Tortura Nunca Mais, Tortura é Crime

Para além da agressão a uma mulher que sempre demonstrou coragem e fibra para lutar pela democracia contra um regime que torturava e matava, as declarações do presidente também ofendem e desrespeitam a memória de milhares de brasileiros

do Núcleo Memória

Tortura Nunca Mais, Tortura é Crime

no Instagram

O Núcleo de Preservação da Memória Política vem a público neste final de ano diante da responsabilidade em se manifestar após declaração proferida pelo atual ocupante da cadeira da Presidência da República e que diretamente desrespeita a ex-Presidenta Dilma Roussef, vítima das mais brutais torturas cometidas pelo regime ditatorial instaurado por golpe de Estado em 1964. Para além da agressão a uma mulher que sempre demonstrou coragem e fibra para lutar pela democracia contra um regime que torturava e matava, as declarações do presidente também ofendem e desrespeitam a memória de milhares de brasileiros – e suas famílias – desaparecidos, torturados e assassinados sob um cenário político ditatorial marcado por ataques sistemáticos à população civil que desejava o retorno à democracia.

Mais do que a infâmia presente em mais uma manifestação que defende a tortura e a ruptura com os direitos humanos reconhecidos pela Constituição da República de 1988 e pelas normas e organizações internacionais às quais o Estado brasileiro aderiu, esta nova declaração busca desviar a atenção nacional para o fracasso do atual governo no enfrentamento à COVID-19.

O negacionismo sobre a ditadura de 1964, bem como sobre os crimes contra a humanidade cometidos no período implicam na defesa da morte, assim como privar a população brasileira do acesso à vacinação sob a atual pandemia, também traduz a mais flagrante execução de uma necropolitica que, segundo os dados oficiais, conduzirá o Estado brasileiro à marca de 200.000 mortos, em breve.

O Núcleo Memória solidariza-se, pois, com a ex-Presidenta Dilma Roussef, com as famílias das vítimas da ditadura civil-militar de 1964, assim como com as famílias das 191.570 vítimas que perderam suas vidas devido à pandemia em nosso país, segundo dados informados pela Reuters.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora