‘É a primeira vez que sou impedido de cantar no período democrático’, diz Caetano

Caetano: mal-estar com a proibição e a impressão de que não vivemos em um país democrático (Foto ROBERTO PARIZOTTI / CUT)

da Rede Brasil Atual

‘É a primeira vez que sou impedido de cantar no período democrático’, diz Caetano

Cantor lamentou proibição de show na ocupação do MTST: “Dá a impressão que não é um ambiente propriamente democrático”. Boulos diz que resposta virá nesta 3ª, com marcha até o Palácio dos Bandeirantes

por Vitor Nuzzi, da RBA 

São Bernardo do Campo (SP) – O cantor e compositor Caetano Veloso deixou a Ocupação Povo Sem Medo, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, às 20h45 desta segunda-feira (30), sem conseguir realizar o show anunciado pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST). O motivo foi decisão da juíza Ida Inês Del Cid, da 2ª Vara da Fazenda Pública de São Bernardo.

Dizendo não ser “técnico” em questões legais, Caetano afirmou se sentir mal com a proibição. “Dá a impressão de que não é um ambiente propriamente democrático”, declarou o compositor ao sair da ocupação. “É a primeira vez que sou impedido de cantar no período democrático”, disse ainda. Para o cantor, “uma área urbana não pode ficar sem função social”. 

Para o coordenador do MTST, Guilherme Boulos, a Justiça deveria se preocupar em “pegar a quadrilha que está no poder no Brasil”, em vez de proibir uma apresentação musical. “Hoje aqui em São Bernardo mais uma vez a Constituição brasileira foi rasgada. É um absurdo, é censura, é ilegal. Para muita gente dentro do Judiciário o preconceito vale mais do que a lei. Se eles queriam nos provocar para uma ação violenta não conseguiram. Isso nos dá energia, nos dá ânimo”, afirmou, acrescentando que a “resposta” do movimento será dada nesta terça (31), com marcha logo cedo até o Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, sede do governo estadual. “Uma das maiores marchas dos últimos anos”, adiantou.

Boulos também criticou o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), que segundo o coordenador do MTST apostou no conflito. “Eu não sei o que ele tem na cabeça. Ele age com ranço, com preconceito.” Ele questionou a alegação de falta de segurança. Com 8 mil famílias, segundo o movimento, a ocupação começou há quase dois meses, sem registro de incidentes. 

Com a proibição judicial, os artistas que foram à ocupação participaram de um ato em um pequeno palanque, em uma área mais elevada, perto do barraco da coordenação. Passaram o dia no local as atrizes Sônia Braga, Letícia Sabatella, e Alinne Moraes, além da cineasta e apresentadora Marina Person. Elas também foram à prefeitura e ao Ministério Público tentar a liberação do show.

“A luta de vocês é completamente legítima. E ela tem de continuar”, disse Marina. “Vocês são exemplo para nós”, afirmou Letícia, falando em “esperança, alegria, riqueza, cultura”. “Muito obrigado por nos ensinarem.”

“Amanhã, amanhã”

Acompanhado da produtora Paula Lavigne, sua mulher, e do cantor Criolo, Caetano chegou mais tarde, 20 minutos antes das 19h, horário marcado para o show que acabou não acontecendo. Naquele momento, havia ainda expectativa de que a apresentação fosse realizada. Por volta de 19h15, o deputado estadual Marcelo Freixo (Psol-RJ) saiu para conversar com jornalistas e informou que a liminar seria respeitada. Mas criticou: “As pessoas que tomaram essa decisão sequer tiveram a preocupação de olhar o lugar”. Ele disse estranhar também que a imprensa soubesse da proibição antes dos organizadores.

Minutos depois, Boulos, Caetano e artistas subiam alguns metros em direção ao palanque. Ao microfone, o coordenador do MTST confirmou, então, que não haveria mais show. “Talvez com isso eles pretendessem  que a gente reagisse no mesmo nível e fosse para a agressão com a Guarda Civil ali na frente”, afirmou, criticando a prefeitura, o Judiciário e o Ministério Público. O público começou a gritar “Amanhã, amanhã”. Boulos passou a palavra a Paula Lavigne, que pediu desculpas pelo cancelamento e usou tom conciliador.

“Não estamos aqui para fazer guerra, estamos aqui em missão de paz. A única coisa que eu prometo é que a gente vai fazer esse show”, garantiu. “Estamos aqui, estamos juntos”, prosseguiu Caetano. “Eu já entendi que esta força aqui é o que nos move e nos vai fazer continuar a lutar”, disse Alinne, enquanto a multidão cantava “pisa ligeiro, pisa ligeiro, quem não pode com a formiga não atiça o formigueiro”.

O ato terminou por volta de 20h, com gritos de “Fora Temer” e “Fora Orlando”. Sobre o ato desta terça-feira (31), que sairá de São Bernardo às 6h, Boulos disse que o objetivo é comprar do governo a desapropriação da área em São Bernardo, entre outros compromissos. Da mesma forma, ele espera resultados na reunião marcada para 11 de dezembro, para discutir a ocupação. “Esperamos que quem for chamado para aquela mesa vá com propostas.”

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

25 comentários

  1. É proibido proibir

    “Numa parede de um botequim de Madri, um cartaz avisa: Proibido cantar. Na parede do aeroporto do Rio de Janeiro, um aviso informa: É proibido brincar com os carrinhos porta-bagagem. Ou seja: Ainda existe gente que canta, ainda existe gente que brinca”. – Eduardo Hughes Galeano

    “O homem que não tem a música dentro de si e que não se emociona com um concerto de doces acordes é capaz de traições, de conjuras e de rapinas”. – Shakespeare

     

    “Apesar DESSES RATOS GOLPISTAS
    Amanhã há de ser
    Outro dia
    Eu pergunto a você
    Onde vai se esconder
    Da enorme euforia
    Como vai proibir
    Quando o galo insistir
    Em cantar
    Água nova brotando
    E a gente se amando
    Sem parar”

     

    Chico Buarque

     

    Sônia Braga, eu sou seu fã desde os anos 70. Nem me fale, Tigresa

  2. Estado de exceção implementado pelo próprio Judiciário

    É simplesmente estarrecedora a situação do país causada, em muito, pela odiosa atuação do Poder Judiciário. Multiplicam-se os casos de flagrante desrespeito das leis e da Constituição Federal, por meio de entendimentos puramente arbitrários, sem qualquer amparo no direito posto.

    A decisão inclusive soou cínica quando elogia as qualidades artísticas de Caetano para, a partir disso, dizer que o show não poderia ser realizado por falta de estrutura. Claramente boicotoram a repercussão política que o show teria em prol da causa do MTST.

    A multa cominada para impedir a realização do show, R$ 500 mil reais, é absolutamente fora dos padrões e mostra o afã político da decisão em impedir a apresentação.

  3. Discordo. A juíza não proibiu

    Discordo. A juíza não proibiu o show, ela apenas criou uma censura prévia inconstitucional. Um pecadilho se comparado ao golpe estado que foi dado “Com o STF com tudo”.

    Nossas instituições estão funcionando, mas elas não funcionam mais nos limites da CF/88 que foi rasgada por ladrões com ajuda dos juízes.

  4. No dia 17 de abril de 2016,

    No dia 17 de abril de 2016, com transmissão ao vivo para todo o brasil, encerrou-se o “período democrático”, época em que Dona Zelite & Os Entreguistas aceitaram brincar de faz de conta. Alguém avise ao Caetano, mostre um vídeo com os melhores momentos daquela sessão. Aquela famosa sessão comandada pelo “Somos Milhões de Cunhas” me lembra o início do filme Bananas, de Woody Allen, de alguma maneira.

    • Culpar os Black Blocs pelo golpe jurídico-midiático-parlamentar

      Culpar os Black Blocs pelo golpe jurídico-midiático-parlamentar equivale a culpar a inundação de Nova Orleans pelos crimes contra o patrimônio praticados durante a inundação da referida cidade.

      Tome tento. Mais respeito com os Black Blocs.

  5. medo/intuição/música de qualidade/mobilização

    Do que o sistema dominate tem medo?

    “Conheço um Estado pelas músicas que os governantes dão ao povo”

                                                                                 Platão

     

    Intuitivamente, o sistema que está no topo da pirâmide social sabe que músicas de qualidade são ondas que aumentam a vibração atômica do organismo humano, e com isso, contemplam níveis ideais de neurotransmissores capazes de despertar uma mente do coma da precariedade em que vive.

    Não obstante, a plataforma convencional musical da grande maioria da classe dominante brasileira, desde as grandes lojas comerciais até as propagandas eleitorais, é os ‘jingles’ que apresentam sonoridade de freqüências curtas de essência simples para mitigar o espírito crítico do cliente/eleitor.

     No caso da proibição do show do Caetano na cidade petista de SBC, interinamente tucana, toda essa intercorrência entre politicagem e boa música, pode concretizar uma massa pensadora dentro do povo para uma mobilização eficiente em oposição ao sistema político vigente.

  6. De arbitrio em arbitrio vão matando a Constituição

    O preconceito ao ‘povão’ é palpavel nas decisões. Um prefeito – um prefeito que respeite o conjunto da sua população – cuidaria para que as questões dessa ocupação se passem da melhor maneira possivel.

    No filme de Stanley Kubrick “Gloria feita de sangue” é possivel notar nos diversos” escalão” ou, no caso em questão, patentes das forças armadas, como cada um age conforme seus proprios padrões morais e do meio à qual pertence. Do marechal ao capitão, tem-se então um coronel tentando mostrar a todos o absurdo da guerra e de suas proprias ambições, pouco importando-se com os soldados que morriam feito moscas no front. 

    Se não estamos numa guerra civil [!], estamos numa guerra de relações de poder muito explicita.

    • Peço-lhe desculpas por ter
      Peço-lhe desculpas por ter lhe chateado.Lendo atentamente seus comentários cheguei a conclusão que a senhora é uma brincalhona,ainda sem saber se estou me dirigindo a mesma pessoa.

  7. Solidariedade e riscos

    Toda a solidariedade aos sem tetos. Mas, até o momento, não vi nenhuma análise sobre as condições de segurança oferecidas pelo local para a realização de um show. A mídia não informa se foram providenciadas saídas de emergência , presença dos bombeiros, estintores e outras medidas que são sempre tomadas em locais com apresentações musicais que reunem multidões. Nesse local com habitações improvisadas, os riscos eram maiores, são 8 mil famílias, o que incluim crianças e idosos. Isso sem contar aqueles que, de fora, iriam para lá atraídos por um show gratuíto que também iria afetar a vida dos que, há anos, residem no entorno. Em suas casas, provavlmente, teriam que ouvir a música de Caetano, queiram ou não, gostem ou não.. Me espanta ver a ausência de sensibilidade nesses aspectos não só nos artistas que lá apareceram, mas principalmente no vereador Suplicy. Como senador (votei nele), foi uma descepção. 

    • Tem gente preocupada com a segurança dos Sem-Tetos

      Mas os Sem-Tetos não têm acesso à educação e saúde de qualidade, não tem segurança alimentar, não tem teto, não tem terra. Porque a preocupação com eles não contempla todas essas inseguranças?

      Porque tanta seletividade quanto à segurança dos Sem-Tetos?

      A causa da falta de sensibilidade do Suplicy é você ter votado nele?

  8. Gosto de Caetano Veloso
    É um daqueles maravilhosos ex-hippies que ajudaram a tornar o mundo um lugar melhor de se viver.

    Admiro seu talento, tolero seus excessos, como da vez em que criticou Lula para elogiar Marina e tomou uma carraspana em público da sua mãe.

    Mas o que eu mais gosto é que, como poeta, usa a palavra com uma força infinitamente maior que a sua figura pública. A frase que dá título ao post é suficientemente cortante para despertar os que ainda acham que não houve Golpe.

  9. Menos

    Paula Lavigne comandando a massa:

    “Aqui está o artista, o artista, sem medo de lutar;

    aqui está, o artista, o artista, sem medo de lutar!!!”

    Menos, Paulinha, menos.

    “É a primeira vez que sou impedido de cantar…”

    Um dos maiores poetas da língua mátria, mas não á povo MTST.

    Sônia Braga e Letícia Sabatella, congratulações, o povo brasileiro agradece o apoio e a solidariedade verdadeira e de coração.

  10. Não foi por falta de aviso

    Não foi por falta de aviso Caetano…mas ficastes do lado da esquerda oportunista e burra, que achou que ocuparia o ”vazio” deixado pela tentativa de  varrer com o PT da face da terra. Parece que o tiro saiu pela culatra… A m**** é que estamos todos juntos sendo chutados ladeira abaixo. Mas é ainda pior, se a coisa apertar gente como vc vai morar no exterior e nós ficamos por aqui segurando o rojão.

  11. “Eu vivi o período oficialmente não democrático e não é bom ser

    “Ser impedido de cantar não é bom. Mais que nunca é preciso cantar. Porque há muitas dificuldades”, disse para jornalistas.

    “Eu vivi o período oficialmente não democrático e não é bom ser impedido de cantar.”

    Achei a melhor frase dele nesse caso. Tinha assistido ao vídeo ontem e estranhei em ver que a maioria das mídias antigolpistas não deram o devido destaque a este “detalhe”. Agora vi uma matéria mais completa no El Pais que reproduz esses trechos que podem ser conferidos no vídeo.

    El País:

    https://brasil.elpais.com/brasil/2017/10/31/politica/1509458898_477986.html

    Gostei muito de suas respostas e colocações “sutis”.

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=RDZYHsZXQb4%5D

     

     

     

  12. Caetano Veloso nunca somou
    Caetano Veloso nunca somou nada.Um desagregador de alma pesada.Quem o conhece bem sabe muito bem do que estou falando.Não se controla quando ouve o som do plim plim.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome