Jurassic terror no cinema, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Jurassic terror no cinema, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Na exibição do filme “Jurassic World: Reino Ameaçado” um menino de 5 ou 6 anos e seu pai se sentaram ao meu lado. O adulto me ofereceu pipoca, recusei. Notei que ambos estavam alegres e um pouco excitados.

Quando o filme começou ambos ficaram em silêncio. A medida que a tensão foi aumentando, o pai começou a fazer comentários para tranquilizar o filho. Percebi que o menino estava começando a ficar realmente apavorado quando ele pulou no colo do pai. 

O pai tentou colocar o menino na cadeira dele. Ele protestou. Prefiro ficar aqui, com você.

Durante o clímax, quando o Indoraptor (o novo e terrível predador produzido por cientistas) persegue a menina pelo casarão e a encurrala no quarto dela chegando a ele pelo telhado e abrindo a porta balcão, o garotinho começou a repetir ansiosamente que estava com medo. O pai não sabia o que falar para o filho. O menino se agarrava mais forte a ele soltando gritinhos de terror sem conseguir tirar os olhos da tela grande.

O horror, o horror… A cena real de terror ao meu lado foi mais terrível do que cena do filme que estava sendo projetada. Suponho que a descarga química no cérebro em formação daquele menino provocará pesadelos, uma lembrança recalcada e, talvez, alguns problemas no futuro.

Aparentando estar arrependido de ter levado o filho para ver um filme inadequeado para crianças pequenas, o pai do garoto olhou para mim sorrindo amarelo. Fiz de conta que estava prestando atenção no filme. Julguei que seria pior fazer qualquer comentário naquele momento.

Mas não posso deixar de relatar a espetáculo desagradável que presenciei. O horror, o horror… Sai do cinema alguns segundos antes do fim do filme para não sucumbir à tentação de repreender um adulto irresponsável que traumatizou desnecessariamente o filho. Aos leitores uma recomendação: se forem ver “Jurassic World: Reino Ameaçado”, que é um bom filme e vale o ingresso, não levem crianças pequenas.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora