Início Análise Por uma cultura de segurança digital para jornalistas, por Ricardo José Torres

Por uma cultura de segurança digital para jornalistas, por Ricardo José Torres

Profissionais que desenvolvem investigações sobre temas sensíveis enfrentam possibilidades de intervenção relacionadas à vigilância das comunicações, interceptação e armazenamento de dados pessoais, e a intrusão em ações jornalísticas no ecossistema digital.

Créditos: slidesgo / Freepik

da objETHOS

Por uma cultura de segurança digital para jornalistas

por Ricardo José Torres

Em 11 de maio de 2020 defendi minha tese de doutorado no Programa de Pós-Graduação em Jornalismo (PPGJOR). Nesse comentário abordo brevemente alguns aspectos do trabalho que desenvolvi ao longo dos últimos quatro anos. Os resultados alcançados corroboram com a hipótese de que no contexto atual, de vigilância comunicacional em meios digitais, jornalistas investigativos precisam ter um senso permanente de sua vulnerabilidade e devem adotar medidas de segurança digital.

Em um contexto nocivo para a prática jornalística, os profissionais que desenvolvem investigações sobre temas sensíveis enfrentam possibilidades de intervenção relacionadas à vigilância das comunicações, interceptação e armazenamento de dados pessoais, e a intrusão em ações jornalísticas no ecossistema digital. Para identificar potencialidades e vulnerabilidades desse ecossistema examinei ações que envolvem o jornalismo investigativo, identifiquei casos concretos e ações jornalísticas relacionadas às diferentes formas de vigilância digital, entrevistei jornalistas e apliquei questionários.

A pesquisa aborda ações que estão sendo desenvolvidas, assim como lacunas e problemáticas que envolvem a vigilância digital, o vazamento de dados e o acesso às novas fontes de informação no ambiente digital. São identificadas práticas jornalísticas relevantes em matéria de vigilância das comunicações, aspectos negligenciados pelos jornalistas, ferramentas e condutas para minimização da intrusão comunicacional, e apresentadas inúmeras percepções e experiências que demonstram a relevância do tema e a necessidade de uma cultura de segurança digital para jornalistas a partir de medidas de contravigilância.

Ao explorar as particularidades da relação entre o jornalismo e a vigilância, emergem os elementos de tensão entre o papel de vigilante dos jornalistas na sociedade e o fato de estarem sendo vigiados. Para tratar disso desenvolvi a noção de “jornalismo vigilante”, que evidencia as características particulares da atuação dos profissionais diante da vigilância massiva dos meios digitais por governos e corporações. Também formulei uma equação simplificada para situações de exposição e vulnerabilidade iminentes que envolve três elementos (riscos digitais = ameaças digitais x vulnerabilidades digitais/capacidades digitais).

A partir de quatro etapas distintas que, em síntese, contemplaram o desenvolvimento de uma pesquisa exploratória e revisão bibliográfica, verificação de registros indicados em relatórios de agressões e ataques a jornalistas, entrevistas em profundidade com seis profissionais e aplicação de uma survey que contou com a participação de mais de 70 jornalistas, o estudo demonstra mudanças na investigação jornalística no ambiente digital e a necessidade de apropriação de novos métodos.

Dentre as inúmeras vulnerabilidades apontadas, destacam-se o desconhecimento sobre as possibilidades de vigilância, a desinformação sobre as formas de mitigação de riscos, a exposição digital voluntária e involuntária dos profissionais e de suas investigações. As potencialidades evidenciadas foram: as possibilidades de compartilhamento de informações e colaboração, a facilidade de acesso a distintas formas de comunicação digital e a disponibilização de bancos de dados que subsidiam a apuração.

A percepção dos jornalistas vigilantes

Ao mesmo tempo em que os profissionais percebem que os seus dados estão expostos, eles destacam a necessidade essencial de preservar essas informações, suas comunicações e fontes. A maioria dos participantes da pesquisa expressou preocupação com a possibilidade de vigilância das comunicações digitais. Como aponto no estudo, essa percepção pode se desdobrar em formas de cerceamento e constrangimento com consequências significativas nas abordagens e na revelação de informações de interesse público.

As formas de vigilância onipresentes geram consequências políticas que podem ter grande alcance e impacto. A vigilância digital não é um fator remoto, mas uma realidade que afeta diretamente o trabalho de jornalistas, particularmente os que abordam temas sensíveis. Ao mesmo tempo, as comunicações e ferramentas digitais são cada vez mais importantes para a apuração jornalística e a segurança digital se apresenta como uma necessidade urgente e crucial.

A pesquisa demonstra uma paisagem crítica para atuação dos jornalistas e aborda problemáticas como a “vigilância digital odienta”, que trata das ameaças e constrangimentos que emergem das possibilidades comunicacionais e interativas disponibilizadas pelo ambiente digital demonstrando que essa prática afeta os jornalistas e consequentemente o trabalho que desenvolvem. Desdobramentos danosos e consequências nocivas desses episódios estão sendo desconsiderados ou precariamente delineados. Atualmente, essa modalidade de ataque pode ser considerada uma forma de limitação e controle da atividade jornalística.

Destaca-se o alto índice de desconhecimento das possibilidades de mitigação de riscos digitais apontado na pesquisa. Esse fator demonstra a necessidade de disseminação dos recursos oferecidos por esse tipo de capacidade para atuação em ambientes digitais nocivos. Abordagens e técnicas para proteção e mitigação da vigilância digital apresentam-se como uma necessidade. Os resultados alcançados apontam que a falta de acesso às informações e aos conhecimentos relacionados aos riscos e às possibilidades digitais é a principal vulnerabilidade enfrentada pelos jornalistas na atualidade.

Em breve a tese estará disponível aqui no site do objETHOS e no repositório da Biblioteca Universitária da UFSC.

Ricardo José Torres – Doutor em Jornalismo pelo PPGJOR e pesquisador do objETHOS

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

GGN