O ex-babaca, por Ivan Martins

Sugerido por Gunter Zibell – SP

Da Revista Época
 
 
Um dia você descobre, feliz, que tem simpatia pelos casais gays
 
IVAN MARTINS
 
O mundo como era antes está encolhendo. Onde eu vivo, você levanta de manhã, vai à padaria, e dois garotos trocam um selinho no balcão à sua frente, às 8 horas da manhã. Ou você vai à festa de aniversário de uma amiga e ela apresenta a todos a namorada dela. Não é mais uma tremenda exceção.
 
Diante dessas novidades, que estão por toda parte, nós somos convidados a escolher diariamente. Podemos rejeitar como coisa imoral ou anormal, ou podemos aceitar e abraçar, como parte de uma existência mais livre para todos.
 
Não se trata de uma escolha trivial.
 
Rejeitar casais gays significa recusar alternativas às formas de relacionamento tradicionais. Isso quer dizer que a maioria das pessoas poderá viver seus amores e suas paixões à luz do dia, nas ruas, diante da família e dos amigos, e que um grupo menor – mas, ainda assim, enorme de pessoas – terá de manter relações clandestinas, como se fossem criminosas, sujeitas aos riscos e tristezas de uma existência invisível, à margem da sociedade.

 
No fundo, temos de decidir, intimamente, se as pessoas que sentem diferente de nós têm direito a serem felizes como nós. O mundo ao nosso redor já tomou essa decisão faz algum tempo, na forma de leis e costumes cada vez mais liberais, que permitem às pessoas viverem como quiserem. Mas isso não muda o fato de que cada um de nós tem de decidir, sozinho ou sozinha, como se sente diante dessa nova realidade.
 
Ontem, ao pensar sobre isso, me lembrei do Nelson Rodrigues.
 
>> Mais colunas de Ivan Martins
 
Ele escreveu, provavelmente no final dos anos 60, uma crônica famosa sobre escolhas morais. Chama-se O ex-covarde. Nela, denuncia a pressão intelectual dos grupos de esquerda que, naquela época de resistência ao golpe militar, eram muito influentes entre os jovens e os intelectuais. Nelson esbraveja pelo seu direito de ser reacionário e anticomunista, de pensar contra a maré. Diz que aos 50 e tantos anos, depois de muito sofrer, perdeu o medo dos jovens e dos comunistas. Por isso pode mandá-los às favas, porque é um ex-covarde.
 
Ao reler esse texto famoso, ontem à noite, eu me senti, por analogia, um ex-babaca.
 
Aos 53 anos, me sinto, finalmente, parte do movimento que abraça a mudança. Os jovens gays me provocam simpatia equivalente à antipatia de Nelson pelos jovens comunistas. As opiniões e o comportamento se movem numa direção que eu, de modo geral, aprovo. Vão ficando para trás as barreiras emocionais que me impediam de conviver com naturalidade com casais de mulheres ou de homens. As escolhas sexuais ou afetivas dos outros não mais me incomodam, ao menos de uma forma que eu perceba. Por isso é possível respeitá-las. Acho essa uma grande conquista pessoal, e por isso me sinto um ex-babaca.
 
Ao contrário de mim, muita gente, continua carregando sentimentos dúbios sobre as relações homossexuais. Elas não se sentem à vontade para criticar abertamente, mas, quando têm a chance, emitem opiniões negativas sobre o assunto.
 
Outro dia, fiz na ÉPOCA uma reportagem com Daniela Mercury e a mulher dela, Malu Verçosa, e fiquei espantado com os comentários que as pessoas deixaram no site. De nove comentários, apenas um era positivo. Não havia nada grosseiro ou agressivo, mas o tom geral era de ironia e condescendência. “Cada um no seu quadrado, só não venham dizer que é normal”, dizia um deles. Se não é normal duas mulheres se gostarem seria o quê – doença?
 
Nelson Rodrigues morreu em 1980, aos 68 anos. Se ainda estivesse vivo, talvez produzisse textos virulentos (e tremendamente bem escritos) contra os casais homossexuais, notórios e anônimos. Ele era, afinal, um conservador brilhante – que estaria errado.
 
Uma coisa é opor-se a ideologias políticas que têm o poder de interferir com a vida pública, como o socialismo ou neoliberalismo. Outra coisa é atacar as escolhas privadas das pessoas. Se elas vão se casar com homens ou com mulheres é problema delas. Essa é uma medida universal de civilidade. Quem se insurge contra o “politicamente correto”, achando que tem direito de dizer o que quer sobre a vida dos outros, em geral exibe seus preconceitos. O mundo com sete bilhões de seres humanos precisa de ideias melhores. Tolerância. Compreensão. Empatia. Com elas, é possível dar bom dia aos rapazes que namoram na padaria sem se sentir agredido. Ou abraçar, contente, a amiga que comemora seu aniversário com a namorada. O melhor jeito de ser feliz é permitindo que os outros também sejam.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora