Xingar de Macaco: Pequena História de uma Ideia Racista, por Cristiane Alves

Xingar de Macaco: Pequena História de uma Ideia Racista

por Cristiane Alves

Danilo Gentilli pergunta e responde: “Por que se pode fazer piadas de loiras, gays, burros, mas não de negros”?

Na mesma linha de pensamento circula pelas redes um meme que, em resumo, questiona o vitimismo de negros, gays, nordestinos e mulheres, uma vez que, segundo tal meme, a sociedade está cada dia mais chata.

No combo de justificativas para a intolerância também encontramos “pérolas” como: “piadas são expressões inertes, não representam riscos”, “não me ofendo por ser chamado de girafa ou leite azedo”; “não temos que tolerar vitimismo”; “posso falar, tenho liberdade de  expressão”; “muitos povos foram escravizados ao longo da História” – logo, por que somente negros se julgam prejudicados?

Gostaria de responder a todos que crêem que ser chamado de macaco seja algo positivo, principalmente devido ao seu elevado QI se comparado a outros animais. É sempre muito importante conhecer História, saber sobre Darwin, Lamarck ou Buffon e as teorias pseudo-científicas da superioridade do homem europeu. Convenhamos que tais teorias foram úteis à História do colonialismo europeu e muitos massacres pós Idade Moderna.

Se o negro é macaco, primitivamente inteligente e não evoluído, pode ser comprado, vendido, traficado, violentado, enxovalhado e por aí vai…

Não entenderam, os tais livres expressadores, que piadas depreciativas são um retrocesso no tempo, seja qual for o foco. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Maria Luisa

- 2018-02-02 15:41:20

Eh isso ai, Cristiane.

Eh obvio que qualquer tipo de deboche depreciativo para brancos, como "leite azedo" esta ha anos luz de distância do preconceituoso, racista e perverso macaco ou piadas também de cunho racistas. Quem não entende isso, é racista, preconceituoso e ainda não acordou para a vida. Conhece-te a ti mesmo ja diz a filosofia.

Rafael Ramos

- 2018-02-02 12:35:04

Danilo Gentilli é o típico

Danilo Gentilli é o típico Capelão do Diabo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador