Curta da Semana: “Day 40” – os animais se amotinam contra Deus na Arca de Noé

Como Noé conseguiu colocar a cadeia alimentar completa de animais dentro da Arca e por 40 dias todos viveram em paz e harmonia enquanto o planeta era punido pelo Dilúvio? O produtor, diretor e animador Sol Friedman, notório pelas suas produções que profanam contos sagrados e tradições religiosas de todo o mundo, no curta de animação “Day 40” (2014) apresenta com muito humor negro uma arca bíblica que mais parece um navio de piratas amotinados. Um lugar tão pecaminoso quanto o mundo deixado para trás e afogado pelo Dilúvio. Em muitos aspectos o curta lembra a leitura gnóstica que Darren Aronofsky fez em “Noah” (2014). “Day 40” não é uma produção aconselhada para pessoas religiosamente mais sensíveis.

Se o escritor William Blake (1757-1827) estiver certo de que a Natureza foi obra de um demônio (porque sempre condenada à queda, morte, entropia, sem nenhum propósito e totalmente hostil ao homem) podemos indagar: então, como Noé conseguiu colocar uma cadeia alimentar completa dentro da Arca e sobreviver ao Dilúvio bíblico? Como os animais conseguiram viver harmoniosamente, em um lugar fechado, por 40 dias e 40 noites? A Natureza e os animais têm assim tão boa índole? Ou Deus impôs uma, por assim dizer, “licença poética” para os animais esquecerem temporariamente suas origens selvagens?

O curta Day 40 é outra incursão de Sol Friedman como um anti-evangélico com o dom especial de profanar contos sagrados e tradições religiosas de todo o mundo – Bacon and God’s Wrath, Love Songs for an Android, Beats in the Real World etc. Friedman parte dessa questão que lembra bastante os aforismos sombrios de Blake para mostrar nessa animação a Arca bíblica não mais como um lugar de paz, harmonia e fé, mas algo muito mais parecido com um navio pirata. 

Um lugar não menos comportado do que o mundo deixado para trás e supostamente punido por Deus pelo Dilúvio universal.

A Arca e o motim

O curta é inteiramente narrado em of por uma voz em tom monótono (no final do curta descobrimos o porquê) que descreve a Criação no livro do Gênesis até a colocação do homem no Paraíso, “à imagem de Deus”. Rapidamente descreve a Queda humana no pecado, misturando alusões bíblicas com referências e atitudes modernas, conferindo ao curta uma curiosa atemporalidade – é um conto bíblico, mas poderia muito bem ser a atualidade.

 

Noé é apresentado como um nerd simplório, com um boné de caminhoneiro com a palavra “GOD” em destaque. Juntamente com a sua entediada esposa (ela não aguenta mais as insistentes apologias sobre Deus), constrói a Arca e junta no seu interior todos os animais. Nos primeiros dias, tudo parece bem, em paz e harmonia. Até que os dias passam e a paciência das espécies acaba.

A partir daí os animais se amotinam: começam a praticar todos os pecados humanos (jogo, devassidão, violência, vícios etc.) até que amarram Noé para deixa-lo morrer em um canto qualquer. Enquanto a mulher de Noé é poupada para os animais… bom, deixemos os detalhes sórdidos para o leitor ver…

Essa animação é o tipo de coisa que certamente fará o leitor se sentir culpado de tanto rir. E, por isso, não é indicada para espectadores com o sentimento religioso mais sensível.

Segundo o diretor Sol Friedman, “os textos religiosos nunca foram interpretados literalmente”. Para ele, a busca de interpretações simbólicas faz esquecermos de quanto as situações descritas são loucas ou surreais. 

Friedman parece partilhar da mesma opinião do corrosivo cartunista Robert Crumb (autor de uma versão em quadrinhos dos 50 capítulo do Gênesis – clique aqui): “A Bíblia não é a palavra de Deus, é a palavra dos homens. A ideia de milhões de pessoas tomando a Bíblia tão seriamente é totalmente louca. A Bíblia não precisa ser satirizada. Ela já é totalmente louca”.

 

O curta Day 40 em muitos aspectos lembra a adaptação feita por Darren Aronofsky sobre o drama de Noé no filme Noah (2014): o mundo terrestre decadente na qual Noé insistentemente pede respostas ao “Criador” (jamais é usada a palavra “Deus” naquele filme, sugerindo a interpretação gnóstica da divindade como um Demiurgo) e jamais obtém respostas. Tudo parece sem propósito e caótico, onde a serpente parece ser a única entidade de Luz diante de um Criador homicida e ciumento – clique aqui.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora