Chacina em São Gonçalo: Defensoria e ONU pedem investigação independente

"Chacina". Assim a Defensoria Pública e entidades descrevem a Operação policial que matou 8 pessoas em São Gonçalo, neste domingo

Corpos de oito pessoas foram encontrados em manguezal em São Gonçalo, no Rio - Foto: Reprodução / Redes sociais

Jornal GGN – “Chacina”. Assim a Defensoria Pública e entidades descrevem a Operação policial que matou, pelo menos, 8 pessoas em São Gonçalo, região metropolitana Rio de Janeiro, neste domingo (23).

A versão dos policiais é de que atuaram contra “criminosos” e que foi “algo necessário”, após a morte do sargento Leandro Rumbelsperger da Silva, no sábado (20). A ocupação da PM na favela começou na quinta-feira (18), intensificando-se após a morte do sargento.

Segundo relatos de moradores e da Defensoria Pública do Rio, mais policiais do BOPE (Batalhão de Operações Especiais) invadiram a favela no domingo, “por vingança” à morte do PM no dia anterior.

“Uma operação que se caracteriza como ‘operação vingança’. A operação terminou após 33 horas seguidas, um dia após a morte de um policial militar”, disse a defensora Maria Júlia Miranda, em entrevista ao Uol.

A Polícia Civil é a responsável por investigar o assassinato de 8 pessoas – corpos identificados que chegaram ao Posto Regional de Polícia Técnico-Científica em São Gonçalo. E sua versão coincide com a da PM: 5 homens identificados possuem, segundo eles, registros criminais.

Com a repercussão da sociedade civil e o caráter de “chacina” denunciado por entidades, o Ministério Público do estado também abriu investigação.

E a notícia chegou ao Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU que, em nota, pediu a investigação da chacina por autoridades independentes. A crítica é sobre a prática no país da letalidade policial ser investigada pelos próprios policiais.

“Nosso escritório pede ao Ministério Público que conduza uma investigação independente, completa, imparcial e eficaz sobre essas mortes, de acordo com padrões internacionais”, escreveu o gabinete da ONU.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação. GGN é Didática. CC também é, mas em menor competência. GGN mostra nas Entrelinhas, de forma brilhante, como se construiu esta tragédia esquerdopata-fascista destes 91 anos replicados em quase meio século de farsante Redemocracia. São Gonçalo e sua Miséria Humana construída em quase 1 século, não existia até a intervenção da Polícia aguçar a Ira Ideológica?!! Miséria, desemprego e subempregos, favelização, monopólio do transporte público de Baratas e Lavouras, violência, tráfico de drogas e armas, facções criminosas, assassinatos que assombram o mundo, indústria do analfabetismo, saneamento e urbanização inexistentes,…Isto desde a chegada do Ditador Assassino e seus Capangas Assassinos de Aluguel: Tenório Cavalcanti, Lutero e Bejo Vargas, Alcino João do Nascimento, Gregório Fortunato,…O Brasil não tem Projeto de Longa Duração? Não tem Pena de Morte? E a chacina da PM/SP/PICOLÉPSDB na entrada de Sorocaba, há alguns anos? E as mais de 25 mortes em Varginha/MG há alguns dias? E a Barbárie Medieval dos Presídios do RN e RR há poucos anos atrás? Tudo isto e muito mais replicando a Miséria Humana que se inicia em 1930 e volta com força na Redemocracia a partir dos anos de 1980 de PT e PSDB. Não por acaso com a volta do Nepotismo Fascista entre Leonel Brizola, Francisco Dornelles, Aécio e Tancredo Neves. Mas a Imprensa de Assis Chateaubriand, a Marron, a do FAKE NEWS só enxergou Tragédia agora !!! ‘Conheceis a Verdade. E a Verdade Vos Libertará”. E finalmente, depois de 91 anos, começa a Nos libertar.

  2. Mais uma vez, não dará em nada.
    Daqui a pouco teremos outra chacina realizada por policiais, haverá um novo e efêmero rebuliço midiático, e morte que segue.
    É só a necropolítica comum cotidiana em ação.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome