A estrada para o Inferno está pavimentada por convites no filme “Hereditário”, por Wilson Ferreira

por Wilson Ferreira

“Hereditário” (“Hereditary”, 2018) é um filme singularmente aterrorizante. Ele não cava apenas nos abismos sombrios do nosso inconsciente. Explora principalmente o fenômeno bem atual da incomunicabilidade familiar e do processo psíquico de negação. Dois plots clássicos do gênero são explorados: o Mal que ameaça a união familiar e o elemento narrativo do “convite” através do qual o Mal pode ter a licença para entrar em nossas casas e pavimentar o caminho ao inferno. Mas o singular em “Hereditário” é que o Mal vem do interior do próprio lar:  uma família que se sente desconfortável com exposições francas de qualquer coisa que possa revelar o interior um ao outro. Silêncios e mecanismos de negação encobrem traumas do passado que pode retornar como uma demoníaca maldição.

O filme Hereditário (Hereditary, 2018) é sobre demônios, sejam eles reais ou internos, aqueles que estão na mente de cada um. 

O filme de estreia de Ari Aster (escreveu e dirigiu) é uma daqueles filmes inspirados em diversos clássicos (O Bebê de Rosemary, O Exorcista, Horror em Amityville, O Iluminado etc.) que se conecta com a essência do gênero do horror e do fantástico: o estranho, o aterrorizante e o bizarro como metáforas daquilo que a sociedade, através das instituições, Ciência e Linguagem, tenta exorcizar – aqueles três elementos freudianos que formariam as raízes do mal estar da civilização: a finitude, a fúria do mundo exterior e os vínculos com os outros seres humanos. Aquilo que certa vez Sartre definiu como o Inferno: o outro.

O medo e o mal estar que não é verbalizado, é reprimido ou ignorado, relegado ao inconsciente, ao esquecimento ou ao passado. Mas que pode retornar como uma maldição ou um sintoma. 

Hereditário começa como um psicodrama de uma família, os Graham, um clã que parece amaldiçoado por uma má sorte e também uma disposição genética para vários tipos de doenças mentais. Uma família que se sente desconfortável com exposições francas de qualquer coisa que possa revelar o interior um ao outro. Silêncios e processos de negação, eventualmente quebrados por monólogos explosivos da mãe, constroem o quadro de uma família na qual a incomunicabilidade é a fresta por onde cresce o Mal – tragédias e recorrentes doenças mentais serão metáforas de algum tipo de maldição real que aos poucos vai sendo revelada na narrativa.

Esse tema da família ameaçada pelo Mal é um plot por excelência dos filmes de terror: a união familiar ameaçada por alguma entidade ou monstro. Mas, a novidade em Hereditário é que o Mal que desagrega vem do interior da própria família, de um passado incompreendido cujos familiares parecem ter virado às costas, preocupados que estão com seus próprios afazeres ou vidas pessoais.

A chave narrativa é logo dada no início, quando Anne Graham, no serviço funerário de sua mãe, diz que a falecida era “uma mulher muito reservada e privada… ela tinha rituais privados e amigos privados”. É a senha para sermos introduzidos em algum mistério cuja força está presente naquela família, latente e ameaçador. Enquanto o patológico processo de negação da família parece se agravar a cada tragédia.

A família como geradora do próprio Mal que a destrói é um tema religioso, bíblico, como a maioria dos temas do gênero terror: demônios que ficam em uma família migrando de uma pessoa para outra estão presentes em vários livros bíblicos como em Êxodo (Deus visita a maldade dos pais nos filhos até a quarta geração…) ou Provérbios e Tiago – pais que fizeram votos com demônios no passado e, por isso, têm direito legal de agirem.  

 

Ao lado disso, Hereditário aproxima do tema da doença mental como alguma coisa congênita ou geneticamente hereditária, como uma nefasta herança familiar que paira como maldição sobre as gerações futuras. Se no passado a doença mental era considerada contagiosa, perigosa e até criminosa, hoje ela foi colocada no âmbito da genética e hereditariedade – o discurso racional e científico que para os Graham será mais uma forma de negação.

Negação que fragmenta e isola a família, que estará pronta para receber uma ajuda, um convite. Aquilo que pavimenta as estradas que levam para o Inferno.

O Filme

Sigilo, culpa e angústia cercam a família Graham. A mãe de Annie (Toni Collete) faleceu de câncer, sacudindo a aparente harmonia entre ela e marido Steve (Gabriel Byrne), e dois filhos adolescentes: o solene Peter (Alex Wolff) e a estranhamente sinistra Charlie (Milly Shapiro) – outro clássico do gênero terror: ela é capaz de criar brinquedos a partir de materiais mórbidos como cabeças de pássaros…

Aos poucos vamos figurando a incomunicabilidade daquele clã: Annie passa o tempo em sua oficina tentando finalizar uma exposição de “dioramas” (miniaturas que parecem retratar a vida da sua própria família e suas vidas emocionais), enquanto o marido desempenha o papel do estoico marido bondoso. Peter deriva em sua vida com seu olhar triste em festas consumindo maconha. E a menina Charlie, com o seu olhar morto como uma estátua, capaz de comer uma barra de chocolate ao lado do caixão da própria avó, enquanto obsessivamente faz desenhos em um pequeno caderno.

Todos tentam se recuperar da perda da matriarca da família, todos fechando-se em si mesmos.

 

As erupções regulares de estranheza, surrealismo e pesadelo acontecem ao longo do filme. Mas quanto mais ocorrem, ainda mais os Graham tentam ignorar os traumas passado ou encobri-los. 

Paradoxalmente, Hereditário é um dos filmes mais violentos dos últimos tempos (corpos mutilados, queimados, assassinatos, sangue), ao lado de sequências lentas, diálogos em voz baixa em cenários em luz fraca, meia-luz, capaz de fazer o espectador esperar por coisas terríveis que nem sempre acontecem – o leitor observará como a cada objeto pontiagudo usado por qualquer razão pelo personagem, há sempre um sinistro close-up.  

Por isso, Hereditário faz esse jogo em confundir a realidade com a percepção, assim como A Bruxa (The Witch, 2015): o Mal está apenas em nosso inconsciente, ou de fato há uma maldição demoníaca?

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome