Nota de denúncia: mais um assassinato de liderança indígena em Rondônia

Ari Uru Eu Wau Wau vinha sofrendo ameaças de morte pela sua atuação em defesa do território. Denúncias vinham sendo feitas desde 2019

Desde o ano passado, várias denúncias foram feitas aos órgãos responsáveis pela proteção e fiscalização dos territórios indígenas e nenhuma providência foi tomada para a retirada dos invasores. Foto: Associação Kanindé

No dia 18 de abril de 2020, no território Uru Eu Wau Wau, foi encontrado brutalmente assassinado o indígena Ari Uru Eu Wau Wau, com sinais de pauladas na cabeça. A princípio, a polícia local qualificou o caso como acidente, mas com o resultado da necrópsia, foi constatado que o indígena veio a óbito em consequência de pauladas que sofreu na cabeça, descartando a hipótese inicial de acidente.

O indígena Ari Uru Eu Wau Wau era professor e primo de outra liderança, Awapu Uru Eu Wau Wau que, no ano passado, sofrera ameaças de morte; até o momento, nenhuma providência foi tomada com relação às ameaças ao primo, uma vez que as autoridades alegaram não ter provas suficientes. Segundo informações, da Associação Kanindé, Ari Uru Eu Wau Wau vinha sofrendo ameaças por parte de madeireiros, incomodados com a presença de Ari e seu irmão, que faziam ações de fiscalização e proteção de seu território por conta própria, devido à omissão do poder público em fazer esse trabalho.

Desde o ano passado, várias denúncias foram feitas aos órgãos responsáveis pela proteção e fiscalização dos territórios indígenas – Funai, Polícia Federal e Ministério Público Federal, e nenhuma providência foi tomada para a retirada desses invasores. O território do povo Uru Eu Wau Wau é regularizado, com a extensão de 1.867,117 hectares, através de muita luta, sendo sistematicamente invadido principalmente por madeireiros. As invasões continuam a acontecer em 2020, agravadas pela pandemia do Coronavírus, que tem impedido que servidores dos órgãos de proteção façam seu trabalho. O povo encontra-se ainda mais apreensivo; como se não bastassem as invasões, agora temem que outra tragédia ocorra, pelos riscos de possível contaminação pela Covid-19, o que resultaria no genocídio deste povo.

No estado de Rondônia existem vários territórios indígenas sofrendo sucessivas invasões; além do território Uru Eu Wau Wau, o território do povo Karipuna já foi alvo de várias invasões, sendo denunciado pelos indígenas. A falta de fiscalização pelos órgãos responsáveis, associado ao discurso de ódio e de morte disseminado pelo próprio presidente da República, acabam por fazer com que os invasores se sintam autorizados a agir de forma ainda mais violenta, visando ao extermínio dos povos indígenas e utilização de seus territórios para os grandes empreendimentos (agronegócio, madeireiras, mineradoras, entre outros). Grupos de alto escalão estão envolvidos por detrás destas invasões, que acabam por ceifar a vida de lideranças que lutam pela garantia e proteção da sua cultura e de seus territórios.

Lideranças e familiares de Ari, relatam que o povo está aterrorizado, com medo devido a situação que estão vivendo, com ameaças, e assassinatos que ficam impunes, sem que nenhuma providência dos órgãos públicos seja tomada. Mesmo assim pede providencias aos órgãos responsáveis.

O Conselho Indigenista Missionário – Regional Rondônia, vem denunciar mais esta violência contra os povos indígenas e a política genocida que vem sendo aplicada contra eles pelo governo federal e órgãos de defesa e proteção, e também exigir investigação séria e punição dos culpados por mais esse crime hediondo.

O Cimi vem também se solidarizar com os familiares, amigos e parentes do professor Ari Uru Eu Wau Wau pela sua dolorosa perda. Seguiremos em apoio às justas lutas dos povos indígenas, denunciando e exigindo o pleno cumprimento de seus direitos especificados na Carta Magna de 1988.

Porto Velho, 19 de abril de 2020

Vida plena aos Povos Indígenas!

Conselho Indigenista Missionário – Regional Rondônia

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome