A homossexualidade na novela e a homofobia da vida real

Jornal GGN – O ator Paulo Betti se recordou em seu Facebook de um episódio no qual foi “agredido verbalmente e com muita violência” pelo escritor e colunista do jornal O Globo, Roberto DaMatta. O motivo: sua interpretação da personagem homossexual Teo Pereira, na novela Império. Em seu desabafo, Betti disse que o escritor “falou barbaridades contra personagens gays em novelas”.

Ontem (4), Ziraldo também apareceu criticando a escolha de Fernanda Montenegro de interpretar Teresa, personagem gay de Babilônia. “Fernanda Montenegro não pode fazer apologia ao afeto homossexual”, disse o desenhista.

Enviado por Mara L. Baraúna

Paulo Betti denuncia homofobia do escritor Roberto DaMatta

Do Pragmatismo Político

Ator Paulo Betti conta que foi “agredido verbalmente e com muita violência” pelo famoso escritor e colunista de O Globo, Roberto DaMatta, apenas por ter interpretado um personagem gay em uma novela

O escritor e antropólogo Roberto DaMatta (esq) e o ator Paulo Betti (Imagem: Pragmatismo Político)

Paulo Betti usou seu Facebook para disparar contra o famoso escritor e antropólogo Roberto DaMatta. O ator, que se orgulhava de não ter sido ofendido enquanto interpretava um personagem gay na novela global “Império”, acabou revelando em entrevista a uma rádio carioca que houve uma exceção. A entrevista repercutiu e o ator decidiu se pronunciar através da rede social.

De acordo com Betti, DaMatta o agrediu verbalmente e “com muita violência”, na frente da própria esposa, e falou “barbaridades” sobre personagens gays em novelas.

Betti terminou o depoimento manifestando-se contra a homofobia: “Não direi as palavras pronunciadas em respeito aos meus amigos do Facebook, mas faço esse breve depoimento em nome da verdade e do respeito que os gays merecem. Contra a homofobia e sabendo mais sobre Roberto DaMatta”.

Em resposta a uma seguidora, que saiu em defesa do sociólogo e antropólogo, o ator lançou uma pergunta: “Por que pessoas extraordinárias não podem ser preconceituosas?”.

Leia abaixo a íntegra de seu relato, publicado no Facebook:

Amigos, relutei em escrever aqui o que aconteceu comigo, mas como envolve pessoa pública, achei que seria relevante : perguntado por uma ouvinte num programa da MPB fm, se fui agredido por ter feito o personagem gay Teo Pereira, na novela Imperio, de Aguinaldo Silva, eu já me preparava pra responder que não, tal a quantidade de carinho que recebo pelas ruas, quando me lembrei de um fato recente e não pude mentir pra ouvinte que me perguntou e para os ouvintes e disse no ar: fui agredido sim, verbalmente e com muita violencia, pelo famoso sociólogo Roberto da Mata, professor e escritor, que na frente da própria esposa, me falou barbaridades contra personagens gays em novelas, não direi as palavras pronunciadas em respeito aos meus amigos do facebook, mas faço esse breve depoimento em nome da verdade e do respeito que os gays merecem. Contra a homofobia e sabendo mais sobre Roberto da Mata.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

11 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ibere

- 2015-05-07 12:04:09

Ziraldo disse isso

Meu Amigo Ziraldo

 

A alguns meses fui na Bienal da UNE, no Rio de Janeiro, e vi Ziraldo, com panela na cabeça, um menino maluquinho de 82 anos, quando lançou uma Cartilha para orientar a formação de grêmios estudantis aos nossos estudantes secundaristas. Menino Maluquinho foi um dos livros de minha infância, e de maluco não tinha nada, aquele menino é apenas um menino comum, não globalizado, não mercantilizado, não coisa, não objeto, não produto do mercado. Já ontem me assustei, vários amigos gritando, Ziraldo homofóbico (sic). Fiquei assustado, retruquei, e fui a busca das evidencias dos fatos, ou seja, a tão famosa Entrevista.

Lá chegando me deparo com, “Aceitar a homossexualidade em Ipanema é uma coisa. Aceitar a homossexualidade em Caratinga é outra”. Opa, então estamos falando de diferença sociais, econômicas. Nitidamente. E me aprofundei na Entrevista, que por hora, recomendo, deliciosa, lucida, provocativa. “É inexorável. A morte é inútil”. Então, neste instante, fiquei a pensar nos rumos deste País, neste continente chamado Brasil.

Primeiro, Ziraldo, não foi homofóbico ou criticou as relações homoafetivas, muito pelo contrário, Ele fez dura crítica, sim, a “nossa senhora máxima”, a Madame Globo. Vocês acham mesmo que as organizações globo está preocupada com a questão da violência contra os homossexuais? Gente, inocência a gente até admite, agora mediocridade é difícil de se engolir. O homossexual da novela da globo é apenas mais um nicho de mercado, mais um produto, mais uma forma de “alimentar” a cabeça cabaça de um produto, o homossexual. Vamos pensar que ao contrário, e a globo esteja realmente preocupada com as transformações sociais e com o futuro do nosso povo, então, pergunto eu. Nossa população é de cerca de 60 % de negros, no Congresso Nacional apenas 10 % dos deputados são negros, entre prefeitos, vereadores, juízes, etc., quantos % são negros? E ainda pior, a juventude negra no Brasil morre mais que os países em guerra civil. E mesmo assim, por um acaso do destino, o único negro em novelas da globo que foi protagonista representou um personagem de um político corrupto. Revelasse ai duas faces, a primeira de que todo conteúdo, personagem, etc., das novelas são manipulados para manipular e criar um senso comum de que as desigualdades, o racismo, etc., são naturais. (Leiam Milton Santos, pelo amor de algum divino). Depois, revela a ignorância política de uma ator negro ao se prestar a tão deprimente “papel”. Mas essa ignorância é geral e generalizada, e estão os dois pilares que sustentam a globo, o primeiro a miséria [econômica], e segundo a ignorância [educacional] do nosso amado povo brasileiro.

Ignorância que é sustentado por um discurso medíocre, que é reproduzido inclusive por jornalistas ditos independentes, como é o caso do blog “pragmatismo político”, que faz uma crítica digna da mais profunda rasura, ao acusar Ziraldo sem analisar o contexto, e sem a mínima decência de colocar o link da entrevista. (Talvez por precaução? Vai que alguém resolve ler além da manchete). Estamos assim em um ciclo vicioso, e a mediocridade implementada pelos grandes meios empresariais híbridos – sempre tiveram ligações e negócios com o capital internacional – de comunicação em massa no Brasil. Essa doença tem cura?

E é assustador, como as vezes, como vi em caso recente, um pesquisador da USP, com projeto para provar quem mais inteligente, branco ou negro, sendo o assunto já esgotado [exaurido] no mundo inteiro. E o pior, financiado pelo estado brasileiro. Eu tomaria a liberdade de dizer a este Estado servil e a esse professor de “meia pataca”, e recomendar: porque não estudam os distúrbios psicológicos e cognitivos que a televisão causou na população brasileira? Será qual grau de inoperância e baixa autoestima após assistir uma novela, um jornal? (Alguém pelo amor de algum divino leia Noam Chomsky e Bauman). Ou pior, se a depressão e stress que tanto cresce no Brasil e atinge até mesmo os caninos, será qual a influência da televisão? Pois dos diversos fatores – cidade, transito, fumaça, insegurança, etc. – obviamente que a televisão, e os nossos “artista de mercado” (como a Fernanda Montenegro), influenciam.

Esses são só alguns elementos que deveriam ser colocados, antes de qualquer opinião radical e medíocre. Ziraldo é meu amigo, e herói da resistência de um povo, na luta pelo nosso empoderamento. Respeitem! Ele [Ziraldo] mais uma vez tenta provocar a reflexão sobre o papel da rede globo em nossas vidas, em nossos pensamentos ideológicos, etc. E será sempre um grande provocador, como o fez com menino maluquinho.

Eu realmente admiro profundamente pessoas, Ziraldo’s, que lutam até o fim por um sonho, por uma causa. Muito embora, desconfie que Heidegger estava correto. Hoje um artista de mercado é mais importante que um intelectual do nosso tempo (sic). É realmente o fim da História, e do tempo enquanto história (sic). O Sistema venceu. Viva a rede globo de televisão...!!!

 

 

Bem, a quem interessar o link da entrevista do Ziraldo, tirem suas próprias conclusões. (http://www.hojeemdia.com.br/almanaque/aos-82-anos-ziraldo-fala-de-amores-e-polemicas-1.315589)

“somos os soldados derrotados de uma causa impossível” (Soldado durante a Guerra Civil Espanhola).

 

Anarquista Lúcida

- 2015-05-06 03:18:49

Nao é a primeira vez q Ziraldo age a favor do atraso

Ele atacou violentamente um congresso de educadores (acho que foi por volta de 2005) defendendo o método fônico de alfabetizaçao, que é a própria encarnaçao do atraso.

Galvão

- 2015-05-05 19:06:09

Homofobia seletiva

Roberto da Matta se mostra indignado com um personagem interpretado pelo ator Paulo Betti, mas convive sem qualquer dificuldade, com homossexuais do PSDB, embora o partido tente apagar o passado de aguns deles.
http://www.brasiliaempauta.com.br/…/t…/Pol%C3%ADtica/page/10

Wendel

- 2015-05-05 18:50:04

E...........................

Neste arracha rabo, sou mais o ator que o DaMatta !!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Até porque, me lembro muito bem que a disputa acirrada com o grande, este sim, professor e antropologo,  Darcy Ribeiro, mostra sobre quem é quem !!!!!

alfredo sternheim

- 2015-05-05 18:30:05

Palavras infelizes de Ziraldo

Se  Ziraldo disse isso a respeito da grande Fernanda Montenegro, ele é um babaca, um sujeito que enriqueceu a arte para as crianças e agora se mostra preconceituoso ao condenar a homossexualidade.  Que decadência. Espero que não seja verdade. 

Athos

- 2015-05-05 18:02:36

Se a Globo quebrar, como

Se a Globo quebrar, como ficam os gays nas novelas da record e nas mídias de Sp de uma maneira geral?

São os gays esquerdistas a favor da quebra da Globo?

 

Reflexões para os politicamente corretos.

agincourt

- 2015-05-05 17:14:01

FLICTS

Depois dessa proponho uma campanha para banir “Flicts” de todas as bibliotecas infantis por fazer apologia mal dissimulada das diversidades...

É Ziraldo acompanhando a marcha inexorável da imbecilidade.

Errou feeeio, errou feeeio, errou rude.

Odonir Oliveira

- 2015-05-05 15:44:40

Da Matta, deixo-o onde deveria sempre estar. Já Ziraldo muito me

surpreende; seriam falas de caduquice,já?

Sei que não aceita muito suas limitações pela idade etc.

Já estaria transformando O menino maluquinho em outra coisa?

Se for isso, lamento imensamente.

Snaporaz

- 2015-05-05 14:31:51

Roberto da Mata,até

Roberto da Mata,até  ingressar nas páginas  de O Globo,como colunista, acreditava-o  enterrado  na sua p´própria mediocridade. Lembro  o quanto,nos anos   oitenta ,tentava, ridiculamente,disputar prestígio e talento com Darcy Ribeiro. Impossibilitado,pelas suas exclusivas   limitações,recorria, frequentemente, à  maledicência e  a calúnia.

Era em todos os sentidos um  sub-Darcy que passou a emergir após  o  desaparecimento do  antropólogo.

Acolhido pelos Marinho e Instituto Millenium,juntamente com  outros "detritos   de maré baixa",participa  dessa constelação de medíocres das páginas 14/15 ,do malfadado periódico, numa disputa de opacidade entre os seus  opacos pares .

Edsonmarcon

- 2015-05-05 13:34:12

Ziraldo: Se homossexualidade

Ziraldo:

Se homossexualidade não é crime, não é doença, e os homossexuais tem os mesmo direitos que os outros, qual o problema?


Fazer apologia?


E a "apologia ao comportamento heterossexual", não é reprovável por que?


Pura discriminação.


Se a novela é boa ou não é outra história.

 

PS: Fazem anos que não vejo novela nenhuma.

 

bfcosta

- 2015-05-05 13:21:45

A resposta de Da Matta

http://odia.ig.com.br/noticia/rio-de-janeiro/2015-05-05/roberto-da-matta-chama-de-calunia-declaracao-de-paulo-betti.html

 

O sociólogo considerou a postagem do ator uma “calúnia” e atribuiu o fato a um mal-entendido entre ele e Paulo Betti. “No mencionado encontro, parabenizei o ator por sua atuação na novela. Em seguida, disse que ele se preparasse para eventuais reações homofóbicas, dados os preconceitos infelizmente ainda existentes na nossa sociedade. E mais não houve. Quanto ao ator, como se vê, sabe bem menos de mim do que supõe”, concluiu o professor.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador