Sobre cachorros e crianças

São inesquecíveis as ligações entre cachorros e seus donos – embora nunca tenha sido de dar trela para cão.

Há anos, o ritual de casa consistia em aguardar a Dodó chegar da escola, pisar na sala e gritar: «Lalá», para sua cachorrinha. Laurinha vir correndo, pular no seu colo e ficarem ambas vários minutos se curtindo.

Na semana passada a Dodó viajou com a escola, dez dias fora, deixando uma legião de órfãos – os pais, as irmãs, a sobrinha e, principalmente, a Laurinha. A despedida da Lalá foi complicada. A Dodó dizia: “Lambe a Dodó para não ficar com saudade, Lalá”. Quando a Bibi me contou fiz um arghhh… Sempre gostei de cachorrinho à distância. A mera possibilidade de encostar o focinho frio no meu braço já me arrepiava.

Lalá perdeu a fome, passou a ser vista se arrastando pela casa, triste que nem um chileno depois do jogo.

Agorinha a Dodó recebeu autorização para ligar para casa. Mal o telefone tocou, antes mesmo da mãe atender a Laurinha saiu correndo feito um raio.

Foi encontrada deitada na cama da Dodó, uivando de saudades.

Dodó é essa coisinha doce e direta como essa redaçao do seu Blog (só acerta a gramática depois que a mãe dá uma bronca):

Clara ( minha sobrinha ) : A minha sobrinha é legal um pouco gritalhona as vezes nervosinha mas companheira isso a deixa SUPER 10.
Beatriz (minha irmã) : A minha irmã é legal as veses nervosinha mas deve ser por causa da prè adolecencia mas ela è simpatica com as pessoas e deixam as pessoas feliz ela tambem de manha é maumorada mas tudo bem a maioria das pessoas ficam.
Luis Nassif tambem conhecido como meu pai : Distraido, brincalhão irritante as veses chatinho, dorminhoco bagunceiro e essas coisas mas afinal ele è meu pai e eu amo ele .

Quando sofri os ataques desequilibrados da Veja, nossa maior preocupação era a maneira como poderiam afetar as pequenas, especialmente na escola – já que as grandes se apoiavam mutuamente. Para nosso alívio, Dodó parecia desligada de tudo. Até o dia em que uma coleguinha comentou, na aula, que sua família assinava Veja. Aí a desligadinha levantou e fulminou:

– Não gosto dessa revista porque falou mal do meu pai.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora