Em observação a lista dos 10 filmes mais estranhos de 2014, por Wilson Ferreira

Um homem luta boxe sem luvas contra um palhaço de circo afeminado vestido como uma cenoura. O pai é um sujeito com a cara de Joseph Stalin e a mãe só se comunica através do canto lírico. Essa é uma passagem do filme “Dança da Realidade” dos mestre dos “Weird Movies”, Alejandro Jodorowsky. “Weird Movies”, ou “filmes estranhos”, numa tradução próxima, são filmes que exploram o duplo sentido da palavra “weird”: “destino” ou “estranho, surreal”. Nessa lista dos filmes mais “weird” ou “estranhos” de 2014, percebemos a proximidade dessas produções com a noção de “filme gnóstico” – o surreal e o estranho como instrumentos de desconstrução do princípio de realidade – na foto “Dança da Realidade” de Alejandro Jodorowsky.<img alt="” height=”1″ src=”file:///C:UsersSimoneAppDataLocalTempmsohtmlclip11clip_image001.gif” width=”1″>

Uma das fontes de informações cinematográficas alternativas para o Cinegnose é o site 366 Weird Movies, uma espécie de radar de filmes cinematicamente estranhos, bizarros e surreais. O seu interessante conceito de “filme estranho” muitas vezes coincide com a noção de “filme gnóstico” explorada por esse blog.

A espinha dorsal do site é a construção sempre mutante de uma lista de 366 filmes estranhos. Por que 366? Essa é uma explicação também estranha: um filme para cada dia do ano (um a mais para os anos bissextos). Como cada dia do ano está associado a um santo católico, os autores do site acreditam que todos os dias deveriam ter seu próprio filme estranho…

O site 366 Weird Movies fez uma lista do que considera os 10 filmes mais estranhos de 2014 que, para nós, coincide com o que definimos como filmes gnósticos em stricto sensu ou filmes que exploram elementos gnósticos ou esotéricos. Conforme o leitor verá na lista abaixo que comentaremos, alguns já foram analisados pelo Cinegnose e outros estão “Em Observação” para serem em breve também analisados.

O que é um “Weird Movie”?

A palavra inglesa “weird” (estranho) deriva da palavra germânica “wyrd”, que significa “destino”. Essa palavra encontrou o seu significado atual de “estranho, surreal” através de Shakeapeare com as “Weird Sisters” que prediziam o destino de Macbeth, ao mesmo tempo “weird” (“estranhas”) nos sentido moderno quanto “wyrd” no sentido pagão.

Portanto, “weird movie” é muito mais do que um filme “estranho” no sentido dado em português (do latim “extraneum” – o que é de fora, estrangeiro), mas a combinação das ideias do maravilhoso e do fantástico com aquilo que é excêntrico, estranho ou incomum.

Dessa maneira, esse conceito aproxima-se do “gnostic movie” ou filme gnóstico: narrativas cinematográficas onde mostram protagonistas em situações onde a familiaridade usual se reverte em algo não-familiar, “estranho”, acontecimentos que fazem a realidade repentinamente foge à conformidade cotidiana.

Mas, para o 366 Weird Movies, essa categoria de filmes englobariam também os filmes “mal feitos”, trashs e produções B do passado ou atuais que imediatamente se tornam cults.

10. Witching and Bitching (Las Bruxas de Zugarramurdi, Espanha) – Baseado em caso real ocorrido em 1610 em Logroño na Espanha em 1610 quando a Inquisição mandou queimar 40 pessoas acusadas de serem bruxas. O filme conta a história de José (um pai divorciado) e um jovem desempregado, Antonio. Após assaltarem uma ourivesaria em Madrid tentam fugir para a França num taxi. Mas tudo começa a dar errado quando se perdem nos bosques do País Basco e acabam nas mãos de uma família de bruxas de três gerações.

Terror trash do espanhol Álex de Iglesia sobre desempregados e perdedores (reflexo cinematográfico da atual crise econômica na Espanha) que com um assalto tentam mudar a vida. Crítica social, violência hiper-realista, humor negro. Um mix de Tarantino com cinema Fantástico.

Por que está “Em Observação?”: o gênero terror é um ótimo objeto para as análises de psicanálise no cinema. Ainda mais quando é em estética trash e hiperviolenta: arquétipos e simbolismo ficam mais explícitos.

 

9. Sob a Pele (Under the Skin, Reino Unido) – Scarllet Johanson faz um alien que chega à Escócia determinado a seduzir homens solitários, leva-los para seu loft e afundá-los em um poço de gosma preta por alguma razão de outro mundo. Aos poucos, e de forma relutante, aprende o que é ser um humano. Em ritmo lento, cheio de imagens simultaneamente bizarras e poderosas. 
Por que está “Em Observação”? – aliens que vêm à Terra já são, em si, um tema gnóstico – podem ser a metáfora da própria condição humana como um alien preso em um mundo inóspito. Aqui, ainda o diretor Jonathan Glazer faz uma alegoria sobre as coisas que separam desde sempre homens e mulheres e o drama da incomunicabilidade e solidão.

Por que está “Em Observação”? – aliens que vêm à Terra já são, em si, um tema gnóstico – podem ser a metáfora da própria condição humana como um alien preso em um mundo inóspito. Aqui, ainda o diretor Jonathan Glazer faz uma alegoria sobre as coisas que separam desde sempre homens e mulheres e o drama da incomunicabilidade e solidão.

>>>Leia mais>>>

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

5 comentários

  1. Um dos filmes mais imbecis

    Um dos filmes mais imbecis que ja vi foi o tal de Exodus

    O R Scott simplesmente inventou um novo exodus, fora que desde a Hollywood dos anos 50 nao via mais ninguem usar ator com nype anglo saxao para viver papel de egipcio

    O filme é muito ruim, desisti de assistir e sai no meio da sessão…

  2. Estranho por estranho, acho

    Estranho por estranho, acho que não vale a pena. O importante é o filme ter conteúdo ou ser ao menos uma forma de entretenimento. Se, somado a isso, o filme tiver algumas coisas estranhas, por mim tudo bem.

  3. Verei os que puder. Só

    Verei os que puder. Só conheço o do Jodorowski. São esses filmes que mudam alguma coisa no cinema, e por tabela na cebeça dos espectadores e no mundo.

  4. Alejandro

    Alejandro Jodorowsky…

    Conheci como roteirista de histórias em quadrinhos européias, cujo trabalho mais famoso, pelo menos para mim, foi a série “Incal”, realizado em parceria com o igualmente aclamado Moebius.

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome