As esculturas de Mario Irarrázabal

Por Vaas

Mario Irarrázabal nasceu em Santiago, Chile, em 1940. Estudou filosofia e arte  na Universidade de Notre Dame, IN, e teologia na Pontifícia Università Gregoriana em Roma. Seu primeiro trabalho com a figura humana foi exposto no Chile, em 1970, para expressar a injustiça, solidão, desamparo, tristeza e tortura que permeavam a sociedade à época. Ele usa a nudez do corpo humano, por vezes dilacerado ou com proporções exageradas, o tronco indevidamente grande em relação aos braços e pernas, para enfatizar a sua vulnerabilidade e impotência.

             No verão de 1982, na cidade uruguaia de Punta del Este, foi realizada uma oficina de escultura ao ar livre. Vários artistas participaram do evento, entre eles, um jovem artista chileno chamado Mário Irarrázabal, que escolheu a praia para construir sua obra de arte, ao contrário de seus colegas, que preferiram desenvolver seu trabalho na cidade. O local inspirou o escultor, que projetou e construiu, em apenas seis dias, uma escultura colossal representando os dedos de uma mão de alguém, provavelmente, afogado. A expressividade de sua realização foi tal que imediatamente foi chamada de “Monumento ao Afogado ou, simplesmente, La Mano (A Mão), e permanece no mesmo lugar até hoje, enquanto as outras esculturas daquele evento foram esquecidas. Devido ao seu impacto, o escultor fez cópias dessa mão para colocar em outros lugares do mundo, como Madrid, Veneza e em sua terra natal, Chile, no deserto de Atacama, em que ela emerge de suas areias quentes.  Imagens e resumo do texto: www.tuttartpitturascultura.com   

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora