades do México e Oaxaca, porque o país também estabelece independência de decisão para cada um de seus estados.

No Chile e no Equador há a lei vigente de “três causas”: quando há ameaça à vida ou saúde da mulher, inviabilidade do feto e estupro.

Já no Paraguai, Venezuela, Guatemala, Peru e Costa Rica, as restrições são ainda mais específicas, permitindo o aborto somente em caso de risco de vida à gestante, variando os critérios a cada país.

Na Bolívia, por exemplo, há a opção de incesto incluída na possibilidade de aborto e em Belize, na América Central, fatores socieconômicos também contemplam a descrimalização.

No Brasil, o aborto só é permitido em caso de estupro, risco de vida para a mãe e feto com anencefalia, este último caso autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em julgamento de 2012.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

6 comentários

  1. Não estou querendo julgar ninguém pois eu não tenho esse direito e não quero ter, mas, o aborto é um crime hediondo, é assassinato de inocentes independente de sua legalização ou não. Legalizar o aborto é legalizar um crime covarde e desleal. Os argentinos deveriam se envergonhar desse absurdo.

    • Jorge, é somente o direito de decidir e não a obrigação de fazer. Pior que uma lei é o número de mulheres que morrem nas mãos de clínicas clandestinas. Não fazer é um direito, assim como decidir fazer o aborto. Agora a briga é por um Estado que garanta a saúde e educação de crianças que chegam neste mundo. Respeito sua opinião, divergências são sempre válidas, mas uma mulher precisa ter a palavra final, e não um Estado ou um homem.

      • Lourdes Nassif : então a solução é trocar uma “morte ilegal” por outra “legalizada”? Não está se tratando da vida da Mulher. Está se eliminando a vida da Criança, do Filho. Esta Vida não pertence à Mulher. Qual foi a culpa deste Ser Humano? A irresponsabilidade da sua concepção? A Mulher pode unilateralmente eliminar esta Vida. Mas caso a mantenha, o Pai da Criança é responsável por esta Vida? Não é um contracenso? A Vida não deveria ser questionada como uma medíocre batalha ideológica como vimos nas ruas argentinas. Até porque tanta aglomeração, atentou contra a vida segundo os ‘Profetas do Apocalipse’, devido à uma farsante Pandemia. Ou não é o que vocês escrevem neste Veículo? Ou uma coisa é uma coisa e….abs.

  2. D. Lourdes, o absurdo de tudo isso é legalizar a morte de inocentes e indefesos. É um crime hediondo e covarde. E quanto ao número de mulheres que morrem em clínicas clandestinas, é ser muito ingênuo pra achar que isso mudará com a legalização desse crime bárbaro. E quando for legalizado, deixem de ser hipócritas e mudem o nome dos estabelecimentos que praticarem esse absurdo; passem a chamá -los Clínica e Matadouro.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome