No RJ, 26 menores foram recolhidos pela PM no domingo

Jornal GGN – Neste domingo (27), a Polícia Militar abordou 26 menores que estava a caminho da praia e os levou para abrigos da Prefeitura carioca. Em Copacabana, sete menores foram recolhidos, e outras duas pessoas foram presas por porte de arma branca. No Leblon, outros 13 menores foram recolhidos e uma pessoa foi detida também por porte de arma branca.

Segundo a Secretaria de Desnevolvimento Social, crianças com até 11 anos e 11 meses que estejam desacompanhadas, sem documentos e sem dinheiro serão direcionadas para unidades de acolhimentos, onde permanecerão até a chegada dos pais ou responsáveis. Menores com 12 anos ou mais que estejam matriculados na escola não são considerados em situação de vulnerabilidade. 

Do O Globo

 
Aqueles que estavam em situação de vulnerabilidade foram encaminhados para abrigos da prefeitura

No segundo dia da Operação Verão, 26 menores que estavam a caminho da praia foram abordados e levados para abrigos da Prefeitura, de acordo com a Polícia Militar.

Em Copacabana, foram sete os menores recolhidos para abrigos. Edgar da Mota Silva, 29 anos e José Lucas Moreira da Silva, 20 anos, foram presos por porte de arma branca e encaminhados para a 12ª DP. No Leblon, 13 menores foram acolhidos para abrigo. William de Jesus de Melo, de 28 anos, foi detido, também por porte de arma branca, e encaminhado para 14ª DP. Na área do 5º BPM (Centro), foram seis os acolhimentos.

De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria municipal de Desenvolvimento Social, crianças com até 11 anos e 11 meses que estejam desacompanhadas, sem documentos de identificação e sem dinheiro são direcionadas para unidades de acolhimento, onde ficam até a chegada dos seus pais ou responsáveis. Para a Secretaria, menores com 12 anos ou mais que estejam matriculados na escola e não apresentem problemas de saúde, mesmo que não portem documento e não tenham dinheiro, não são considerados em situação de vulnerabilidade.

Operação ao longo do dia

Uma blitz posicionada em frente à Praça da República, na Avenida Presidente Vargas, no Centro do Rio, recolheu seis menores, entre 8 e 11 anos, em situação de vulnerabilidade, tentando chegar à praia em um ônibus da linha 474 (Jacaré – Jardim de Alah) neste domingo. De acordo com o soldado Costa, que chefiou o bloqueio, as crianças, que não pagaram a passagem, seguiam desacompanhadas para a praia. O grupo estava sentado na parte de trás do veículo e fingiu dormir quando o ônibus foi parado no bloqueio.

Um dos meninos disse que todos moram na comunidade do Jacaré, na Zona Norte. Ele exibia uma nota de R$ 10 e argumentava que eles não estavam desassistidos.

— Meu tio deu dinheiro para gente ir para à praia, ó — disse o menino de 11 anos, que se dissse responsável pelos amigos.

O grupo foi levado para um centro de triagem em Laranjeiras, onde os responsáveis serão chamados. Os policiais, que já abordaram cerca de 15 ônibus, vão manter a blitz até as 21h.

No Arpoador, quatro adolescentes entre 12 e 15 anos foram apreendidos pela Polícia Militar por volta das 16h. O mais novo já foi levado para a delegacia, há cerca de um mês. Na época, ele confessou que foi à praia para cometer roubos, segundo um policial que o reconheceu.

Neste domingo, os jovens foram encontrados sem dinheiro, sem documentos e sem os responsáveis. A PM aguarda a chegada de assistentes sociais para analisar a situação do grupo.

– A polícia vê a situaçlão que ela entende, em tese, como vulnerável e depois a assistência social confirma ou não e faz, dali para frente, efetivamente o que tem que ser feito. O que eu acho mais triste é ver as crianças sem os responsáveis, as vezes de 8 anos, é difícil de compreender. Estamos trabalhando integrados com a secretaria de Desenvolvimento social, de forma bastante criteriosa, para diminuir qualquer possibilidade de dano – comentou o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame. 

Na blitz na Avenida Afrânio de Melo Franco, no Leblon, 13 menores, com idades entre 10 e 14 anos, foram recolhiodos e encaminhados para a secretaria de Desenvolvimento Social porque estavam sem os responsáveis, sem documentos, sem dinheiro e não pagaram passagem.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

9 comentários

  1. Aposto que são quase todos

    Aposto que são quase todos mulados ou negros. O Rio de Janeiro continua lindo… e agora está sendo novamente branqueado.

  2. é difícil acreditar que estou

    é difícil acreditar que estou lendo sobre a “doutrina da vulnerabilidade”, presente no código de menores (para incriminar/”recolher” os meninos e as meninas pobres) e cassada com advento do ECA. depois que um parlamentar (?) se fundamentou na eugenia para matar pobres antes de nascerem, o que mais veremos? desgraça!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome