Washington Post: Negligenciadas pelo governo, as favelas do Brasil organizam sua própria luta contra o coronavírus

Isoladas dos serviços governamentais, as comunidades informais muitas vezes criaram instituições paralelas – incluindo correio, Internet e sistemas de saneamento – e complementaram os fracos sistemas de saúde e educação.

(Rafael Vilela for The Washington Post)

do Washington Post

Negligenciadas pelo governo, as favelas do Brasil organizam sua própria luta contra o coronavírus

Marina Lopes | Washington Post

Quando a presidente da Viela da Harmonia caminha pela rua, seus eleitores tomam nota. Um vizinho idoso precisa de mantimentos. Uma mãe está procurando fraldas. Outra família pede sabão.

Apenas algumas semanas atrás, Laryssa da Silva não sabia de onde viria sua próxima refeição. Agora, a mãe solteira de 24 anos é responsável por garantir que as 70 famílias que moram na rua sobrevivam ao surto de coronavírus no Brasil.

Da Silva é uma das 400 novas “presidentes de rua” em Paraisópolis, responsável por ajudar seus vizinhos da maior favela de São Paulo a garantir alimentos, ajuda e assistência médica.

O programa, criado quando casos no maior país da América Latina começaram a explodir, é uma das muitas soluções encontradas pelas pessoas das favelas de baixa renda do Brasil para contornar uma resposta dividida do governo à piora da crise da saúde. Os líderes comunitários em alguns dos bairros mais atingidos do país estão contratando ambulâncias, criando fundos de desemprego e até construindo bancos de dados independentes para rastrear casos e mortes.

Enquanto a Ásia, a Europa e os Estados Unidos estão tentando reabrir devido a longos bloqueios por coronavírus, os casos na América Latina estão explodindo. A Organização Mundial da Saúde registrou mais de 136.000 novos casos em todo o mundo no domingo, um recorde.

A OMS declarou a América Latina o novo foco da pandemia. O Brasil registrou mais de 772.000 casos, perdendo apenas para os Estados Unidos, e mais de 39.000 mortes. Mas os números oficiais são altamente contestados; os epidemiologistas acreditam que os casos reais e as mortes são substancialmente mais altas.

Da Silva perdeu o emprego em restaurante em março. Em poucas semanas, ela não podia mais dar ao luxo de alimentar seus filhos, com idades entre 2 e 5 anos. Estava olhando para a despensa uma tarde de abril, até a última colherada de feijão, quando um vizinho tocou a campainha para pedir farinha para seus próprios filhos por mais um dia.

“Foi nesse momento que eu disse que tinha que fazer alguma coisa”, disse ela. “Tornou-se mais importante ajudar os outros do que ter medo.”

O vírus atingiu as favelas pobres do Brasil, principalmente negras, de maneira desproporcional. Em São Paulo, as pessoas que vivem em áreas mais pobres e contraem o vírus têm até 10 vezes mais chances de morrer do que as pessoas em áreas ricas, de acordo com dados divulgados pelo departamento de saúde da cidade. Os residentes negros de São Paulo têm 62% mais chances de morrer do que os brancos.

Os médicos culpam o crescente número de mortos no Brasil em parte pela resposta dividida do governo. Mesmo com o aumento dos casos, o presidente Jair Bolsonaro denunciou as medidas de isolamento social impostas pelos governadores e se uniu a protestos pedindo a reabertura da economia. Ele está no seu terceiro ministro da saúde desde o início da crise; os dois primeiros se recusaram a apoiar seus pedidos para acabar com as medidas de distanciamento social e promover tratamentos com hidroxicloroquina.

“Lamentamos todas as mortes”, disse Bolsonaro a repórteres. “Mas é o destino de todos.”

Muitos nas favelas do Brasil estão rejeitando esse destino.

As favelas são berços do ativismo há muito tempo. Muitos foram invadidos por gangues criminosas violentas que impõem restrições sobre quem pode entrar e sair. Isoladas dos serviços governamentais, as comunidades informais muitas vezes criaram instituições paralelas – incluindo correio, Internet e sistemas de saneamento – e complementaram os fracos sistemas de saúde e educação.

Essa tradição de solução criativa de problemas se espalhou durante o surto. Quando as pessoas da favela do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, viram que as estatísticas de coronavírus da cidade estavam excluindo casos de favelas, eles criaram seu próprio banco de dados para rastrear a doença. A associação de moradores da comunidade do Rio Cantagalo se uniu a uma organização não-governamental local para pulverizar desinfetante.

Depois que Juliana Carmo, de 20 anos, viu mensagens se espalhando nas mídias sociais dizendo às pessoas do bairro Honório Gurgel do Rio que climas quentes restringiriam o coronavírus e que máscaras doadas estavam contaminadas com o vírus, ela se uniu a outros jovens do Rio para mapear e combater notícias falsas.

Eles produziram um vídeo abordando as informações erradas mais comuns e estabeleceram uma linha direta para ajudar as pessoas a avaliar as reclamações.

“Sempre sofremos com a falta de informações”, disse Carmo. “Notícias verdadeiras e confiáveis ​​são mais importantes agora do que nunca.”

Da Silva se inscreveu on-line para representar a Viela da Harmonia – “Beco da Harmonia” – uma estrada de terra que atravessa Paraisópolis, uma favela de 100.000 habitantes. Todos os dias, ela se aventura entre as casas de madeira compensada e estanho para entregar máscaras e gel de álcool, verificar os sintomas da cobiçada 19 e inscrever famílias famintas para receber doações.

O programa forneceu a ela um curso de primeiros socorros de seis horas, liderado pelo corpo de bombeiros local, que lhe mostrou como monitorar a progressão do vírus, quando chamar uma ambulância e como ajudar pacientes com sintomas graves.

Gilson Rodrigues, presidente da associação de moradores de Paraisópolis, viu os casos começarem a subir em março. Ele sabia que favelas como a dele, onde as famílias estão muito unidas e muitas não têm escolha a não ser continuar trabalhando , seriam devastadas. Ele iniciou o programa do presidente de rua para monitorar de perto e retardar a propagação do vírus.

“Decidimos criar alternativas para que, se o governo não fizesse seu trabalho, poderíamos nos mobilizar para evitar o sofrimento na comunidade”, afirmou.

Rodrigues organizou várias dezenas de voluntários para fazer máscaras, transformou as escolas e academias fechadas do bairro em enfermarias de isolamento e estabeleceu uma plataforma on-line na qual os moradores desempregados podem solicitar ajuda financeira.

Depois que os moradores se queixaram de que o governo não estava respondendo a ligações de emergência nas favelas, a associação contratou uma ambulância 24 horas exclusivamente para o bairro. Para pagar pelos projetos, a associação iniciou campanhas de crowdfunding de mídia social que arrecadaram milhares de dólares.

Sandra Jovchelovitch, psicóloga social da London School of Economics, estuda o papel da resiliência e da identidade na organização de base nas favelas. Ela trabalhou com as Nações Unidas para espalhar o desenvolvimento de baixo para cima – pessoas encontrando soluções para si mesmas onde o estado vacilou – para a África e o Oriente Médio.

Ela acredita que as comunidades de baixa renda nos Estados Unidos e na Europa podem aprender com a resposta das favelas.

“A pandemia nunca será derrotada através de políticas de cima para baixo”, disse Jovchelovitch. “É preciso haver uma ação baseada na comunidade. Dessa forma, as velas têm muito a ensinar ao Norte.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora