Bolsonaro diz que “é greve” e não motim dos policiais militares no Ceará

"O que é uma diferença enorme de greve para motim. Essa é a imprensa brasileira. Não adianta que eu não vou mudar, porque estou do lado da verdade. Quem tem de mudar são vocês"

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Jornal GGN – O presidente Jair Bolsonaro afirmou que há uma “diferença enorme” entre greve e motim e que a paralisação dos policiais militares no Ceará é “greve”. Neste período de suspensão da atuação policial, ato que é considerado ilegal pela Constituição brasileira, mais de 240 pessoas foram assassinadas.

A declaração do mandatário foi dada durante a transmissão ao vivo semanal de Bolsonaro nas redes sociais, nesta quinta-feira (05). Ele acusou, ainda, a imprensa brasileira de usar a palavra “motim” para denegrir a imagem do governo.

Entretanto, a paralisação de policiais militares é proibida pela legislação brasileira, o que, portanto, não se pode considerar greve, este, por outro lado, é um ato legítimo de categorias trabalhistas. Desde 2017, o Supremo Tribunal Federal (STF) ainda proibiu a paralisação das atividades de policiais civis e federais, além dos militares.

O significado da palavra “motim” é de movimentos coletivos coordenados de insubordinação de militares, um ato que é ilegal segundo o Direito Penal Militar.

Durante a sua declaração, Jair Bolsonaro disse que o governo intermediou “um acordo” com os policiais “em greve”.

“Foi feito um acordo e decidiu a questão da greve dos policiais. Olha o que eu falei: greve. A imprensa nos governos anteriores falava em greve. Quando chegou o meu governo, começou a falar o quê? Motim”, disse.

“O que é uma diferença enorme de greve para motim. Essa é a imprensa brasileira. Não adianta que eu não vou mudar, porque estou do lado da verdade. Quem tem de mudar são vocês”, seguiu, na crítica.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

5 comentários

  1. Jornal GGN,
    O título está equivocado. O que Bolsonaro diz é que é greve e não motim dos policiais militares no Ceará.
    Pode-se até avaliar o que foi dito por Bolsonaro e colocar como título algo como: Bolsonaro erra ao dizer que é greve e não motim dos policiais militares no Ceará.
    Não é necessário mentir para mostrar que Bolsonaro não pode ser tomado como uma pessoa de siso.
    Clever Mendes de Oliveira
    BH, 06/03/2020

  2. Só a esquerda partidária que nao entendeu que a “kulturkampf” da fascistada está concentrada muito mais na disputa simbólica, no nível da linguagem do dia a dia.

    Daqui a pouco vão aparecer mais textoes reativos teorizando acerca da diferença entre greve e motim…

    Ou seja, vao perder mais uma, assim como perderam a “delação premiada”, em vez de chamarem de “incriminação premiada”; assim como perderam o “piticamebte correto”, quando o que o falado era “piticamente INcorreto”…

    E por aí vai…

    A lista é interminavel…

    A pergunta é, lêem Foucault, Bourdieu pra quê?! Pra fazer textao?!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome