A história de Santo Antônio, o santo casamenteiro

Enviado por Gomes Tobias

Da Editora Moderna

Por que Santo Antônio é considerado casamenteiro?

Passando o fervor dos casais apaixonados, 13 de junho é o dia em que as mulheres solteiras oram para Santo Antônio trazer o amor de suas vidas. Mas você sabe por que Santo Antônio é considerado o santo casamenteiro?

Batizado de Fernando Bulhões, Santo Antônio era um frade franciscano, nascido em 1195, em Portugal, mas viveu durante a maior parte de sua vida em Pádua, na Itália. Apesar de não ter em seus sermões nada específico sobre casamentos, Santo Antônio ficou conhecido como o santo que ajuda mulheres a encontrarem um marido por conta da ajuda que dava a moças humildes para conseguirem um dote e um enxoval para o casamento.

Reza a lenda que, certa vez, em Nápoles, havia uma moça cuja família não podia pagar seu dote para se casar. Desesperada, a jovem – ajoelhada aos pés da imagem de Santo Antônio – pediu com fé a ajuda do Santo que, milagrosamente, lhe entregou um bilhete e disse para procurar um determinado comerciante. O bilhete dizia que o comerciante desse à moça moedas de prata equivalentes ao peso do papel. Obviamente, o homem não se importou, achando que o peso daquele bilhete era insignificante. Mas, para sua surpresa, foram necessários 400 escudos da prata para que a balança atingisse o equilíbrio. Nesse momento, o comerciante se lembrou que outrora havia prometido 400 escudos de prata ao Santo, e nunca havia cumprido a promessa. Santo Antônio haviera fazer a cobrança daquele modo maravilhoso. A jovem moça pôde, assim, casar-se de acordo com o costume da época e, a partir daí, Santo Antônio recebeu – entre outras atribuições – a de “O Santo Casamenteiro”.

Outra história que envolve a fama de Santo Antônio é a de que uma moça muito bonita, que havia perdido as esperanças de arranjar um marido, apegou-se a Santo Antônio. Dizem que a mulher adquiriu uma imagem do santo e colocou-a em um pequeno oratório. Todos os dias, a jovem colhia flores e as oferecia a Santo Antônio sempre pedindo que este lhe trouxesse um marido.

Mas, passaram-se semanas, meses, anos… e nada do noivo aparecer.

Então, tomada pelo desgosto e pela ingratidão do santo, ela atira a imagem pela janela.

 

Neste exato momento, passava um jovem cavalheiro que é atingido pela imagem do Santo. Ele apanha a imagem e vai entregar à jovem, que se apaixona por ele e atribui a sua chegada a fé por Santo Antônio.

A partir daí, as moças solteiras que querem casar começaram a fazer orações pedindo ajuda ao santo e cultuando sua imagem. Entre as simpatias mais populares, acredita-se que as jovens devem comprar uma pequena imagem do Santo e tirar o Menino Jesus do colo, dizendo que só o devolverá quando conseguir encontrar o amor, ou ainda, virar o Santo Antônio de cabeça para baixo.  

 

Para conferir mais simpatias de Santo Antônio, clique aqui.

Devoções, tradições e crenças
As primeiras manifestações de culto deram-se logo após a morte do santo, desdobrando-se depois, passo a passo, numa constelação de práticas, devoções e crenças, algumas das quais, mais conhecidas, são elencadas a seguir.

Santo casamenteiro
Assim é invocado pelas moças que desejam casar e assim é lembrado pelo nosso folclore. Não se sabe qual a origem da devoção. Talvez se ligue a algum milagre feito pelo santo em favor das mulheres, por exemplo, quando fez um recém-nascido falar para defender a mãe acusada injustamente de infidelidade pelo pai.

Mas há outro episódio com explicação mais direta. Certa senhora, no desespero da miséria a que fora reduzida, decidiu valer-se da filha, prostituindo-a, para sair do atoleiro. Mas a jovem, bonita e decidida, não aceitou de forma alguma. Como a mãe não parasse de insistir, ela resolveu recorrer à ajuda de Santo Antônio. Rezava ela com grande confiança e muitas lágrimas diante da sua imagem quando das mãos do Santo caiu um bilhete que foi parar nas mãos da moça. Estava endereçado a um comerciante da cidade e dizia: “Senhor N…, queira obsequiar esta jovem que lhe entrega este bilhete com tantas moedas de prata quanto o peso do mesmo papel. Deus o guarde! Assinado: Antônio”.

A jovem não duvidou e correu com o bilhete na mão à loja do comerciante. Este achou graça. Mas vendo a atitude modesta e digna da moça colocou o bilhete num dos pratos da balança e no outro deixou cair uma moedinha de prata. Mas qual! O bilhete pesava mais! Intrigado e sem entender o que se passava, o comerciante foi colocando mais uma moeda e outras mais, só conseguindo equilibrar os pratos da balança quando as moedas chegaram a somar 400 escudos. O episódio tornou-se logo conhecido e a moça começou a ser procurada por bons rapazes propondo-lhe casamento, o que não tardou a acontecer, e o casamento foi muito feliz. Daí por diante, as moças começaram a recorrer a Santo António sempre que se tratava de casamento.

Santo das coisas perdidas
Esta tradição é antiquíssima, encontrando-se menção dela no famoso responsório “Si quaeris miracula”, extraído do ofício rimado de Juliano de Espira. Popularmente o “Siquaeris” é mencionado como uma oração taumaturga para encontrar objetos perdidos. A crença pode estar ligada a episódios como este, da vida de Santo António. Quando ensinava teologia aos frades em Montpeilier, na França, um noviço fugiu da Ordem levando consigo o Saltério de Frei António, com preciosas anotações pessoais que utilizava nas suas lições. Rezou o santo pedindo a Deus para dar jeito de reaver o livro e foi atendido deste modo: Enquanto o fugitivo ia passando por uma ponte, foi subitamente tomado pelo pavor, parecendo-lhe ver o demônio na sua frente que o intimava: “Ou você devolve o Saltério ao Frei António ou vou jogá-lo da ponte para o rio!” Assustado e arrependido, o jovem voltou ao convento com o saltério e confessou ao Santo sua culpa.

O “pão dos pobres”
É ao mesmo tempo uma piedosa devoção e uma instituição assistencial benemérita. Consiste em doações para prover de pão os pobres, honrando assim o “protetor dos pobres” que é Santo António. Uma tradição liga esta obra ao episódio de uma mãe cujo filho se afogou dentro de um tanque mas recuperou a vida graças a Santo António. Ela prometera que, se o filho recuperasse a vida, daria uma porção de trigo igual ao peso do menino. Por isso, no começo, esta obra foi conhecida como a obra do pondus pueri (peso do menino). Outra tradição relaciona a obra do pão dos pobres com uma senhora de Tbulon, chamada Luísa Bouffier. A porta do seu armazém tinha enguiçado de tal modo que não havia outro remédio senão arrombar a porta. Fez então uma promessa ao Santo: se conseguisse abrir a porta sem arrombá-la, doaria aos pobres uma quantia de pães. E deu certo. Daí por diante, as petições ao Santo foram se multiplicando em diferentes necessidades.Tbda vez que alguém era atendido, oferecia certa quantia de dinheiro para o pão dos pobres. A pequena mercearia de Luísa Bouffier tornou-se uma espécie de oratório ou centro sócial. A benéfica obra do “pão dos pobres” teve extraordinário desenvolvimento, com diferentes modalidades, e hoje é conhecida em toda parte.

Trezena
E uma “novena” de 13 dias lembrando a data da morte de Santo António. Também se lembra o dia 13 de cada mês, porque “Dia 13 não é dia de azar, é dia de Santo António”. Outros lembram Santo António nas quartas-feiras, dia em que foi sepultado.

Breve de S. Antônio
Consiste numa medalha ou imagem do Santo que se leva consigo, com esta sentença escrita no verso: “Ecce Crucem Domini, fugite partes adversão! Vicit Leo de Tribu Juda, radix David. Alleluia, alleluia!” (Eís a Cruz do Senhor, afastai-vos forças adversas! Venceu o Leão da tribo de Judá, da raiz de Davi. Aleluia, aleluia). Esta sentença teria sido revelada pelo Santo a uma senhora que estava possessa, a fim de ser por ela libertada. É uma devoção que remonta ao século XIII.

Extraído dos Cadernos Franciscanos, “Santo Antônio e a devoção Popular”, de Frei Adelino Pilonetto, ofmcap

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

12 comentários

  1. “Matrimônio, matrimônio, isto é lá com Santo Antonio “

    Eu pedi numa oração
    Ao querido São João
    Que me desse um matrimônio
    São João disse que não!
    São João disse que não!
    Isso é lá com Santo Antônio!
    Eu pedi numa oração
    Ao querido São João
    Que me desse um matrimônio
    Matrimônio! Matrimônio!
    Isto é lá com Santo Antônio!

    Implorei a São João
    Desse ao menos um cartão
    Que eu levava a Santo Antônio
    São João ficou zangado
    São João só dá cartão
    Com direito a batizado
    Implorei a São João
    Desse ao menos um cartão
    Que eu levava a Santo Antônio
    Matrimônio! Matrimônio!
    Isso é lá com Santo Antônio!

    São João não me atendendo
    A São Pedro fui correndo
    Nos portões do paraíso
    Disse o velho num sorriso:
    Minha gente, eu sou chaveiro!
    Nunca fui casamenteiro!
    São João não me atendendo
    A São Pedro fui correndo
    Nos portões do paraíso
    Matrimônio! Matrimônio!
    Isso é lá com Santo Antônio

    Link: http://www.vagalume.com.br/lamartine-babo/isto-e-la-com-santo-antonio-marchacarnaval.html#ixzz3cqVEqfo7

  2. na Itália não!

    Essa é uma lenda brasileira.

    Em Padova na Itália, Santo Antonio é conhecido como o santo que protege de acidentes. 

    Tanto que, na basílica as pessoas levam fotos e até pedaços de carros acidentados.

    Eu até pensei que daí vinha a conversa do Brasil … Da idéia de “desencalhar”.

    Mas não é. É mais um “causo” brasileiro, o país da mentira e da enganação. Pelo menos essa não faz mal a ninguém. Viva Sto Antonio e viva aos namorados!

  3. Quando menina-moça era comum

    Quando menina-moça era comum a gente invocar Santo Antônio quando queria casar. Na véspera do dia do Santo muito tíanhamos que fazer. Por exemplo: enfiar uma faca no caule de uma bananeira pra ver o que tinha no dia anterior. O líquido do caule forma na faca umas imagens semelhantes a letras e caras. Bastava sair uma coisa semelante a uma letra pra moça pensar que podia desvendar o nome inteiro do pretendido. Outras tantas adivinhações se faziam. Acredito que pelos interiores do Nordeste ainda persistem essas brincadeiras. Era assim que a juventude vivia: muito unida, simples, participando seus conhos. 

  4. O verdadeiro santo casamenteiro é S. José…

    Dizem que Sto Antônio traz marido, mas traz qualquer marido. Já S. José só traria bons maridos. Rs.

  5. Tem mulher que está tão

    Tem mulher que está tão desesperada atrás de marido, que o coloca o pobre do Sto. Antonio de castigo de cabeça para baixo.

    E ainda dizem que enquanto o Sto não arrumar um parceiro não sai do castigo.

    Depois algumas mulheres não sabem porque tem uns malas sem alça do lado.

    É a vimgança do Sto. por ter ficado de castigo.

    Vai  vendo !

  6. Tem mulher que está tão

    Tem mulher que está tão desesperada atrás de marido, que o coloca o pobre do Sto. Antonio de castigo de cabeça para baixo.

    E ainda dizem que enquanto o Sto não arrumar um parceiro não sai do castigo.

    Depois algumas mulheres não sabem porque tem uns malas sem alça do lado.

    É a vimgança do Sto. por ter ficado de castigo.

    Vai  vendo !

  7. Vida de Santo António

    Ao contrário do que diz, Santo António não viveu a maior parte da sua vida em Pádua. Perlo contrário, viveu muito posuco anos em Pádua. saiu de Coimbra-Portugal aos 25 ou 28 Anos em, direcção ao norte de àfrica em missão de sacrificio. Adoeceu gravemente e foi evacuado para a Europa. O naufrágio levou-o à Sicilia. Só bastante mais tarde foi a Pádua e pouco tempo lá ficou por força das missões de formação teológica e combate às várias heresias que lhe foram atrbuidas pela Ordem Franciscana. 

  8. O engraçado é nas lendas
    O engraçado é nas lendas TODAS as mulheres são “moças lindas e brancas” .
    Nenhuma está solteira por ser feia, gorda ou negra .
    Fala sério com estas lendas , heim ?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome