Justiça mantém sargento réu por torturas na Casa da Morte

Antônio Waneir Pinheiro de Lima é acusado de sequestro, cárcere privado e estupro de Inês Etienne Romeu, sobrevivente de um dos piores centros de tortura da ditadura do regime militar

Sargento Antônio Waneir Pinheiro de Lima, réu por sequestro, cárcere privado e estupro - Foto: Reprodução

Jornal GGN – Acusado de sequestro, cárcere privado e estupro de Inês Etienne Romeu, sobrevivente de um dos piores centros de tortura da ditadura do regime militar, a segunda instância recebeu a denúncia contra o sargento reformado do Exército, Antônio Waneir Pinheiro de Lima.

Conhecido como “Camarão”, o sargento praticou torturas contra Inês na Casa da Morte, em Petrópolis, Rio de Janeiro. Ela é a única sobrevivente, passando 96 dias no centro de tortura mantido pelo Exército durante a ditadura, em 1971. Inês Etienne Romeu morreu em 2015, aos 72 anos.

Nesta segunda (01), o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) recebeu a denúncia por sequestro, cárcere privado e estupro contra o sargento. Desde 2019, ele já era réu pelo TRF-2, mas ontem o tribunal negou um recurso da defesa do militar, mantendo-o réu.

Assim como todos os crimes cometidos na ditadura, a Procuradoria destaca que “os crimes de lesa-humanidade são imprescritíveis, de acordo com a legislação internacional internalizada pelo ordenamento jurídico pátrio”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora