Home Editoria Cidadania Prefeitura havia pedido interdição do CT do Flamengo em 2017

Prefeitura havia pedido interdição do CT do Flamengo em 2017

4
Prefeitura havia pedido interdição do CT do Flamengo em 2017
Um incêndio no centro de treinamento do Flamengo, na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro, deixou dez mortos - Foto: ABr

Da Agência Brasil

A prefeitura do Rio informou na noite desta sexta-feira (8) que emitiu um edital de interdição do Centro de Treinamento (CT) do Flamengo no dia 20 de outubro de 2017. Na madrugada desta sexta-feira, dez atletas das categorias de base do time morreram em um incêndio no CT. O município informou também que, por não possuir alvará de funcionamento, a Secretaria de Fazenda lavrou quase 30 autos de infração contra o Clube de Regatas do Flamengo em pouco mais de um ano.

O Centro de Treinamento do Vasco da Gama e do Fluminense Futebol Clube também funcionam sem alvará de licenciamento para edificações, segundo a prefeitura.

Segundo a nota da prefeitura, o Centro de Treinamento George Helal, conhecido como Ninho do Urubu, tem a atual licença com validade até o dia 30 de março deste ano. A área de alojamento dos atletas das categorias de base, distribuída em seis contêineres, totalmente destruídos pelo incêndio, “não consta do último projeto aprovado pela área de licenciamento, em 5 de abril de 2018, como edificada”.

A prefeitura explica que, em nenhum pedido feito pelo Flamengo, existe a presença de um alojamento na área. No projeto protocolado na Secretaria de Urbanismo, “a área está descrita como um estacionamento de veículos e não como um alojamento de atletas de base do clube”.

A nota esclarece que não há registros de novo pedido de licenciamento da área para uso de dormitórios e que na área de alvará de funcionamento há registro de pedido de setembro de 2017. A consulta prévia foi deferida pela prefeitura, mas exigidos, conforme determina a legislação, os documentos necessários para a obtenção do alvará de funcionamento, “mas o certificado de aprovação do Corpo de Bombeiros não foi apresentado, portanto, o alvará não foi concedido”.

A prefeitura diz ainda que “diante de tudo acima listado, o município vai determinar a abertura de um processo de investigação para apurar as responsabilidades no caso do incêndio ocorrido hoje”.

Vasco

Na nota, a prefeitura do Rio diz que não existe registro de pedido de licenciamento para edificações para o Centro de Treinamento do Vasco da Gama, conhecido como CT das Vargens, localizado na Vargem Grande. O que existe é um pedido de licenciamento de um loteamento feito em 2014.

“Do ponto de vista de alvará, não há registro de pedido de alvará para a unidade. Por conta disso, a Secretaria Municipal de Fazenda decidiu acionar as gerências responsáveis para realizar fiscalização e tomar as devidas providências legais”, diz a nota

Fluminense

Quanto ao Centro de Treinamento do Fluminense, conhecido como CT Pedro Antônio, instalado em Xerém, distrito de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, a prefeitura diz que existe um registro de licença de obras, com validade até 23 de outubro de 2019.

O CT do Fluminense, segundo a nota, também não tem registro de pedido de alvará e a Secretaria Fazenda do Rio realizará fiscalização para tomar as medidas legais devidas.

O Flamengo, Vasco e Fluminense foram procurados para comentar a nota da prefeitura mas, até a publicação da matéria, não retornam à reportagem.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

4 COMMENTS

  1. É sempre a mesma ladainha. A fiscalização vem depois do ocorrido.
    O que existe,na verdade,é uma”proibição” de se fiscalizar e tomar as devidas providências,inclusive judiciais,se for o caso,de determinados infratores,entre eles,grandes clubes de futebol,igrejas,shoppings,indústrias,grandes comércios etc,etc.
    Tudo isso ocorre diante do nariz de todos nós e nada fazemos,a não ser criticar a famosa indústria das multas,esquecendo que a verdadeira indústria é a das infrações.
    Enquanto não nos acostumarmos a seguir as normas e as leis continuaremos sempre comentando como o caos poderia ter sido evitado mas,sempre partindo para uma nova tragédia.

  2. Deixando de lado o amor, a paixão e/ou fanatismo pelo clube de futebol, do qual se é um torcedor, e pela própria instituição esportiva da futebol, eu penso que o texto ” Os meninos não morreram por falta de alvará, foi o dinheiro” de Fernando Brito toca com a intensidade merecida, na escandalosa e gananciosa orgia que milionárias, e até bilionárias, negociatas entre clubes, empresários, empresas, federações, mídias e até alguns governos tramam, participam, incentivam e fazem vista grossa. Uma das justificativas da prefeitura por não de ter interditado o CT do Flamengo foi que não tem poder de polícia. Porém, quando lhe interessa e/ou quando também interessa a grupos poderosos, ela é a primeira a convocar forças policiais e judiciais para desapropriar pobres em favor da ganância dis ricos. Todas as convocações, iniciadas pela prefeitura estão em arquivos doa principais jornais e na própria Internet. Portanto, além de ser uma espécie de réu confesso da sua completa omissão e da covardia em não querer assumir sua parte de co-responsável nesta tragédia, ela subestima a inteligência de todos nós agravando ainda mais a sua irresponsável e inconfiável forma de fiscalizar e impor autoridade ao que a sua fiscalização constatou que além de ilegal representava uma situação de perigo.

  3. A culpa por não ter evitado esta tragédia com os meninos no CT do Flamengo , nunca mais sairá da memória e do coração dos brasileiros. É responsavel a prefeitura do Rio que não impediu sua ocupação . É responsavel a diretoria do clube por ter permitido que crianças ficassem em situação de total vulnerabilidade dentro de conteiners . Um absurdo. Tem que pagar caro por tamanha displiscência. Que Deus olhe por estas familias que perderam seus entes queridos .

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Sair da versão mobile