Como a perpétua não cheira, não é a rainha das flores

Esse motivo folclórico ” Se a perpétua cheirasse, cheirasse, era a rainha das flores, das flores. Como a perpétua não cheira, não cheira, não é rainha das flores, das flores” é bastante conhecido, pelo menos para os cincoentões ou sessentões. 

Procurando a rainha das flores encontrei, no site Projeto Nirez – Titulos, a mazurka PÉRPETUA, interpretada pela Banda da Casa Edison em 1908, porém nada tem a ver com o mote. Já Luiz Gonzaga e Miguel Lima fizeram uma interessante adaptaçao do motivo folclórico, que traga aqui também para animar nossa tarde.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora