Hungria começa a prender imigrantes na fronteira

Jornal GGN – Nesta terça-feira, a Hungria decretou estado de emergência ao longo de sua fronteira com a Sérvia e prendeu 174 imigrantes, dentro de uma nova lei que torna crime a imigração ilegal no país. Uma cerca de 175 quilômetros foi construída pelo governo húngaro na fronteira com a Sérvia, e 900 policiais e 4,3 mil militares foram deslocados para a região.

Viktor Orbán, primeiro­-ministro húngaro, disse que o bloqueio da rota usada por refugiados muçulmanos tem o intuito de “salvar os valores cristãos da Europa”. O ministro sérvio de Relações Exteriores, Ivica Dacic,  criticou o país vizinho, dizendo ser “inaceitável” a atitude do governo húngaro. O Ministério das Relações Exteriores da Hungria disse que o país pretende construir uma cerca anti­imigrante também na fronteira com a Romênia.

Do Estadão

Hungria declara estado de emergência e começa a prender imigrantes na fronteira

Governo húngaro afirma que decisão de bloquear fluxo é uma tentativa de ‘salvar os valores cristãos’ da Europa; novos naufrágios no Mar Egeu matam 22

A Hungria declarou nesta terça-­feira estado de emergência ao longo de sua fronteira com a Sérvia e prendeu 174 imigrantes sob a vigência da nova lei que torna crime a imigração ilegal no país. O governo húngaro ameaçou processar e prender outros que tentarem entrar ilegalmente pela passagem com o país vizinho.

Ao mesmo tempo, o fluxo de pessoas que chegam ilegalmente ao continente não deu sinais de redução e nesta terça­feira mais dois naufrágios de embarcações precárias no Mar Egeu mataram 22 pessoas. A Guarda Costeira turca informou que 211 imigrantes foram resgatados, enquanto mergulhadores retiraram os corpos dos 22 pessoas, entre eles 4 crianças. Uma das embarcações era de madeira.

Um dia após ministros da União Europeia não conseguirem encontrar uma solução substancial para a crise, os líderes da Alemanha, Angela Merkel, e da Áustria, Werner Faymann, fizeram um apelo para que os demais chefes de governo do bloco se reúnam para discutir a crise.

De acordo com a agência Reuters, 174 pessoas foram presas nesta terça-­feira por tentar cruzar a fronteira da Sérvia com a Hungria, que ganhou reforço com as cercas de arame farpado do lado húngaro. O primeiro­-ministro húngaro, Viktor Orbán, afirmou que seu governo decidiu bloquear a rota usada por refugiados muçulmanos para “salvar os valores cristãos da Europa”.

Foi estabelecida uma “zona de trânsito” ao longo da fronteira com a Sérvia. Dentro dessa área, segundo o porta-­voz de Orbán, Zoltan Kovacs, apenas aqueles que já enviaram os papéis para requerer o asilo terão permissão para entrar. Os demais teriam de retornar para a Sérvia.

Na tarde desta terça­-feira, a Hungria disse ter recebido 48 pedidos de asilo na zona de trânsito e rejeitado 13. A atitude do governo húngaro desencadeou uma reação na Sérvia.

O ministro sérvio de Relações Exteriores, Ivica Dacic, considerou “inaceitável” a atitude do país vizinho, segundo a agência Reuters.

Falando da cidade fronteiriça de Horgos, o ministro sérvio do Trabalho, Aleksandar Vulin, afirmou que a situação poderia criar uma “espiral fora do controle”. Ele pediu à Hungria que abra suas fronteiras e permita aos refugiados pedirem asilo dentro de seu território.

Segundo Vulin, os imigrantes continuavam chegando de “todas as direções” e pelo menos mil deles estavam presos em uma “terra de ninguém”. O ministro afirmou que a Sérvia poderia fornecer comida, água e transporte para acampamentos temporários, mas acrescentou que a crise não poderia ser resolvida sem a cooperação da Hungria. Alguns dos imigrantes na fronteira ameaçaram fazer greve de fome e gritavam: “Abram, abram, abram”.

O governo húngaro construiu uma cerca de 175 quilômetros em sua fronteira com a Sérvia para conter a chegada de refugiados e colocou 900 policiais e 4,3 mil militares na região. Este ano, o país registrou mais de 180 mil refugiados que entraram no país de forma ilegal, embora a maioria tenha seguido para Alemanha, Holanda e nações da Escandinávia.

O Ministério das Relações Exteriores da Hungria informou nesta terça-­feira que o país tem planos de construir uma cerca anti­imigrante também na fronteira com a Romênia.

A Áustria, por sua vez, comunicou à Comissão Europeia que a partir da zero hora de quarta-­feira estabeleceria controles em suas fronteiras. O governo tomou a decisão por decreto e a ministra do Interior, Johanna Mikl­Leitner, enviou uma carta à Comissão Europeia explicando que a medida é, em princípio, temporária. A prioridade será resolver o problema nas fronteiras leste e sul, ou seja, com a Eslováquia, Hungria, Eslovênia e Itália.

O tratamento recebido pelos refugiados foi duramente criticado por ONGs de defesa dos direitos humanos, como a Human Rights Watch, para as quais as condições nos centros de amparo são “desumanas”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Parem de falar sobre Hungria!

    É chato ser solidário com aqueles que chutam emigrantes mas A VERDADE é que o problema não é deles.

    E os imigrantes querem ir para a Alemanha, não para a Hungria.

    A questão é que a UE passou uma LEI que diz que imigrantes TEM QUE ser fichados no local de ENTRADA na Europa, ou seja, não podem passar diretamente pela Hungria e ir direto para a Alemanha.

    Quem será que teve a idéia desta lei? Quem será?

     

    Deixe quem lucrou com as causas do exodo, lidar com o exodo! A Hungria não tem nada a ver com issoe é só cortina de fumaça para as verdadeiras FRONTEIRAS FECHADAS!

    Afinal de contas, eles estão lá na Hungria, não estão?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome