Morre o grande mestre da literatura policial brasileira, Luiz Alfredo Garcia-Roza

Garcia-Roza ganhou seguidores por seus livros policiais, com o personagem Espinosa conduzindo a trama e prendendo a atenção.

Jornal GGN – Nesta quinta-feira morreu, no Rio de Janeiro, o mestre da literatura policial brasileira Luiz Alfredo Garcia-Roza. A notícia foi dada por sua mulher, a escritora Lívia Garcia-Roza. O mestre tinha 84 anos. Ele deixa esposa e três filhos.

O escritor estava internado há um ano no Hospital Samaritano, em Botafogo, por uma doença neurológica.

Garcia-Roza ganhou seguidores por seus livros policiais, com o personagem Espinosa conduzindo a trama e prendendo a atenção. Espinosa era um misto de ingênuo com faro policial apurado, um íntegro lidando com um sistema conturbado, um gênio.

O autor nasceu no Rio de Janeiro, em 1936, e só estreou na ficção bem tarde. Professor universitário, especialista em psicanálise, publicou o primeiro romance em 1996, já com 60 anos de idade.

Por sua escrita, Garcia-Roza ganhou um Jabuti em 1997, com “O silêncio da chuva”, na categoria romance. É neste livro que surge o detetive Espinosa. No total, ele escreveu 12 romances pela Companhia das Letras.

Antes de sua hospitalização, em março de 2019, Garcia-Roza deixou pronto o romance “A última mulher”, também com Espinosa investigando um homicídio no baixo meretrício da Lapa carioca. O romance foi publicado em julho de 2019.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora