Criam-se condições obscuras para condenar a pessoa, disse o Papa

Foto El Pais

Jornal GGN – O Papa Francisco, em missa matutina, repudiou a intriga como método usado para dividir, na Igreja ou na vida política.
 
Seu tema de homilia foi a unidade, a verdadeira, que realmente une, e a falsa, formada por acusadores. A falsa unidade instrumentaliza o povo para o ódio, e o povo grita sem nem mesmo saber o que diz. E esses ‘dirigentes’ sugerem, e aí proclamam seu próprio desprezo pelo povo pois que o transforma em massa. 
 
Francisco disse mais. Falou da intriga, método em voga, onde se cria condições obscuras para condenar a pessoa, e aí se desfaz a unidade. Como exemplo, o Papa citou “a vida civil, a vida política, quando se quer fazer um golpe de Estado”. Colocou que a mídia começa a falar mal das pessoas, dos dirigentes, “e com a calúnia e a difamação essas pessoas ficam manchadas”. Daí então entra em cena a Justiça, “as condena e, no final, se faz um golpe de Estado”. 

 
Leia a matéria a seguir.

do Vatican News

Papa: evitar a intriga para caminhar na verdadeira unidade

Na missa matutina, Francisco condenou a intriga como método utilizado ainda hoje para dividir, seja na Igreja, seja na vida política.

Debora Donnini – Cidade do Vaticano

Na missa celebrada esta quinta-feira (17/05) na Casa Santa Marta, o Papa Francisco dedicou a sua homilia ao tema da unidade, inspirando-se na Liturgia da Palavra.

Existem dois tipos de unidade, comentou o Pontífice. A primeira é a verdadeira unidade de que fala Jesus no Evangelho, a unidade que Ele tem com o Pai e que quer trazer também a nós. Trata-se de uma “unidade de salvação”, “que faz a Igreja”, uma unidade que vai rumo à eternidade. “Quando nós na vida, na Igreja ou na sociedade civil trabalhamos pela unidade, estamos no caminho que Jesus traçou”, disse Francisco.

A falsa unidade divide

Porém, há uma “falsa unidade”, como aquela dos acusadores de São Paulo na Primeira Leitura. Inicialmente, eles se apresentam como um bloco único para acusá-lo. Mas Paulo, que era “sagaz”, isto é, tinha uma sabedoria humana e também a sabedoria do Espírito Santo, lança a “pedra da divisão”, dizendo estar sendo julgado pela esperança na ressurreição dos mortos”.

Uma parte desta falsa unidade, de fato, era composta por saduceus, que diziam não existir “ressurreição nem anjo nem espírito”, enquanto os fariseus professavam esses conceitos. Paulo então consegue destruir esta falsa unidade porque eclode um conflito e a assembleia que o acusava se divide.

De povo a massa anônima

Em outras perseguições sofridas por São Paulo, se vê que o povo grita sem nem mesmo saber o que está dizendo, e são “os dirigentes” que sugerem o que gritar:

Esta instrumentalização do povo é também um desprezo pelo povo, porque o transforma em massa. É um elemento que se repete com frequência, desde os primeiros tempos até hoje. Pensemos nisso. O Domingo de Ramos é: todos ali aclamam “Bendito o que vem em nome do Senhor”. Na sexta-feira sucessiva, as mesmas pessoas gritam: “Crucifiquem-no”. O que aconteceu? Fizeram uma lavagem cerebral e mudaram as coisas. E transformaram o povo em massa, que destrói.

Intrigar: um método usado também hoje

“Criam-se condições obscuras” para condenar a pessoa, explicou o Papa, e depois a unidade se desfaz. Um método com o qual perseguiram Jesus, Paulo, Estevão e todos os mártires e muito usado ainda hoje. E Francisco citou como exemplo “a vida civil, a vida política, quando se quer fazer um golpe de Estado”: “a mídia começa a falar mal das pessoas, dos dirigentes, e com a calúnia e a difamação essas pessoas ficam manchadas”. Depois chega a justiça, “as condena e, no final, se faz um golpe de Estado”. Uma perseguição que se vê também quando as pessoas no circo gritavam para ver a luta entre os mártires ou os gladiadores.

A fofoca é uma atitude assassina

O elo da corrente para se chegar a esta condenação é um “ambiente de falsa unidade”, destacou Francisco.

Numa medida mais restrita, acontece o mesmo também nas nossas comunidades paroquiais, por exemplo, quando dois ou três começam a criticar o outro. E começam a falar mal daquele outro… E fazem uma falsa unidade para condená-lo; sentem-se seguros e o condenam. O condenam mentalmente, como atitude; depois se separam e falam mal um contra o outro, porque estão divididos. Por isso a fofoca é uma atitude assassina, porque mata, exclui as pessoas, destrói a “reputação” das pessoas.

Caminhar na estrada da verdadeira unidade

“A intriga” foi usada contra Jesus para desacreditá-lo e, uma vez desacreditado, eliminá-lo:

Pensemos na grande vocação à qual fomos chamados: a unidade com Jesus, o Pai. E este caminho devemos seguir, homens e mulheres que se unem e buscam sempre prosseguir no caminho da unidade. E não as falsas unidades, que não têm substância, e servem somente para dar um passo a mais e condenar as pessoas, e levar avante interesses que não são os nossos: interesses do príncipe deste mundo, que é a destruição. Que o Senhor nos dê a graça de caminhar sempre na estrada da verdadeira unidade.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

5 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cafezá

- 2018-05-18 04:36:37

Esse é o maior ensinamento

Esse é o maior ensinamento que já li de um Papa. Salve Francisco, antes que passe a ser vítima também

Fernando J.

- 2018-05-17 23:20:43

Aguardemos

O macho-man Ministro das Relações exteriores romper relações com o Vaticano. 

peregrino

- 2018-05-17 21:25:48

não existe sabedoria maior...

não existe sabedoria maior do que a de um Franciscano........................................

para quem ainda duvida da existência de uma Igreja-Mãe recomendo que leia atendamente até perceber que do que precisamos é de uma Igreja de Verdade, não das verdades de qualquer igreja

Edsonmarcon

- 2018-05-17 19:37:55

Francisco não citou a Globo, nem precisa...

Fábio de Oliveira Ribeiro

- 2018-05-17 19:31:25

O golpe de estado de 2016 com

O golpe de estado de 2016 com a Rede Globo e "com o STF com tudo" já foi considerado INJUSTO pelo Papa. Aguardaremos a excomunhão de todos os envolvidos (jornalistas, donos de empresas de comunicação, juizes, deputados e senadores) na forma do Direito Canônico.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador