Prefeitura de São Paulo comemora queda de 20% nas mortes no trânsito

Jornal GGN – A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) divulgou o monitoramento das mortes no trânsito na cidade de São Paulo no ano de 2015. A queda no número de ocorrências fatais foi de 20,6% na comparação com 2014. De acordo com a companhia “257 vidas foram salvas”.

Ao todo, foram registrados 992 óbitos no trânsito no ano de 2015. O número ainda é assustador, mas a redução é significativa. Em 2014 foram 1.249 óbitos.

Uma das reduções mais expressivas foi no número de mortes de ciclistas. A queda foi de 34% na comparação com 2014. Ao too, em 2015 foram 31 acidentes fatais, contra 47 em 2014. Para a Prefeitura, o motivo da redução foi a ampliação da infraestrutura cicloviária na cidade, que teve um incremento de 288,8 km só na gestão atual, chegando a 385,4 km. Isso “garante mais segurança aos ciclistas, que passam a circular em vias segregadas”.

As mortes de motociclistas também apresentaram queda. Em 2015, foram 15,9% menos casos do que em 2014. No total, a cidade ainda registrou 370 acidentes com vítimas fatais. Mesmo assim, menos do que os 440 do ano anterior.

O mais importante nesse caso, é que a curva vinha registrando um crescimento e agora apresenta queda. Em 2013 havia sido 403 casos.

“A redução é resultado de um trabalho realizado pela CET para garantir a segurança dos motociclistas, ampliando a fiscalização e melhorando a sinalização, como a implantação da Frente Segura, que destina às motocicletas espaços de parada na frente dos cruzamentos semafóricos, diminuindo o deslocamento em corredor”, disse a Prefeitura em nota.

O número de mortes de pedestres caiu 24,5%. 2015 se encerrou com 419 casos contra 555 de 2014. As ocorrências fatais envolvendo motoristas e passageiros também tiveram queda, de 16,9%. Foram 172 mortes em 2015, ante 207 casos em 2014.

A meta da Organização das Nações Unidas para o período conhecido como a “Década de Segurança Viária” é de no máximo 6 mortes a cada 100 mil habitantes até 2020. Em dezembro do ano passado, São Paulo conseguiu um índice de 8,26 mortes por 100 mil habitantes. Em dezembro de 2014, o índice era de 10,47.

No Brasil, o índice de mortes no trânsito é de 23,40 por 100 mil habitantes, no estado de São Paulo é de 17,40 e na região metropolitana de 19,40.

Além das ciclofaixas e espaços exclusivos para motociclistas nos semáforos, a gestão atual adotou a redução do limite de velocidade do viário urbano como uma das principais políticas públicas de proteção da vida. Apesar dos bons resultados, a solução é bastante criticada na mídia e pela população em geral. Tanto que o candidato tucano João Dória Júnior adota como lema o slogan “acelera SP”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

4 comentários

  1. Mas se a prefeitura de SP

    Mas se a prefeitura de SP resolver decidir diminuir para 30 km/h a velocidade máxima dos veículos, vai reduzir ainda mais as mortes.

    E se resolver passar para 10 km/h a velocidade máxima, possivelmente acabarão as mortes no trânsito.

    Tudo é uma questão de escolha.

  2. Já vejo a manchete do UOL

    Como o UOL dará a notícia? Fácil:

     

    Haddad inverte curva de sobrevida em acidentes de trânsito.

    E logo abaixo:

    Curva mortal tem declive acentuado e inesperado. Motoristas questionam a administração petista.

     

  3. Queria poder comemorar, mas…

    … é uma boa medida que corre sério risco de ser invalidada com a eleição de João Dória.

    Até setembro, o PiG vai dar um jeito de colar um escândalo no competente prefeito Fernando Haddad.

    E, mesmo que não consiga, o ruído das panelas dos bairros “chics” pode dar conta do serviço por si só, infelizmente…

    Mas fica uma pergunta: será que Dória vai usar um dublê pra fazer propaganda na favela?

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome