O alto preço pago pelas crianças vítimas de conflitos

Jornal GGN – A representante do Secretário Geral para Crianças e Conflitos Armados, Leila Zerrougui, pediu hoje ao Conselho de Segurança da ONU que coloque as crianças no centro de todas as decisões relacionadas com a paz e a segurança.

Durante um debate aberto sobre este assunto, Zerrougui assinalou que, na maioria dos conflitos, as crianças são um alvo e são utilizadas com este propósito, e são vítimas em suas casas, nas escolas, nos hospitais e até mesmo quando elas tentam fugir.

“Por tudo isso, nós e também o mundo, espera tanto do Conselho de Segurança. É por isso que este órgão pode e deve colocar as crianças no centro de todas e de cada uma das ações que tome relativas à paz e à segurança, desde acordos de paz, até o envio de missões e responsabilidades por crimes”, declarou Zerrougui.

Durante sua intervenção, destacou que mais de quinhentas crianças palestinas perderam a vida na última ofensiva israelense em Gaza e mais de 3 mil ficaram feridas ou mutiladas, a maioria menores de 12 anos.

Também lembrou das atrocidades do grupo radical Estado Islâmico, no Iraque e Síria, que utiliza menores como combatentes e, inclusive, como terroristas suicidas, ou de Boko Haram, cujos ataques a escolas causaram em 2013 a morte uma centena de crianças e de 70 professores, e a isto se somam os sequestros de mais de 200 meninas no noroeste do país.

Zerrougui afirmou que esses conflitos e os que têm lugar na Síria, na República Centro-Africana, Líbia ou Sudão do Sul, entre outros, são lugares, são exemplos de graves violações dos direitos das crianças e instou a acabar com a impunidade desses crimes.

A representante da ONU pediu que se inclua a questão das crianças vítimas de conflitos nos processos e acordos de paz, pois eles são o futuro da sociedade.

“Uma paz duradoura nunca será alcançada sem dar aos menores os meios, a capacidade e a educação para que a sociedade e as instituições afetadas por um conflito se recuperem”, afirmou.

Durante a sessão, também fizeram intervenções o responsável pelas Operações de Manutenção da Paz, da ONU, Hervé Ladsous; a diretora executiva adjunta da UNICEF, Yoka Brandt; e o ator Forest Whitaker, enviado especial da UNESCO para Paz e Reconciliação, entre outros.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora