Casas de religiões de matriz africana enfrentam a pandemia sem apoio de políticas públicas

Para Catendê, o racismo estrutural explica esse descaso do poder público para com os afrorreligiosos. Poucas redes solidárias, ligadas às instituições do terceiro setor, prestaram algum tipo de assistência aos terreiros durante a pandemia.

Imagem da Casa Solar da Cabocla Jacira – Festejo dos Exús em 22 de agosto de 2020, em Belém (Foto: Ursula Bahia/Amazônia Real)
Vivianny Matos

É paraense, filha das periferias belenenses. Graduada em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo. Também concluiu um MBA em Gestão Estratégica de Marketing e Comunicação Digital. Atuou como assessora de comunicação no terceiro setor na Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SDDH) e da UNIPOP (Instituto Universidade Popular), entre os anos de 2015 a 2020, no Estado do Pará. Faz reportagens que abordam diversas temáticas indígenas. ([email protected])

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora