A transitividade do golpe na Bolívia, por Letícia Sallorenzo

Tá todo mundo incomodadíssimo com o sujeito Evo Morales acionando o verbo renunciar nas manchetes dos jornais.

A transitividade do golpe na Bolívia

por Letícia Sallorenzo – a Madrasta do Texto Ruim

Tá todo mundo incomodadíssimo com o sujeito Evo Morales acionando o verbo renunciar nas manchetes dos jornais. “Ain, é a imprensa manipuladora!”, dizem todos. É uma ideia difícil de se sustentar quando vemos nos jornais europeus Evo Morales resigns ou Evo Morales est démissionaire. A mesma ideia de renúncia está contemplada em inglês e em francês (e, certamente, em várias outras línguas mundo afora). Tem mais borogodó nesse sopão sintático-semântico.

Antes de nos atracarmos com Evo e sua renúncia, vamos pensar na informação contida na frase

Maria morreu.

  • A oração é intransitiva. Isto significa que o enunciado só fala de Maria e o que aconteceu com ela.
  • A intransitividade do verbo morrer o envolve nesse frame de ausência de responsabilidade: estamos agora pensando que Maria morreu ao acaso, podia estar doente, ou foi vítima de alguma fatalidade. Em síntese: ninguém, além de Maria, está envolvido nessa morte. Tem só um aí nessa história.

Aí eu aviso a vocês que a frase da Maria é resultado de

José matou Maria.

e o caldo entorna todinho. Temos agora uma oração transitiva direta, que a tia Maricota te dizia lá no primário que “é composta por um verbo que precisa de complemento para fazer sentido”, e eu completo essa ideia com: “é um verbo que estabelece uma relação gramatical entre dois constituintes”. Trocando em miúdos:

  • A oração é transitiva direta. Temos um sujeito que aciona um verbo que, por sua vez, transita sua ação do sujeito rumo ao objeto direto (por isso ele se chama transitivo), alterando o estado final desse objeto direto. Temos um sujeito e um objeto unidos por um verbo. Tem mais de um aí nessa história.
  • A transitividade do verbo matar, ainda mais na voz ativa, o envolve nesse frame de causa e consequência: José Matou à Maria morreu. Temos, semanticamente, um agente e um paciente, um responsável e uma vítima. Temos, ora vejam vocês, uma relação de poder! (Marxista é a mãe! Isso aqui é sintaxe, mané! Te abanca aí e fica quietinho!)

Uma vez entendida toda essa sintaxe e essa semântica do verbo morrer em comparação com o verbo matar, fica mais fácil explicar a diferença entre renunciar e depor:

Evo renuncia. à temos uma oração intransitiva. Apenas Evo está acionando o verbo. Apenas Evo está envolvido na história. Evo fez isso porque quis.

[Insira aqui o sujeito/agente de sua preferência] depõe Evo à Temos o verbo depor que, por precisar de complemento, ou seja, ser transitivo direto, estabelece uma relação entre dois constituintes da oração. De novo, temos um sujeito e um objeto unidos por um verbo. Tem mais de um aí nessa história.

Observem que o que aconteceu na Bolívia em 10 de novembro tá mais pra oração transitiva direta (X depõe Evo), mas uma vez que Evo Morales é um presidente de nação, costuma-se jogá-lo para a frente da frase. Neste caso, precisamos de uma voz passiva:

Evo é deposto por [aquele mesmo sujeito/agente lá de cima, que agora vira adjunto adverbial e perde importância e relevância].

E, assim como matar e morrer têm diferenças legais (Maria morreu não implica Maria em crime algum, já João matar Maria é crime de assassinato), renunciar e depor também têm uma diferença tão sutil quanto canalha: renúncia é um ato previsto por lei. Ao presidente é facultado o direito de renunciar, ato que pode ser efetuado dentro da normalidade institucional. Já depor, não tem jeito: é golpe.

Lembrando ainda que sociólogo com pós-doc em ditaduras, mais antropólogo que estuda direita radical, e cientista político especializado em Bolívia são um monte de intelectuais lindos e perfeitos que não precisam gastar currículo Lattes à toa ao pensar sobre o que aconteceu na Bolívia:

1) Teve exército

2) Exército armado

3) Apontando as armas para Evo Morales

4) E dizendo: ou você sai ou você e sua família morrem (imagino que deva ter sido algo em torno dessa expressão, mas, certamente, algo bem distante de “senhor, por obséquio, queira estar se retirando?”)

Acho que esses quatro elementos são suficientes pra qualquer miliciano ou jagunço semianalfabeto concluir que foi golpe, sim.

A análise desses dados é simplíssima!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora